Voz


PodCast



Enquete





Blog

Natureza

Antártica está mais verde devido ao aquecimento global, dizem cientistas

Natureza  Postado por Anacley Souza - 19/05 19:49h
Antártica está mais verde devido ao aquecimento global, dizem cientistas

A Antártica está ficando mais verde devido aos efeitos do aquecimento global, afirmam cientistas num estudo publicado nesta quinta-feira (18) na revista especializada "Current Biology". O aumento da temperatura teve um efeito dramático no crescimento de musgos no extremo norte da Península Antártica, disse um dos autores do estudo, o cientista Matt Amesbury, da Universidade de Exeter, na Inglaterra. "Se isso continuar, e por causa da área crescente de terra livre de gelo por causa do desaparecimento das geleiras, a Antártida será mais verde no futuro", acrescentou o pesquisador. Há quatro anos, os pesquisadores britânicos verificaram mudanças sem precedentes nos musgos do extremo sul da Península Antártica. Segundo Amesbury, o novo estudo mostra que o fenômeno ocorre em toda a península, que é a parte mais setentrional da Antártida e fica relativamente perto da América do Sul. Amesbury e seu colegas analisaram amostras de solo coberto por musgos, recolhidas nas ilhas Elefante, Ardley e Green, numa distância de 640 quilômetros. Nessa região está a camada de musgos mais grossa e antiga da Antártica, que só tem 0,3% de cobertura vegetal.

Comente agora

Pesquisa mostra os impactos da seca na floresta amazônica

Natureza  Postado por Anacley Souza - 16/05 19:39h
Pesquisa mostra os impactos da seca na floresta amazônica

Redução da produção de biomassa, diminuição da riqueza e da densidade de samambaias e queda de 30% da taxa de fluxo de seiva bruta. Esses são os principais impactos da seca na floresta amazônica, fenômeno causado pelas mudanças climáticas, segundo um estudo desenvolvido durante 15 anos por pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi, no Estudo da Seca da Floresta (Esecaflor). Entre 2002 e 2017, os pesquisadores Antônio Lola e Leandro Valle simularam períodos de seca prolongada na Floresta Nacional de Caxiuanã, a mais antiga da Amazônia Legal e a segunda mais antiga do Brasil, a 400 quilômetros de Belém (PA). O experimento foi feito em duas parcelas de 10 mil metros quadrados, sendo que, em uma delas, cerca de 50% da água da chuva foi eliminada do solo. Estas áreas foram delimitadas por trincheiras cavadas com profundidades variando de 50 a 150 centímetros. A parcela A foi usada como testemunha para os experimentos realizados na parcela B, de onde foi retirada parte da água da chuva. Isso foi feito com a construção de uma estrutura composta por, aproximadamente, 6 mil painéis plásticos, distribuídos a uma altura de até 3,5 metros acima do solo.

Comente agora

Espécie de aranha gigante, nativa do Brasil, é achada em rua na Inglaterra

Natureza  Postado por Anacley Souza - 10/05 19:33h
Espécie de aranha gigante, nativa do Brasil, é achada em rua na Inglaterra

Uma espécie de aranha gigante, nativa do Brasil e do tamanho de uma mão humana, foi achada abandonada em uma rua de Leicester (Inglaterra) na semana passada. A caranguejeira-rosa-salmão-brasileira estava em uma caixa larga na via. Esse tipo de aranha é capaz de comer aves. O aracnídeo foi levado a um abrigo da Sociedade Protetora de Animais (RSPCA) da cidade inglesa. "Apesar do tamanho, a aranha não é agressiva", disse Steve Smith, da RSPCA, segundo o "Mirror". De acordo com Steve, animais de estimação exóticos costumam ser levados para a entidade depois que os seus donos descobrem o quão difícil e caro é criá-los. (O Globo)

Comente agora

Crustáceo com risco de extinção, guaiamum ainda resiste em Patamares

Natureza  Postado por Anacley Souza - 02/05 08:42h
Crustáceo com risco de extinção, guaiamum ainda resiste em Patamares

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) adiou a proibição da venda do guaiamum, assim como a captura do animal, que passaria a valer a partir de amanhã, para o ano que vem. O crustáceo corre risco de extinção devido à caça predatória, agravada pela degradação dos manguezais onde completam seu ciclo de vida. Apesar de ameaçado, o guaiamum – que se diferencia do caranguejo pela coloração azulada – ainda resiste na capital baiana, no último remanescente de manguezal da orla atlântica de Salvador, o estuário do rio Passa Vaca, que deságua na praia de Patamares.

Comente agora

Brasil registra primeiras temperaturas negativas no ano

Natureza  Postado por Anacley Souza - 27/04 10:43h
Brasil registra primeiras temperaturas negativas no ano

O ar frio de origem polar entrou com muita força sobre o Sul do Brasil fazendo a temperatura baixar muito. As primeiras temperaturas abaixo de zero de 2017 foram registradas na madrugada desta quinta-feira, 27. Pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia, a menor temperatura no País até as 7h foi 1,1°C abaixo de zero na região do Morro da Igreja, em Bom Jardim da Serra, cidade na parte mais elevada da serra catarinense. O EPAGRI-CIRAM, órgão de monitoramento meteorológico e ambiental do governo de Santa Catarina registrou 0,5°C negativos no Morro de Urupema, na cidade de Urupema, também na região mais alta da serra de Santa Catarina.

Comente agora

Plástico já entrou na cadeia alimentar terrestre, mostra estudo

Natureza  Postado por Anacley Souza - 26/04 21:41h
Plástico já entrou na cadeia alimentar terrestre, mostra estudo

Uma equipe de cientistas mexicanos e holandeses documentou pela primeira vez a entrada de microplásticos na cadeia alimentar terrestre, graças a um estudo de campo desenvolvido na reserva ambiental de Los Petenes, no México. Os pesquisadores apresentaram os resultados nesta terça-feira durante uma reunião da União Europeia de Geociências. Apesar de há anos existirem estudos sobre a entrada do plástico na cadeia alimentar marinha, este seria o primeiro a documentar o fenômeno no entorno terrestre, segundo explicou a cientista mexicana Esperanza Huerta, do centro de pesquisa Colégio da Fronteira Sul (ECOSUR, na sigla em espanhol). Ela coordenou a pesquisa junto a cientistas da Universidade de Wageningen, na Holanda. De acordo com a pesquisadora, devido à falta de recolhimento e gestão dos plásticos, os habitantes de Los Petenes queimam os resíduos e os enterram no chão de suas hortas, aumentando o risco de microfragmentação.

Comente agora

Fenômeno raro é registrado no céu de Palmas

Natureza  Postado por Anacley Souza - 23/04 16:34h
Fenômeno raro é registrado no céu de Palmas

Um arco-íris de fogo foi visto na manhã deste domingo (23) no céu de Palmas. O fenômeno é considerado raro. Moradores registram em foto e compartilharam nas redes sociais. A moradora da quadra 404 Norte, Mari César disse que o filho dela fez várias fotos ao avistar o colorido no céu. "Ele tirou as fotos por volta das 11h45 e me mandou. Eu perguntei: 'o que o que é isso?' E ele disse: 'É um arco-íris de fogo'. Eu nunca tinha visto", disse. O raro fenômeno popularmente chamado de arco-íris de fogo, na verdade se chama arco circum-horizontal, e é um halo formado por cristais de gelo em nuvens chamadas cirrus. Em 2015, o fenômeno foi registrado em Isle of Palms, na Carolina do Sul, nos Estados Unidos. (Globo)

Comente agora

Maior asteroide detectado em 13 anos passará perto da Terra

Natureza  Postado por Anacley Souza - 17/04 21:37h
Maior asteroide detectado em 13 anos passará perto da Terra

Um enorme asteroide passará pela Terra nesta quarta-feira (20). Batizado de "2014-JO25", o corpo celeste passará a uma 1.76 milhões de quilômetros da atmosfera terrestre, cerca de quatro vezes a distância entre o planeta e a Lua. No entanto, este é o maior corpo celeste a passar perto da Terra desde 2004, com o "4179 Toutatis", que media cerca de 4.97 km de largura. Nas contas da Nasa, o "JO25" mede cerca de 1 km de diâmetro e tem superfície com grande capacidade de reflexão da luz. "Mesmo que não haja possibilidade de o asteroide colidir com nosso planeta, trata-se de uma pequena distância para um corpo celeste desta proporção", informa o comunicado da agência espacial. Ainda assim, a passagem do "JO25" não será visível a olho nu, mas poderá ser claramente observada com a ajuda de telescópio ou de um binóculo de grande alcance. A Nasa se referiu ao fenômeno desta quarta-feira como uma "incrível oportunidade de observar um asteroide".

