As comentadas


Boa noite , Terça-feira, 28/06/2016








Enquete



Reflita

Blog

Economia

28
Jun
Crise econômica faz disparar número de idosos com nome sujo
Postado por: Anacley Souza / 22:17h

Nessa crise da economia brasileira, disparou o número de aposentados endividados. E o pior é que, na maioria das vezes, eles estavam ajudando a pagar despesas de outras pessoas. Filhos... Se já é duro dizer “não” para eles quando são pequenos, quando crescem, continua difícil - o que muda são os pedidos. "Era para comprar uma cama e um tanquinho. Deixei que ele pagasse, mas tudo se enrolando, se enrolando, porque ele trabalha por conta própria”, conta a doméstica Antônia Francisca de Oliveira. Esta é uma situação que não é incomum: um terço das dívidas que os idosos fazem é para emprestar dinheiro para familiares. É o que mostra um levantamento feito pela Serasa Experian. E este é um dinheiro que na maioria dos casos não tem volta. A crise tem piorado essa situação. Com o desemprego aumentando, em muitas famílias a única renda é a do aposentado. Em 2015, 900 mil idosos deixaram de pagar suas dívidas. Um dos motivos é que muitos, além de pagar as contas de casa, ainda comprometem parte da aposentadoria com empréstimos consignados, diz o diretor da Serasa, Julio Guedes: “O consignado é a forma que eles têm para ter esse dinheiro no momento inicial e, com isso, conseguem resolver os problemas dos filhos, mas os filhos muitas vezes acabam não conseguindo depois pagar essa dívida para seus pais”. Anderson está arrumando a casa enquanto não aparece nenhum trabalho. Ele mora ao lado da mãe, a dona Lúcia, que está fazendo tudo para ajudar o filho a sair dessa situação. “Fiz empréstimo para poder ajudar ele, que era para poder pagar as contas”, diz a aposentada Lúcia Costa dos Prazeres. A dona Antônia, do começo da reportagem, está tentando renegociar a dívida para limpar o nome e voltar a ter crédito. Adivinha para quê? “Tenho netos, às vezes a gente quer comprar as coisas para eles e não tem como. Tudo à vista não dá”, conta. “Vó é assim.” O governo anunciou que vai pagar a primeira parcela do 13º dos aposentados e pensionistas do INSS a partir do dia 23 de agosto. A segunda parcela vai ser paga em novembro. Em 2015, por causa da queda da arrecadação, a primeira parcela foi paga em setembro.

Comente agora
28
Jun
Gigante de móveis Ikea fará recall de 29 milhões de cômodas após mortes
Postado por: Anacley Souza / 17:52h

A gigante de móveis sueca Ikea convocou nesta terça-feira (28) um recall de 29 milhões de cômodas nos Estados Unidos e no Canadá após as mortes de pelo menos seis crianças desde 1989. As mortes ocorreram após o móvel cair em cima das crianças. "Ikea Estados Unidos e Ikea Canadá vão lançar um recall local de cômodas da linha Malm apenas na América do Norte", afirmou um porta-voz do grupo à AFP. "As cômodas satisfazem as obrigações de estabilidade em todos os mercados onde são vendidas", acrescentou o representante, destacando que as cômodas são seguras se estiverem afixadas às paredes. Em comunicado, a Ikea afirmou que os consumidores deveriam parar "imediatamente" de usar qualquer cômoda que esteja no recall e não esteja apropriadamente fixada na parede. A empresa pediu ainda que o móvel seja colocado em uma área à qual as crianças não tenham acesso. Em março, a Ikea foi informada da morte de um menino, após outras cinco mortes desde 1989, todas nos Estados Unidos. "Nenhuma dessas cômodas estava afixada à parede, segundo as informações que temos", apesar de o manual de instrução indicar o procedimento, afirmou o porta-voz. Na segunda-feira, a imprensa americana publicou o depoimento da mãe de um menino que morreu após tentar subir em uma dessas cômodas. Em julho de 2015, o Ikea já havia feito uma campanha para que os donos desses móveis fixassem as cômodas nas paredes. A companhia afirmou ter vendido mais de 147 milhões de cômodas no mundo nos últimos 13 anos, mais da metade (78 milhões) da linha Malm. (Folha de S. Paulo)

Comente agora
28
Jun
Dólar recua e fecha a R$ 3,30 pela primeira vez em quase 1 ano
Postado por: Anacley Souza / 17:33h

O dólar fechou em forte queda nesta terça-feira (28), cotado a R$ 3,30 pela primeira vez em quase um ano. A moeda norte-americana caiu 2,61%, a R$ 3,3060 na venda. Veja a cotação do dólar hoje. A última vez que o dólar fechou abaixo de R$ 3,30 foi em 23 de julho de 2015. O recuo da moeda dos Estados Unidos acompanhou a recuperação dos mercados pelo mundo, depois de dois dias de mau humor com a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia (UE). O mercado também reagiu a declarações do novo presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e à perspectiva de que os juros não devem cair tão cedo no Brasil. No mês de junho, o dólar acumula queda de 8,47%. No ano de 2016, a moeda tem desvalorização de 16,2%. O mercado brasileiro manteve a tendência de apresentar quedas maiores do dólar do que seus pares na América Latina, ajudado também pela perspectiva de que o BC só volte a cortar os juros básicos em outubro e pela ausência de interferência no câmbio. Em documento, o BC informou nesta terça-feira que o cenário central "não permite trabalhar com a hipótese de flexibilização das condições monetárias", ou seja, com corte de juros. A manutenção da Selic em 14,25% por mais tempo tende a sustentar a atratividade do mercado local para investidores estrangeiros. O Banco Central estimou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - a inflação oficial do país - deve ficar próximo de 7% neste ano. Com isso o IPCA deverá ficar, pelo segundo ano seguido, acima do teto de 6,5% determinado pelo sistema de metas de inflação brasileiro Goldfajn disse ainda que a instituição não irá recomendar ao Conselho Monetário Nacional (CMN) elevar a meta central de inflação para 2017, que está fixada em 4,5%. Na véspera, a moeda norte-americana subiu 0,44%, a R$ 3,3946 na venda, após chegar a R$ 3,4167 na máxima desta sessão e a R$ 3,3733 na mínima.