Comente agora

NASA descobre 'rios' metálicos na atmosfera de Marte

Natureza  Postado por Anacley Souza - 12/04 06:56h
NASA descobre 'rios' metálicos na atmosfera de Marte

Os novos dados, recebidos pela sonda da NASA, MAVEN, mostram que a atmosfera do Planeta Vermelho contém não só hidrogênio, ácido carboneto e azoto, mas também fitas de íons metálicos que foram trazidos para Marte por micrometeoritos, informa a agência norte-americana. Segundo planetólogos, no passado longínquo, há aproximadamente quatro bilhões de anos, Marte era muito parecido com a Terra. O planeta possuía atmosfera densa, oceanos aquáticos e clima bastante suave — características que o fariam uma ótima opção para nascimento da vida. Mas há dois bilhões de anos, Marte se tornou um deserto inanimado: sua atmosfera desapareceu no espaço, reservas de água se evaporizaram ou se congelaram, sendo cobertas por areias do Planeta Vermelho. Por que isso aconteceu? Segundo cientistas, a razão seria que, ao contrário da Terra e Júpiter, Marte não possui seu próprio campo magnético ou que ele desapareceu nas primeiras centenas de milhões de anos da sua vida.

Comente agora

'Lua rosa' vai iluminar o céu nesta noite de terça-feira

Natureza  Postado por Anacley Souza - 11/04 08:04h
'Lua rosa' vai iluminar o céu nesta noite de terça-feira

Apesar de podermos ver a lua cheia a cada 29 dias, a que aparecerá no céu na noite desta terça-feira (11) não é como a que estamos acostumados a ver. Ela se chama "Lua rosa" e era especialmente importante para as antigas culturas, que seguiam o calendário lunar no lugar do solar. A "Lua rosa" recebeu este nome graças às flores da mesma cor que costumavam aparecer precisamente nesta época, coincidindo com o equinócio vernal. Eram os nativos da América do Norte que assim chamavam este corpo celeste. Este fenômeno é cheio de simbolismo, e não é por acaso que cristãos, judeus e hindus deram a estas datas um significado especial. Antigamente, a primeira Lua cheia de abril marcava a chegada da primavera, segundo informou o The Sun. Apesar do seu nome, esta Lua não tem um motivo para ser precisamente cor de rosa, dado que a cor que vemos depende das condições ambientais como a poluição, nuvens e névoa.

Comente agora

Fenômeno na noite desta sexta vai facilitar a observação de Júpiter

Natureza  Postado por Anacley Souza - 07/04 20:03h
Fenômeno na noite desta sexta vai facilitar a observação de Júpiter

Para quem gosta de observar fenômenos celestes, esta noite traz um belo espetáculo: a visualização de Júpiter, o maior planeta do sistema solar. Ele estará em oposição (momento em que a Terra fica entre Júpiter e o Sol) às 18h39 desta sexta-feira e, às 3h de sábado, atinge o ponto mais próximo da Terra – próximo em termos astronômicos, pois estará a 667 milhões de quilômetros de distância. O planeta será um ponto extremamente brilhante no céu, que pode ser visto sem a ajuda de instrumentos. “Para encontrar o planeta por volta das 19h basta olhar na direção Leste do céu: ele será um ponto brilhante de coloração levemente amarelada. O momento em que estará mais iluminado é em torno da meia-noite, quando Júpiter estará bem alto. Nesta noite, se olharmos na direção Oeste, o planeta estará um pouco acima da Lua e, depois dela, será o ponto mais luminoso do céu”, afirma o astrônomo Daniel Mello, astrônomo do Observatório do Valongo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Comente agora

Astrônomos brasileiros amadores descobrem chuva de meteoro

Natureza  Postado por Anacley Souza - 02/04 07:05h
Astrônomos brasileiros amadores descobrem chuva de meteoro

Entre as mais de 800 chuvas de meteoros catalogadas pela União Astronômica Internacional, nenhuma havia sido descoberta por brasileiros. Isso mudou no último dia 20 de março, quando a organização registrou oficialmente em sua lista dois desses fenômenos, descobertos por astrônomos amadores brasileiros, e que jamais haviam sido observados por cientistas profissionais. Uma chuva de meteoros ocorre quando, ao orbitar em torno do Sol, a Terra atravessa uma região onde há concentração de poeira e partículas. Ao entrar na atmosfera, as partículas se incendeiam, formando rastros luminosos no céu - as chamadas "estrelas cadentes". Batizadas de Epsilon Gruids e August Caelids, localizadas nas constelações do Grou e do Cinzel, respectivamente, as duas novas chuvas de meteoros foram descobertas por membros da Rede Brasileira de Observação de Meteoros (Bramon), depois de três anos de trabalho, que incluiu a análise de mais de 86 mil registros do céu. Pode-se dizer que o crescimento da Bramon foi mesmo "meteórico". De acordo com um de seus fundadores, o analista de dados Carlos Augusto Di Pietro, a rede criada em 2014 já conta atualmente com 54 membros, que operam 82 estações de monitoramento espalhadas em 19 Estados brasileiros. Eles já registraram 4.205 órbitas de asteroides e agora comemoram uma importante descoberta de impacto internacional.

Comente agora

Cometa vai passar "perto" da Terra e iluminará céu de verde

Natureza  Postado por Anacley Souza - 31/03 19:49h
Cometa vai passar "perto" da Terra e iluminará céu de verde

Neste sábado, dia 1º de abril, o céu de boa parte do planeta ficará esverdeado devido a um cometa que passará o mais próximo da Terra na sua história. O cometa 41P/Tuttle-Giacobini-Kresak, que começará a ser visível na madrugada deste sábado, no entanto, apenas para o Hemisfério Norte, passará a uma distância de 21 milhões de quilômetros do nosso planeta, cerca de 53 vezes a distância entre a Terra e a Lua, que é de 384 mil km. Depois de passar tão "perto" daqui, o corpo celeste continuará a sua aproximação ao Sol, ficando a "apenas" 160 milhões de km da estrela no dia 12 de abril. "O cometa tem uma cor verde brilhante, quase fluorescente, porque contém moléculas de carbono que produzem este efeito quando são iluminadas pelo Sol no vazio do espaço", observou o astrofísico italiano Gianluca Masi, responsável pelo Virtual Telescope Project. Ele explica que, para ver melhor o cometa, é bom usar um binóculos ou um telescópio, mesmo que ele seja visível a olho nu. "O cometa tem uma luminosidade de magnitude 6, ou seja, bem no limite da visibilidade a olho nu. Para quem tem uma boa visão ele pode ser visto, de qualquer forma, basta um pequeno binóculos com uma lente de 50 milímetros para isso", disse o italiano. Descoberto em 31 de maio de 1858 pelo astrônomo norte-americano Horace Parnell Tuttle e observado pelo francês Michel Giacobini e pelo eslovaco Lubor Kresák, o 41P/Tuttle-Giacobini-Kresak, explicou Masi, se aproxima do Sol a cada 5,4 anos. A última vez aconteceu em 2011 e, depois desta passagem, o cometa reaparecerá em 2022. (Ansa)

Comente agora

Observatório diz que meteoro pode ter causado tremor na Bahia

Natureza  Postado por Anacley Souza - 28/03 21:25h
Observatório diz que meteoro pode ter causado tremor na Bahia

O Observatório Nacional, ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, disse nesta terça-feira (28) que um meteoro pode ter sido a causa de um estrondo e de um tremor registrados em Salvador e cidades vizinhas da Bahia, no último domingo (26). A equipe de sismologia do Observatório, que integra a Rede Sismográfica Brasileira, também descartou que tenha havido abalos sísmicos nas regiões onde foram relatados os tremores. Segundo o órgão, a EXOSS, uma organização sem fins lucrativos que tem como finalidade o estudo de meteoros e que é parceira do Observatório, foi quem levantou a suspeita. Não há, no entanto, confirmação até o momento de que a queda de um meteoro tenha provocado o barulho e o tremor, mas os relatos e as imagens obtidas apontam para essa origem, segundo o órgão. O Observatório disse que a EXOSS é uma rede colaborativa, que busca conhecer as origens, natureza e caracterização de órbitas dos meteoros. Para isso, integra as estações de monitoramento montadas por seus associados, obtendo imagens em diversos locais – entre os quais, na sede do Observatório Nacional, no Rio de Janeiro, e no Observatório Astronômico do Sertão de Itaparica, também do ON, em Itacuruba, Pernambuco.

Comente agora

Meteorito modificou campo magnético da Terra, diz agência

Natureza  Postado por Anacley Souza - 24/03 21:33h
Meteorito modificou campo magnético da Terra, diz agência

A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) divulgou esta semana um comunicado afirmando que a anomalia detectada no campo magnético ao redor da cidade de Bangui, na República Centro-Africana, pode ser causada pelo impacto de um meteorito 540 milhões de anos atrás. Nessa região, segundo a nota, o campo magnético é “significativamente mais agudo e mais forte” do que no resto do planeta. A alteração foi observada em um novo mapa do campo, elaborado pela equipe da agência, que possui a maior resolução já alcançada. “Medições do espaço têm grande valor, pois oferecem uma visão global nítida sobre a estrutura magnética da camada externa rígida do nosso planeta”, diz Rune Floberghagen, líder da missão Swarm, cujo satélite, assim como o alemão CHAMP, forneceu os dados para fazer o mapeamento. Segundo os cientistas, compreender o campo magnético da Terra, assim como suas anormalidades, é importante para desvendar a história do planeta que está impressa em sua crosta. Esse campo é como “um enorme invólucro que nos protege da radiação cósmica e das partículas carregadas que bombardeiam nosso planeta com o vento solar”, sem o qual “não existiria a vida tal como conhecemos”, escreve a agência.

Comente agora

Novo raio atinge Ceará e número de radiações em 2017 já supera o total de 2016

Natureza  Postado por Débora Ayane - 24/03 16:17h
Novo raio atinge Ceará e número de radiações em 2017 já supera o total de 2016

Mais um raio atingiu o Ceará na noite dessa quinta-feira (23). Dessa vez, a radiação ocorreu no morro vizinho ao açude do Cedro e à pedra da Galinha Choca, em Quixadá, no sertão central. Com essa ocorrência, a incidência de raios no Estado em 2017 já supera o número acumulado em todo o ano de 2016, segundo informações da Tribuna do Ceará. O momento foi registrado em foto por um morador do local, que se espantou com o fenômeno. "Olha o raio! Tu viu?", compartilhou em suas redes sociais. De acordo com a publicação, a radiação aconteceu em uma das regiões que mais sofrem com a estiagem, após cinco anos de seca.

Comente agora

Em 30 anos, cerrado brasileiro pode ter maior extinção de plantas da história, diz estudo

Natureza  Postado por Anacley Souza - 23/03 23:17h
Em 30 anos, cerrado brasileiro pode ter maior extinção de plantas da história, diz estudo

Se o índice de desmatamento do cerrado brasileiro se mantiver como é hoje - cerca de 2,5 maior do que na Amazônia -, o mundo pode registrar a maior perda de espécies vegetais da história. A tese é de um artigo de pesquisadores do Instituto Internacional para a Sustentabilidade (IIS) e de outras instituições nacionais e internacionais, divulgado nesta quinta-feira na revista científica Nature . O cerrado perdeu 46% de sua vegetação nativa, e só cerca de 20% permanece completamente intocado, segundo os pesquisadores. Até 2050, no entanto, pode perder até 34% do que ainda resta. Isso levaria à extinção 1.140 espécies endêmicas - um número oito vezes maior que o número oficial de plantas extintas em todo o mundo desde o ano de 1500, quando começaram os registros. "Há 139 espécies de plantas registradas como extintas no mundo todo. Mas claro, sabemos que espécies foram extintas antes mesmo de a gente conhecê-las", disse à BBC Brasil Bernardo Strassburg, coordenador do estudo e secretário-executivo do IIS. "Mesmo assim, a perda no cerrado seria uma crise sem proporções." O desmatamento na região, de acordo com os pesquisadores, cresceu em níveis alarmantes "por causa da combinação de agronegócio, obras de infraestrutura, pouca proteção legal e iniciativas de conservação limitadas". Mesmo assim, Strassburg e sua equipe afirmam que o cenário apocalíptico projetado para 2050 pode ser evitado.

Comente agora

Gelo marinho no Ártico registra menor extensão no inverno em 38 anos

Natureza  Postado por Anacley Souza - 22/03 21:01h
Gelo marinho no Ártico registra menor extensão no inverno em 38 anos

A extensão do gelo que cobre o oceano Ártico, que atinge seu ponto máximo durante o inverno boreal, registrou um novo mínimo histórico, informaram nesta quarta-feira a Nasa e o Centro americano de Neve e Gelo (NSIDC). É o terceiro ano consecutivo em que se registra uma redução das camadas de gelo desde o início das observações por satélite, em 1979. O quadro não foi tão surpreendente, considerando que 2016 foi o ano mais quente no planeta desde o início do registro das temperaturas, em 1880, e que marcou o terceiro recorde anual consecutivo de calor. O gelo que flutua no Oceano Ártico aumenta e diminui em um ciclo sazonal, atingindo seu maior tamanho em março e seu menor em setembro. Em 7 de março deste ano, o gelo marinho ártico atingiu 14,42 milhões de km2, sua superfície máxima no inverno de 2017, antes de começar a derreter com a chegada da primavera, indicaram os cientistas. Em 2015, esta extensão máxima foi de 14,51 milhões de km2, e em 2016, de l4,52 milhões de km2. Os cientistas do NSIDC atribuíram este fenômeno a um outono e um inverno muito quentes, com temperaturas na superfície do oceano Ártico 2,5 graus centígrados acima da média. Também citaram uma série de ondas de calor invernais extremas no Ártico, assim como ocorreu durante o inverno de 2015. Em 2016, o Ártico teve o seu ano mais quente desde o início dos registros nesta região, em 1900, segundo a Agência Oceânica e Atmosférica americana (NOAA).

Comente agora

Apenas 2,5% da água da Mata Atlântica têm qualidade

Natureza  Postado por Anacley Souza - 22/03 19:24h
Apenas 2,5% da água da Mata Atlântica têm qualidade

Dos 240 pontos de coleta de água distribuídos em 184 rios, córregos e lagos de bacias hidrográficas da Mata Atlântica, apenas 2,5% têm qualidade boa. Os dados são do estudo “Observando os Rios 2017”, da Fundação SOS Mata Atlântica, sobre a qualidade da água nas bacias do bioma. Ele foi apresentado hoje (22) durante o seminário Águas do Brasil, que reuniu especialistas e representantes da sociedade civil no Ministério do Meio Ambiente para falar sobre os 20 anos da Lei das Águas. Das águas analisadas, 70% estão em situação regular e 27,5% com qualidade ruim ou péssima. “Isso significa que 66 pontos monitorados estão impróprios para o abastecimento humano, lazer, pesca, produção de alimentos, além de não terem condições de abrigar vida aquática. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo”, diz o relatório. A especialista em recursos hídricos da fundação, Malu Ribeiro, explicou que uma das causas da poluição é o despejo de esgoto doméstico. Para ela, as decisões tomadas acerca da gestão da água não podem mais falhar, pois a poluição e o desperdício agravam a escassez hídrica e os eventos climáticos adversos. “O que trazemos é a voz dos rios da Mata Atlântica, das regiões mais adensadas e mais economicamente ativas do país. Regiões que passaram a ter que reconhecer o que é escassez e crise hídrica, isso não fazia parte do imaginário da população da Mata Atlântica, uma mata úmida, que produz água”, disse.

Comente agora

Calor recorde: clima entrou em ‘território desconhecido’, diz ONU

Natureza  Postado por Anacley Souza - 21/03 19:09h
Calor recorde: clima entrou em ‘território desconhecido’, diz ONU

Informe anual publicado nesta segunda-feira pela Organização das Nações Unidas (ONU) confirma que 2016 bateu todos os recordes de temperatura, 2017 mantém a mesma tendência e o clima mundial entrou em “território desconhecido”. Segundo os cientistas, os modelos criados nas últimas décadas para examinar o comportamento da atmosfera já não atendem aos eventos extremos pelo planeta. “Estamos vendo mudanças profundas ao redor do planeta que estão desafiando os limites de nosso entendimento sobre o sistema climático. Estamos de fato em um território desconhecido”, alertou David Carlson, especialista da entidade. Os dados iniciais deste ano já preocupam. Em menos de três meses, o Ártico registrou três ondas de calor, com poderosas tempestades vindas do Atlântico e trazendo umidade. Durante o auge do inverno no Polo Norte, alguns dias tiveram temperaturas próximas do degelo. Em certos lugares, como a costa da Rússia, Alasca e partes do Canadá, a temperatura média ficou 3°C acima da média registrada entre 1961 e 1990. Em Svalbard, região ártica da Noruega, os registros apontam para 6,5°C acima da média histórica. Em 2016, outros fatos já chamavam atenção. Em 24 de março, a camada de gelo no Polo Norte era de 14,5 milhões de quilômetros quadrados, a mais baixa desde que satélites começaram a medir o espaço em 1979.

Comente agora

Incêndios florestais nas Serras de Jacobina ameaçam ecossistema raro e único no mundo

Natureza  Postado por Débora Ayane - 18/03 08:09h
Incêndios florestais nas Serras de Jacobina ameaçam ecossistema raro e único no mundo

Os incêndios florestais acontecem em diversas regiões do Brasil, e em que 90% dos casos são causadas pelo homem, o que representa uma ameaça real à sustentabilidade de determinados ecossistemas e prejudicam os esforços globais para a conservação da água. Em períodos de estiagem, quando a vegetação está seca, é comum também à queimada por causas naturais, sem que haja a intenção do homem. Neste caso, qualquer fagulha ao cair no solo pode se transformar em um grave incêndio florestal, devastando áreas inteiras.As Serras de Jacobina com suas elevações acima de 1000m favorecem o acúmulo de água e o surgimento de inúmeras nascentes. Destaca-se que os vales das serras, (Figura 1), devido ao encharcamento excessivo, proporcionam o desenvolvimento das turfas de montanhas. As turfas em outras partes do mundo são protegidas pela Convenção de Berna, 1979 e Directiva Habitats, 1992, pelo fato de serem o habitat de uma grande diversidade de espécies raras e protegidas, além de serem um verdadeiro reservatório purificador, ou seja, purificam a água, retendo na sua estrutura todas as substâncias que são transportadas em solução, tais como íons metálicos e outras substâncias tóxicas. Contribuem também para regular a infiltração da água após chuvas intensas, sendo gradualmente liberada durante os períodos de baixa precipitação, regulando ainda a erosão dos solos e o microclima local.

Comente agora

Hubble capta estrela com raio 1,5 mil vezes maior que o do Sol

Natureza  Postado por Anacley Souza - 12/03 09:12h
Hubble capta estrela com raio 1,5 mil vezes maior que o do Sol

O supertelescópio Hubble captou um grupo de estrelas conhecido como Westerlind 1, a apenas 15 mil anos-luz da Via Láctea. Até hoje, esse foi o maior conjunto de estrelas descoberto até hoje. Segundo a Nasa, as estrelas são classificadas por seu espectro, temperatura da superfície e luminosidade. Astrônomos descobriram que Westerlund 1 é a casa de uma enorme estrela, com um raio pelo menos 1500 vezes maior que o Sol. Se colocada ao lado do nosso Sol, a Westerlund 1-26, como é chamada essa estrela supergigante, ela ultrapassaria a órbita de Júpiter

Comente agora

Estudo questiona capacidade das árvores de absorver gás carbônico

Natureza  Postado por Anacley Souza - 07/03 18:44h
Estudo questiona capacidade das árvores de absorver gás carbônico

Não há quem não tenha aprendido na escola que umas das funções mais importantes das árvores é ajudar a regular o gás carbônico na atmosfera. Mas um novo estudo realizado na Austrália questiona as estimativas sobre a quantidade de dióxido de carbono (CO2) que árvores poderiam retirar da atmosfera. Segundo cientistas da Universidade da Western Sydney University, árvores não conseguem armazenar tanto dióxido de carbono (CO2) quando se pensava. Os experimentos põem em dúvida a tese de que níveis crescentes de CO2 na atmosfera intensificariam o desenvolvimento (o chamado efeito de fertilização) das árvores - que se "alimentam" do carbono retirado do ar através da fotossíntese - aumentando assim a absorção do gás. O estudo foi publicado na revista científica Nature Climate Change . Segundo os cientistas, a pesquisa também indica que, por este motivo, levantamentos internacionais sobre o armazenamento de gás carbônico nas florestas podem estar superestimados. Eles analisaram, por cinco anos, eucaliptos nos limites de Sydney que foram artificialmente bombardeados por altas doses de dióxido de carbono lançadas por tubos a 28 metros de altura. O objetivo do experimento era simular os níveis de CO2 na atmosfera previstos para 2050. A fotossíntese das árvores estudadas aumentou em 19% em três anos, mas - como elas crescem em uma região de solo pobre - a intensificação do processo não teve o impacto esperado no seu crescimento.

Comente agora

Onda de calor mata dezenas de animais em fazendas na Argentina

Natureza  Postado por Anacley Souza - 01/03 21:33h
Onda de calor mata dezenas de animais em fazendas na Argentina

Dezenas de bezerros morreram após uma onda de calor na província de La Pampa, na Argentina. Segundo o veterinário que avaliou animais mortos em uma das fazendas da região, eles sofreram ataques cardíacos provocados pela exposição contínua às elevadas temperaturas, que chegaram a 40 graus. Ceferino Orueta, funcionário da fazenda Don Félix, disse ao jornal “El Clarín” que encontrou diversos grupos de animais mortos, somando 66 dentro da propriedade. O veterinário que analisou o caso disse que os bezerros se reuniram para tentar criar sombra uns para os outros, mas que a aproximação acabou aumentando a temperatura corporal deles, causando a morte. Os animais tinham cerca de 200 a 250 quilos cada e funcionários e proprietários de outras fazendas da região também relataram casos parecidos, em que os animais foram encontrados praticamente amontoados. As autoridades também registraram um grande aumento na mortandade dos peixes daquela região, devido ao aquecimento das águas.

Comente agora

Saiba o melhor horário para ver o eclipse do Sol deste domingo

Natureza  Postado por Anacley Souza - 23/02 20:19h
Saiba o melhor horário para ver o eclipse do Sol deste domingo

O domingo de Carnaval será acompanhado de um espetáculo a mais: um eclipse do Sol que poderá ser admirado de quase todas as regiões do país. Em algumas partes do globo como o sul do Chile, Argentina e África ele será total (quando a Lua encobre o Sol completamente), mas, aqui no Brasil, será parcial e uma meia-lua luminosa poderá ser vista no céu. O fenômeno deve atingir seu ponto máximo entre 11h e 12h30 e pode durar até 3 horas, dependendo da localização do observador. Estados mais ao sul terão uma visualização melhor do eclipse – mas isso não impede que outras regiões possam ver pelo menos uma parte da Lua encobrindo o Sol. Segundo o astrônomo Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), apenas algumas partes do Maranhão, Tocantins, Mato Grosso, Rondônia e Pará não conseguirão ver nada. “De maneira geral, quanto mais ao sul do país, maior a fração do Sol que será encoberta pela Lua”, afirma. De acordo com ele, em alguns estados a sombra da Lua poderá ocultar até 70% do Sol.

Comente agora

O 1º eclipse do Sol abre os espetáculos astronômicos de 2017

Natureza  Postado por Anacley Souza - 19/02 09:32h
O 1º eclipse do Sol  abre os espetáculos  astronômicos de 2017

O domingo de Carnaval, 26 de fevereiro, terá o primeiro espetáculo celeste de 2017 — um eclipse solar parcial que poderá ser visto em boa parte do país. O fenômeno, em que a Lua fica na frente do Sol, ocultando-o, deve escurecer o fim da manhã por quase uma hora. Os astrônomos avisam que o eclipse não deve ser observado diretamente, pois a luz do Sol pode causar danos à visão. O ideal é usar um vidro de máscara soldadora ou acompanhar o fenômeno por meio de eventos promovidos pelos observatórios. “Os dois eventos celestes mais interessantes do ano serão os eclipses solares, que ocorrem em 26 de fevereiro e 21 de agosto. São fenômenos que acontecem poucas vezes por década, por isso as oportunidades de acompanhá-los devem ser aproveitadas”, afirma Gustavo Rojas, astrônomo e físico da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Como observar: Olhar diretamente para o Sol pode ser perigoso, por isso o eclipse solar não deve ser observado sem proteção adequada – olhar o evento com binóculos, telescópios, filmes velados ou chapas de exames de Raio-X pode causas danos oculares.

Comente agora

Quantidade de gelo nos polos tem queda recorde em janeiro

Natureza  Postado por Anacley Souza - 16/02 21:09h
Quantidade de gelo nos polos tem queda recorde em janeiro

Janeiro registrou um novo declínio recorde na quantidade de gelo nos polos da Terra, enquanto as temperaturas desse mês também foram consideradas as terceiras mais altas da era moderna, informou o governo americano nesta quinta-feira (16). Analistas da Agência Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) determinaram que em janeiro a temperatura da Terra foi 0,88 grau superior ao esperado para a média do século XX, de acordo com o documento. “É a maior temperatura registrada para um mês de janeiro” desde 1880, com exceção dos anos 2016 e 2007, quando ocorreram a mais alta e a segunda mais alta temperatura respectivamente. Essas temperaturas incomuns contribuíram para o derretimento de gelo no Ártico, onde a média na quantidade de gelo foi de 1,26 milhão de Km2, ou seja, 8,6% a menos que a média registrada entre 1981 e 2010. “Trata-se da menor superfície existente nos polos em janeiro desde que começaram os registros em 1979: 258.998,81 km2 a menos que o recorde anterior registrado em 2016”, ressaltou o informe. Na Antártida, a extensão de gelo em janeiro foi de 1,1 milhões de km2, 22,8% a menos que a média registrada entre 1981 e 2010. “Essa foi a menor extensão de gelo na Antártida em janeiro desde que a pesquisa começou em 1979, e aproximadamente 284.898 km2 menor que o recorde de 2006”, acrescentou. Apesar da redução do nível do gelo polar, houve uma ampla variedade pluviométrica no planeta em janeiro. A neve, por sua vez, tem sido mais intensa no hemisfério norte, com 2.305.089 Km2 a mais que a média documentada entre os anos 1981–2010. (AFP)

Comente agora

Meteoro pode devastar a Terra antes do Carnaval, diz teoria

Natureza  Postado por Anacley Souza - 14/02 21:25h
Meteoro pode devastar a Terra antes do Carnaval, diz teoria

Você está fazendo planos para o Carnaval? Segundo a previsão de um russo, que se intitula astrônomo, é melhor repensar: a Terra pode ser atingida por um meteoro devastador justo na próxima quinta-feira, dia 16 de fevereiro. A teoria da conspiração apocalíptica começou no ano passado, após a Nasa detectar no espaço um objeto, denominado 2016 WF9 e que pode ser um cometa ou um asteroide, numa rota que parece estar em direção do nosso planeta. A agência espacial americana garante que o corpo celeste, cujo tamanho estimado é de meio a um quilômetro de diâmetro, passará longe do nosso planeta, a cerca de 51 milhões de quilômetros de distância, no dia 25 de fevereiro, mantendo a vida terrestre e o sábado de Carnaval intactos. Apesar disso, como relata o jornal britânico Daily Mail, o russo Dyomin Damir Zakharovich, que usa o título de “doutor”, diz que o objeto pode atingir a Terra em cheio na próxima quinta-feira, 16 de fevereiro. O suposto astrônomo diz que o WF9 vem do hipotético Sistema Nibiru, às vezes chamado de Planeta X, que estaria na fronteira do Sistema Solar. “O objeto que chamam WF9 deixou o Sistema Nibiru em outubro, quando Nibiru começou a rodar em sentido anti-horário ao redor do Sol”, diz Zakharovich.

Comente agora

Antártida vai soltar um iceberg do tamanho de Brasília

Natureza  Postado por Débora Ayane - 08/02 16:14h
Antártida vai soltar um iceberg do tamanho de Brasília

Em apenas dois meses, a rachadura na plataforma Larsen C, na Antártida, cresceu 27 quilômetros – desde dezembro, ela avançou quase cinco campos de futebol por dia. A ruptura, que deve acontecer nos próximos meses, vai criar um dos maiores icebergs já vistos no mundo, com 5.000 km² (área equivalente à do Distrito Federal). Até agora, apenas 20 quilômetros de faixa de gelo impedem que o imenso bloco se solte da plataforma.De acordo com pesquisadores britânicos do projeto Midas, que monitora a fenda desde 2014, a área em que a rachadura se encontra já está vulnerável ao aquecimento gradual de temperaturas, o que acelera o processo de desprendimento. O fenômeno, segundo eles, vai mudar drasticamente o cenário da Antártida.O bloco de gelo sozinho não vai causar aumento no nível do mar, uma vez que flutuará nos arredores gélidos da Antártida, sem derreter. A grande preocupação dos cientistas é que rupturas futuras, decorrentes do desprendimento, podem levar ao descongelamento de geleiras. E isso poderia, sim, elevar o nível do mar. Estimativas do estudo apontam que na (improvável) hipóteses de toda a plataforma Larsen C derreter, o nível dos oceanos poderia aumentar em até 10 centímetros.

Comente agora

Filhotes de tartarugas são soltos em praia de Itapuã, em Salvador

Natureza  Postado por Débora Ayane - 08/02 13:07h
Filhotes de tartarugas são soltos em praia de Itapuã, em Salvador

Trinta filhotes de tartarugas foram soltos na praia da Pedra do Sal, em Itapuã, em Salvador, na manhã desta quarta-feira (8). A ação foi feita por integrantes do projeto Tamar e da Guarda Civil Municipal, que têm uma parceria para reforçar a proteção da desova desses animais entre as praias da Barra e de Itapuã.Conforme a bióloga Manuela Borja, do projeto Tamar, os filhotes nasceram na noite de terça-feira (7). Eles são das espécies Cabeçuda, Pente e Oliva, que estão ameaçadas de extinção. Só no ano passado, foram encontrados 202 ninhos de tartaruga no trecho entre as praias de Itapuã e Aleluia. O trajeto tem cerca de 5km. Só em 2017, essa parceria resultou no recolhimento de 126 ovos de tartaruga que estavam em áreas que apresentavam risco de integridade por conta da movimentação de pessoas.

A ação de soltura é também uma forma de conscientizar a população sobre a importância de proteger as tartarugas. "São atividades de sensibilização. Um momento que a gente oportuniza para a população para estar mostrando nossos resultados para a comunidade para que ela tenha contato com o animal, se sensibilize e nos ajude a proteger as tartarugas marinhas", afirmou Manuela Borja.

Comente agora

Fenda gigantesca na Antártica cresceu 28 quilômetros em 2 meses

Natureza  Postado por Anacley Souza - 07/02 20:39h
Fenda gigantesca na Antártica cresceu 28 quilômetros em 2 meses

Uma imensa rachadura em uma das cinco maiores plataformas de gelo da Antártica tem avançado rapidamente e está a ponto de originar um gigantesco iceberg. De acordo com os cientistas, desde a segunda metade de dezembro, a fenda na plataforma de gelo Larsen C cresceu 28 quilômetros em comprimento. Atualmente, a rachadura tem 175 quilômetros de extensão e apenas vinte quilômetros de gelo impedem que um bloco de 5.000 quilômetros quadrados se solte da plataforma e se transforme e um dos dez maiores icebergs do globo.“O iceberg deve se soltar nos próximos meses”, afirmou a equipe de cientistas britânicos do Projeto Midas, que monitora a rachadura por meio de imagens de satélite e radares, em comunicado. Segundo os pesquisadores, o desprendimento do iceberg irá mudar fundamentalmente a paisagem da Antártica. Como o bloco de gelo flutuará, ele não deve causar aumento no nível dos oceanos – contudo, futuras rupturas causadas pelo desprendimento podem levar ao descongelamento de geleiras e, como a água dessas últimas são integradas aos mares, podem levar ao aumento do nível. Plataformas de gelo flutuam no mar, na extremidade da geleiras, com uma espessura de centenas de metros. Por não estarem sobre a terra, pedaços podem se desprender.

Comente agora

Policial grava passagem de meteoro em universidade dos EUA

Natureza  Postado por Anacley Souza - 06/02 20:19h
Policial grava passagem de meteoro em universidade dos EUA

Uma câmera da polícia da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, capturou o momento em que um meteoro passa pelo céu, na noite deste domingo (5). O registro ocorreu próximo ao campus da instituição. Assista ao vídeo:

 

O fenômeno, de acordo com site "USA Today", foi visto também nos estados de Illinois e Indiana. O Serviço Meteorológico Nacional, em Chicago, também postou no Twitter um vídeo feito pela polícia da vila de Lisle na manhã desta segunda.

Comente agora

Jiboia mais rara do mundo é encontrada na Mata Atlântica

Natureza  Postado por Anacley Souza - 03/02 19:41h
Jiboia mais rara do mundo é encontrada na Mata Atlântica

Cobra da espécie Corallus cropanii é redescoberta, 60 anos após o seu último registro vivo, no Vale do Ribeira por pesquisadores do Instituto Butantan e do Museu de Zoologia da USP Pesquisadores do Instituto Butantan e do Museu de Zoologia da USP anunciam a redescoberta da cobra da espécie Corallus cropanii, conhecida popularmente como jiboia-do-Ribeira ou jiboia-de-Cropan, na região do Vale do Ribeira, em São Paulo. Ela é considerada uma das mais raras do mundo e após mais de meio século o animal foi encontrado vivo e na natureza. Esta é a segunda serpente da espécie encontrada viva em seu habitat natural. A primeira vez que a jiboia-do-Ribeira foi encontrada viva na natureza foi em 1953, quando foi descrita pelo herpetólogo do Instituto Butantan Alphonse Richard Hoge, a partir de um macho de cerca de 1 metro de comprimento encontrado na cidade de Miracatu, SP. A segunda jiboia foi capturada em Pedro Toledo em 1969 e trazida já morta para o Instituto Butantan, enquanto o terceiro chegou até o Instituto vindo da Estação de Trem do município de Santos em 1978. Como seus dados de localidade são incertos é possível que tenha sido capturado no Vale do Ribeira e enviado ao Butantan por Santos. Após cerca de 30 anos sem novos registros da espécie, que foi então considerada praticamente extinta, em 2003 pesquisadores do Instituto Butantan encontraram um novo espécime sem vida no município de Eldorado, próximo ao rio Ribeira do Iguape. Este espécime estava com um morador local e tinha somente a cabeça e a pele conservados em álcool.

Comente agora

Asteroide gigante passará perto da Terra neste domingo

Natureza  Postado por Anacley Souza - 03/02 18:43h
Asteroide gigante passará perto da Terra neste domingo

Um asteroide de 94 metros de diâmetro passará perto da Terra neste domingo (05) segundo informações do Observatório Nacional, ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Mas, segundo os especialistas, não há risco de colisão com o nosso planeta. O objeto 2013FK passará a uma distância de 2,7 milhões de quilômetros. O Observatório Nacional vai monitorar a passagem do asteroide por meio de um telescópio instalado em Itacuruba, no interior do Pernambuco, e pretende estudar, com as observações, as propriedades físicas do objeto. O asteroide deste domingo não será o único a passar perto da Terra neste ano. No dia 12 de outubro, outro objeto, menor - com 19 metros de diâmetro - chegará ainda mais perto: 38.400 quilômetros da superfície do planeta. O valor equivale a um décimo da distância entre o nosso planeta e a Lua. Mesmo assim, não há risco de colisão. Antes deste, em 23 de setembro, outro objeto, de 11 metros de diâmetro, se deslocará próximo à Terra, a uma distância de cerca de 153 mil quilômetros. (Estadão Conteúdo)

Comente agora

Asteroide vai se chocar com a Terra em fevereiro, diz astrônomo

Natureza  Postado por Anacley Souza - 30/01 17:55h
Asteroide vai se chocar com a Terra em fevereiro, diz astrônomo

O fim do mundo já tem dia, mês e ano: 16 de fevereiro de 2017. Nesta data, um asteroide denominado como 2016WF9, com cerca de 1 km de diâmetro, vai atingir a Terra, provocando uma catástrofe capaz de destruir o planeta. Esta, pelo menos, é a previsão do auto-proclamado astrônomo russo Dyomin Damir Zakharovich. Em matéria publicada no tabloide inglês Daily Mail, Zakharovich afirmou que o asteroide, descoberto pela Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) em 2016, deve passar a 51 milhões de km de distância da Terra, conforme divulgado na época pelos próprios cientistas da Nasa. No entanto, teóricos da conspiração e o "astrônomo" russo acreditam que essa informação é mentirosa e que o asteroide está em rota de colisão com a Terra. O suposto choque causaria um gigantesco tsunami, que levaria à extinção da vida. "O objeto que chamam de WF9 deixou o 'sistema Nibiru' em outubro, quando Nibiru começou a circular o Sol no sentido horário. Desde então, a Nasa sabe que ele irá se chocar contra a Terra. Mas, não estão contando para ninguém", diz Dyomin Damir Zakharovich em entrevista ao tabloide inglês. Por outro lado, a Nasa insiste que o asteroide, que é escuro e reflete pouca luz em sua superfície, não oferece perigo para nosso planeta. "A trajetória do 2016WF9 é bem conhecida e o objeto não será uma ameaça à Terra pelos próximos milhares de anos", informa a agência em nota à imprensa.

Comente agora

Nova teoria explica a origem de meteoritos perigosos

Natureza  Postado por Anacley Souza - 29/01 15:15h
Nova teoria explica a origem de meteoritos perigosos

Uma equipe científica internacional liderada por Philipp R. Heck, da Universidade de Chicago, chegou à conclusão de que a causa principal dos choques entre meteoritos e a Terra são as colisões de asteroides que ocorreram há centenas de milhões de anos, segundo diz o artigo publicado pela revista especializada Nature Astronomy. Os investigadores creem que as colisões de asteroides nos recantos mais remotos do universo produzem "escombros" que vão se dispersando e caindo em nosso planeta durante centenas de milhões de anos. A maioria destes asteroides são os chamados "objetos próximos da Terra", mais conhecidos por seu acrônimo em inglês, NEO (Near Earth Objects), que são feitos de pedra com incrustações de minerais, além disso, têm pouca quantidade de ferro e de metais em geral. Entretanto, os meteoritos encontrados na nossa Terra pertencem a outro tipo, caracterizado pela abundância em ferro em detrimento de outros metais. Mas por que são tão diferentes uns dos outros? De acordo com os investigadores, em sua maioria, os meteoritos que caíram em nosso planeta não provêm de lugares "próximos", mas são produto de choques que ocorreram há milhões de anos. Estas colisões produzem fragmentos de pedra que navegam por nossa galáxia desde então.

Comente agora

Confira os principais eventos de 2017 no espaço

Natureza  Postado por Willyam Reis - 22/01 14:06h
Confira os principais eventos de 2017 no espaço

Chuva de meteóros, despedida da sonda Cassini e eclipses solares. Sem dúvida, o ano de 2017 será marcante para a astronomia. O UOL publicou uma lista com os principais eventos ao longo do ano. Confira!

Fevereiro

11 – Eclipse lunar – O evento será visível para quem estiver no leste da América do Sul, leste do Canadá, o Oceano Atlântico, Europa, África e Ásia ocidental.

26 – Eclipse anular do Sol. Com a exceção da região Norte, o fenômeno será visível como parcial de quase todo território brasileiro.

Abril

7 – Júpiter vai ficar mais visível

O professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP, Roberto Dias da Costa, explica que o planeta estará "exatamente oposto ao Sol para nós aqui na Terra". Segundo o especialista, este fato significa que o planeta vai ficar muito mais brilhante.

16 a 25 – Chuva de meteoros Lirideas

Comente agora

2016 bate novo recorde de ano mais quente da história

Natureza  Postado por Anacley Souza - 18/01 13:48h
2016 bate novo recorde de ano mais quente da história

O ano de 2016 bateu o recorde de ano mais quente desde que são feitos os registros, informou nesta quarta-feira (18) a Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês). Este é o terceiro ano consecutivo que o recorde é atingido. Em 2016 a temperatura da superfície da Terra foi 0,94ºC mais alta do que a média registrada no século XX. Em 2015, o recorde foi de 0,04°C a mais na temperatura, de acordo com a NOAA.

Comente agora

Gorila Colo morre aos 60 anos, diz zoológico nos EUA

Natureza  Postado por Anacley Souza - 17/01 13:54h
Gorila Colo morre aos 60 anos, diz zoológico nos EUA

A gorila Colo morreu aos 60 anos, informou nesta terça-feira (17) o zoológico de Columbus, Ohio. Colo foi a primeira gorila a nascer em um zoológico e era a "matriarca" da família de gorilas do zoo. Ela era considerada a gorila mais velha conhecida - a expectativa de vida do animal é de 40 anos, segundo o zoo.

Comente agora

Em 13 anos, planeta perdeu quase 1 milhão km² em florestas naturais, indica estudo

Natureza  Postado por Débora Ayane - 14/01 10:48h
Em 13 anos, planeta perdeu quase 1 milhão km² em florestas naturais, indica estudo

Um estudo publicado na sexta-feira (13) pela revista científica "Science Advances", indica que o planeta perdeu 919 mil km² de florestas naturais entre os anos de 2000 e 2013, o equivalente a 7,2% da área total. O trabalho do professor de geografia da Universidade de Maryland, nos Estados unidos, Peter Potapov, indica que 60% da redução aconteceu em áreas tropicais. O Brasil é um dos maiores responsáveis pelo desmatamento, com 157 mil km² de perda de ecossistema. O país aparece próximo de Rússia, com 179 mil km², e Canadá, com 142 mil km². Em 37% da área destruída, a causa do desmatamento é a extração de madeira. Em seguida aparece a expansão agrícola, com 27%, e a propagação dos incêndios florestais por causa da construção de infraestrutura, com 21%.

Comente agora

Morcegos brasileiros começam a se alimentar de sangue humano

Natureza  Postado por Débora Ayane - 14/01 09:35h
Morcegos brasileiros começam a se alimentar de sangue humano

Pesquisadores brasileiros, da Universidade Federal de Pernambuco, descobriram que, pela primeira vez, uma espécie de morcego passou a se alimentar de sangue humano naquela região. Antes disso, o que se sabia era que o animal consumia, exclusivamente, sangue de pássaros.O estudo, conduzido no Parque Nacional do Catimbau (a cerca de 300 km de Recife), analisou 70 amostras de fezes da espécie Diphylla ecaudata (o morcego-vampiro-de-pernas-peludas) e conseguiu extrair o DNA de 15 delas – sendo que em três continham vestígios de sangue humano misturado com o de aves. O resultado foi publicado na revista Acta Chiropterologica, especializada em morcegos.“Nós ficamos muito surpresos. Essa espécie não tinha uma adaptação fisiológica para se alimentar com sangue de mamíferos”, explicou o pesquisador Enrico Bernard à New Scientist. Segundo o professor, o sangue de aves é rico em gordura, enquanto o dos mamíferos é mais espesso e rico em proteína.

Mudança de hábito

Comente agora

Câmera em colar de urso polar dá pistas de como aquecimento está mudando seu cotidiano

Natureza  Postado por Débora Ayane - 13/01 13:37h
Câmera em colar de urso polar dá pistas de como aquecimento está mudando seu cotidiano

Uma câmera GoPro acoplada ao pescoço de uma ursa polar capturou cenas do cotidiano do animal no gelo ártico. A câmera foi instalada por cientistas do U.S. Geological Survey (Instituto de Pesquisas Geológicas do governo americano) para descobrir como os ursos polares estão reagindo ao derretimento de gelo causado pelo aquecimento global.Os cientistas resolveram divulgar as imagens para alertar o público sobre a ameaça do aquecimento global. O vídeo mostra a ursa caçando com um companheiro. Ela mergulha no mar e captura uma foca, que é estraçalhada na neve em seguida. Ursos polares são os maiores carnívoros terrestres, chegando a pesar 800 kg. Segundo a ONG World Wildlife Foundation, trata-se de uma espécie em situação de vulnerabilidade. Sua população atual no mundo é estimada em 20 mil a 25 mil animais, dos quais de 5 mil a 7 mil vivem no Ártico russo.Desde que a a caça de ursos polares foi proibida na Rússia, em 1957, a maior ameaça atual aos animais é a perda de seu habitat por conta de mudanças climáticas.

Comente agora

EUA incluem abelha em lista de espécies ameaçadas pela primeira vez

Natureza  Postado por Anacley Souza - 12/01 21:57h
EUA incluem abelha em lista de espécies ameaçadas pela primeira vez

Autoridades americanas anunciaram a inclusão de uma espécie de abelha que desempenha um papel importante na polinização na lista de espécies em risco de extinção. É a primeira vez que uma espécie de abelha é objeto de tal medida no território continental dos Estados Unidos, informou na quarta-feira (12) o Serviço Americano de Pesca e Fauna Selvagem (USFWS). A decisão, que entrará em vigor em 10 de fevereiro, prevê medidas de proteção em nível nacional e a elaboração de um plano para fazer com que a população desses insetos cresça, através de fundos federais para os estados que contam com colônias destas abelhas, cujo nome científico é Bombus affinis. A população destas abelhas - uma das cinco espécies norte-americanas -, diminuiu 88% desde o ano 2000, coincidindo com uma perda ou degradação de 87% de seu habitat, combinada com os efeitos nocivos dos pesticidas e os patógenos. Atualmente, esta espécie está presente em apenas 13 estados do país e na província canadense de Ontário, enquanto que no final da década de 1990 estava em 31 estados americanos e em várias províncias do Canadá, segundo a USFWS, cuja decisão foi publicada no Diário Oficial. O Canadá incluiu a Bombus affinis na sua lista de espécies em risco de extinção já em 2012.

Comente agora

Brasil terá dois eclipses solares em 2017

Natureza  Postado por Anacley Souza - 11/01 19:42h
Brasil terá dois eclipses solares em 2017

O Sol vai desaparecer dia 26 de fevereiro. Mas só o sul da Argentina e do Chile, mais Angola, Congo e Zâmbia na África serão agraciados com um eclipse total sobre suas cabeças. E a sorte deles é maior do que parece: esse será um raro eclipse anular, igual o da imagem em cima, com a a Lua encobrindo o Sol todo, menos as bordas, deixando um “anel de fogo” no céu– “de fogo” entre aspas, claro, já que não tem fogo no Sol, o que a gente vê ali é energia nuclear pura, a céu aberto. Depois dessa, o Sol fica preto de novo no dia 21 agosto. A versão total desse eclipse vai acontecer longe do Brasil, mas a vantagem agora será de quem mora no norte e no nordeste – esses conseguirão ver uma boa parcial do fenômeno. Quem se deu bem mesmo foram os americanos. O eclipse total vai atravessar todo o território dos Estados Unidos. (Superinteressante)

Comente agora

Iceberg gigante está prestes a se soltar na Antártida

Natureza  Postado por Anacley Souza - 10/01 22:36h
Iceberg gigante está prestes a se soltar na Antártida

Um iceberg de quase cinco mil metros quadrados, equivalente ao tamanho do Distrito Federal, está prestes a se soltar da plataforma de gelo Larsen C, a maior da Antártida. Os especialistas não conseguiram estimar uma data exata para o rompimento, mas estima-se que acontecerá nos próximos meses. Isso porque apenas uma área de 20 quilômetros está prendendo um dos maiores icebergs da Terra à plataforma de gelo. As plataformas de gelo da Antártida são placas de gelo flutuantes sobre o oceano e não fazem parte do continente. Por isso, o maior temor - o de elevar o nível do mar-, pode ser descartado, pois elas já estão no volume do mar. No entanto, isso pode gerar consequências negativas caso as áreas desprendidas afetem as geleiras continentais. Uma vez que escoamento dessas geleiras, que eram "barradas" pela plataforma de gelo, começar a desbocar diretamente no oceano, a tendência é que, consequentemente, elas derretam, aumentando o nível do mar. Os rompimentos de plataformas da Antártida começaram em 1995, com o rompimento da Larsen A, e depois em 2002, com a Larsen B.

Comente agora

Novo estudo diz que série de impactos pode ter dado origem à Lua

Natureza  Postado por Anacley Souza - 10/01 20:46h
Novo estudo diz que série de impactos pode ter dado origem à Lua

A Lua, companheira do nosso planeta há cerca de 4,5 bilhões de anos, pode ter sido formada pelo impacto de uma série de rochas com uma Terra embrionária. Segundo estudo publicado no periódico científico Nature Geoscience, na segunda-feira, um bombardeio de corpos celestes teria lançado porções de nosso planeta para o espaço, formando pequenas “Luas” que ficaram orbitando a Terra e, ao longo de milhões de anos, se reuniram para formar nosso satélite. A nova teoria poderia explicar uma grande inconsistência na hipótese dominante, segundo a qual a Lua é resultado de uma única e gigantesca colisão entre a Terra e um corpo celeste do tamanho de Marte. De acordo com ela, cerca de um quinto do material da Lua teria vindo da Terra, e o resto do segundo corpo. No entanto, a composição da Terra e da Lua são quase idênticas – uma improbabilidade que há muito tempo intriga os defensores da hipótese do impacto único. “O cenário de múltiplos impactos é uma forma mais ‘natural’ de explicar a formação da Lua”, disse Raluca Rufu, do Instituto Weizmann de Ciências, um dos autores do novo estudo. Esses impactos múltiplos teriam escavado mais material da Terra do que um único impacto, o que significa que os satélites resultantes se assemelhariam mais à composição do nosso planeta, afirma o estudo.

Comente agora

Altas temperaturas podem acarretar em sangramento nasal

Natureza  Postado por Débora Ayane - 10/01 17:54h
Altas temperaturas podem acarretar em sangramento nasal

Ar seco, calor e temperaturas elevadas, além das taxas baixas de umidade podem favorecer o ressecamento da mucosa do nariz. Com isso, a fragilidade e a ruptura dos vasos aumentam, causando a epistaxe, nome dado ao sangramento nasal.Segundo o otorrinolaringologista da Clínica Dolci em São Paulo, Dr. Ricardo Landini Lutaif Dolci, esta é uma situação muito comum, que chega a acometer mais de 60% da população em algum momento da vida. Outras causas de sangramento no nariz são: alergias, uso de certos medicamentos, sinusite, uso de cocaína, exposição a irritantes químicos, traumas, rinite, corpo estranho no nariz, sprays nasais e até a utilização de anticoagulantes.Os casos de epistaxe, na maioria das vezes, não são graves e podem ser controlados em casa.

Comente agora

Floresta amazônica tem o maior desmatamento em nove anos

Natureza  Postado por Anacley Souza - 09/01 20:33h
Floresta amazônica tem o maior desmatamento em nove anos

Entre agosto de 2015 e julho de 2016 (calendário oficial para medir o desmatamento), a Amazônia perdeu 7.989 quilômetros quadrados (km²) de floresta, a maior taxa desde 2008, segundo levantamento do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) a partir de dados oficiais divulgados pelo governo federal no fim do ano passado. O desmatamento no período equivale à derrubada de 128 campos de futebol por hora de floresta, segundo a entidade. O perfil fundiário dos responsáveis pela devastação teve pouca variação em relação aos últimos anos: a maior derrubada ocorreu nas propriedades privadas (35,4%), seguida de assentamentos (28,6%), terras públicas não destinadas e áreas sem informação cadastral (24%), e pelas unidades de conservação, que registraram 12% de todo o desmatamento verificado nos 12 meses analisados. De acordo com o Panorama do desmatamento da Amazônia 2016,Os estados que registraram maior aumento da taxa de desmatamento foram Amazonas, Acre e Pará, com incremento de 54%, 47% e 41%, respectivamente. Em números absolutos, o estado que mais desmatou foi o Pará, 3.025 km² de floresta a menos; seguido de Mato Grosso, que perdeu de 1.508 km² de vegetação nativa; e Rondônia, com 1.394 km² de derrubadas.

Comente agora

Mais 1 milhão de peixes de espécies nativas são liberados no São Francisco

Natureza  Postado por Anacley Souza - 08/01 17:29h
Mais 1 milhão de peixes de espécies nativas são liberados no São Francisco

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) libera neste domingo (8) cerca de 1 milhão de alevinos – filhotes de peixes que acabam de sair do ovo – de espécies nativas da Bacia do São Francisco no trecho alagoano do rio. O objetivo da ação é recompor o estoque dos peixes da região e aumentar a quantidade e a variabilidade de espécies nativas. Segundo a Agência Brasil, a ação ocorre por ocasião da tradicional Festa de Bom Jesus dos Navegantes de Penedo, em Alagoas, com concentração no Porto das Balsas no Centro Histórico de Penedo. O chefe da Unidade de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf, Leonardo Sampaio, informou que o peixamento deste domingo inclui peixes das espécies piau, xira, piabas, matrinxã e curimatã-pioa. Segundo ele, antes do início dos peixamentos, algumas espécies estavam desaparecidas na área. “O matrinxã e o curimatã-pioa estavam desaparecidos naquele trecho do rio. Com o peixamento ao longo dos anos, voltaram a aparecer. Os pescadores mais jovens nem conheciam o matrinxã, por exemplo”.

Comente agora

Pássaros estão se divorciando por causa do desmatamento

Natureza  Postado por Débora Ayane - 05/01 14:18h
Pássaros estão se divorciando por causa do desmatamento

Você já sabe que o desmatamento não é bom. Contribui para o aquecimento global, extermina espécies, e até atrapalha a economia. O que talvez você não saiba é que cortar árvores também está afetando vidas conjugais. De pássaros.Quem está vivenciando esse dilema são duas espécies de aves os Troglodytes pacificus e os Catharus ustulatus (conhecido no Brasil como sabiá-de-óculos), animais com características marcantes: eles são monogâmicos e fiéis. Ou eram. Na natureza, essas aves costumavam encontrar regiões seguras, garantir um pouco de comida, e então achavam um par para procriar. Viviam felizes para sempre.Claro que havia imprevistos e separações. Às vezes o parceiro tinha algum problema fértil, não conseguia produzir novos ovinhos, e aí a natureza falava mais forte. O pássaro ia para outra região procurar um novo par que pudesse, enfim, transmitir seus genes adiante; mas essa situação era rara. Agora as separações estão ficando mais comuns.

Comente agora

Estudo desmente desaceleração do aquecimento global de 1998 a 2014

Natureza  Postado por Anacley Souza - 04/01 21:36h
Estudo desmente desaceleração do aquecimento global de 1998 a 2014

Durante 15 anos, entre 1998 e 2014, uma aparente desaceleração do aquecimento global foi usada pelos céticos como argumento para afirmar que o fenômeno era "um engano", mas um estudo publicado nesta quarta-feira (4) aponta que essa pausa foi uma ilusão. O trabalho dos pesquisadores das Universidades de Berkeley, na Califórnia, e de York, no Reino Unido, confirmam as conclusões de um estudo de 2015, elaborado pela Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês). "Nossos resultados significam basicamente que a NOAA tinha razão e que seus cientistas não alteraram os dados", aponta o pesquisador Zeke Hausfather, de Berkeley, e principal autor do estudo publicado na revista americana "Science Advances". A análise feita em 2015 pelos cientistas da NOAA mostrou que as temperaturas medidas pelas boias usadas hoje nos oceanos são ligeiramente mais frias do que as registradas nas leituras feitas pelos navios no passado. Essas diferenças de temperatura entre o velho e o novo sistema de medição ocultaram a realidade do aquecimento global nesses 15 anos, concluíram os pesquisadores.

Comente agora
Veja mais

As 5+ comentadas












Todos os direitos reservados a Marcus Augusto Macedo | vozdabahia@hotmail.com