Comente agora
28
Jun
Deficit do governo central atinge R$ 145 bi em 12 meses, o pior já registrado
Postado por: Débora Ayane / 16:28h

O governo central - União, Banco Central e Previdência Social - registrou deficit de R$ 15,5 bilhões, ampliando o deficit registrado nos últimos 12 meses para R$ 145 bilhões, o pior desde o início da série histórica, em 1997. A conta foi influenciada pela piora do resultado da União, somada ao rombo da Previdência. O rombo de maio aponta uma deterioração rápida das contas públicas. Há um mês, em abril, o deficit acumulado em 12 meses estava em R$ 137,8 bilhões. A projeção do governo é que o rombo chegue a R$ 170 bilhões neste ano. Nos cinco primeiros meses do ano, o deficit é de R$ 23,8 bilhões. É a primeira vez, desde 1997, que o governo central apresenta deficit para o período. O resultado do Tesouro Nacional -quanto a União gasta a mais ou economiza- apresentou deficit de R$ 3,1 bilhões em maio. No mesmo mês de 2015, o resultado ficou negativo em R$ 1,5 bilhão. O Banco Central também apresentou deficit de R$ 115,7 milhões, mas menor do que há um ano, quando em maio o buraco foi R$ 257,9 milhões.O rombo da Previdência alcançou R$ 12,2 bilhões. No mesmo período do ano anterior, o deficit foi de R$ 6,3 bilhões. A queda da arrecadação foi o principal fator de desequilíbrio das contas do governo central em maio deste ano, quando comparado com maio de 2015. O tombo, corrigido pela inflação (IPCA), é de 9%. As despesas, também corrigidas pela inflação, caíram 1,8%. No acumulado dos cinco primeiros meses do ano, em termos reais -após descontar a inflação-, as receitas do governo central diminuíram 6,1%, e as despesas cresceram 1,4%. Com informações da Folhapress.

Comente agora
28
Jun
Contas do governo têm pior resultado para meses de maio em 20 anos
Postado por: Redação Voz da Bahia / 15:32h

Após registrar superávit primário em abril, as contas do governo voltaram vermelho em maio, quando foi registrado um déficit (despesas foram superiores às receitas, sem a inclusão de juros) de R$ 15,49 bilhões, informou a Secretaria do Tesouro Nacional nesta terça-feira (28). Trata-se do pior resultado para meses de maio desde o início da série histórica, em 1997, ou seja, em 20 anos. Até então, o maior déficit para meses de maio havia sido registrado em 2014 - quando o rombo somou R$ 10,44 bilhões. No mesmo mês do ano passado, també houve déficit, de R$ 8,07 bilhões. O fraco desempenho das contas públicas acontece em meio à forte recessão da economia brasileira, que tem reduzido as receitas da União com impostos. Apesar da queda na arrecadação, os números do Tesouro Nacional mostram que as despesas públicas continuam crescendo em 2016. Em maio deste ano, avançaram 7,3% sobre o mesmo mês do ano passado.

Comente agora
28
Jun
Taxa de juros do cheque especial chega ao recorde de 311,3% ao ano
Postado por: Dulce Santana / 07:16h

A taxa de juros do cheque especial continuou a subir em maio. De acordo com dados do Banco Central (BC) divulgados hoje (28), a taxa do cheque especial subiu 2,6 pontos percentuais, de abril para maio, quando ficou em 311,3% ao ano. Essa é a maior taxa da série histórica do BC, iniciada em julho de 1994. Em 12 meses, essa taxa já subiu 79,3 pontos percentuais. A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito é ainda maior: chegou a 471,3% ao ano, em maio, com alta de 18,9 pontos percentuais em relação a abril. Em 12 meses, a taxa subiu 111 pontos percentuais. O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando parcela o valor integral da fatura do cartão. Essa é a modalidade com taxa de juros mais alta na pesquisa do BC. A taxa média das compras parceladas com juros, do parcelamento da fatura do cartão de crédito e dos saques parcelados caiu 1,5 ponto percentual para 148,9% ao ano. A taxa do crédito pessoal, sem considerar operações consignadas (com desconto das prestações em folha de pagamento), caiu 0,9 ponto percentual para 129,9% ao ano.

Comente agora
27
Jun
Fundo move ação de falência contra a Oi na Holanda
Postado por: Anacley Souza / 23:12h

A Syzigy Capital Management – gerida pelo fundo Aurelius – entrou com um pedido de falência contra a subsidiária holandesa da Oi, a Oi Brasil Holdings Cooperatif UA, em um tribunal da Holanda, informou a operadora brasileira por comunicado nesta segunda-feira (27). A Oi pediu recuperação judicial na semana passada após declarar uma dívida acima de R$ 65 bilhões. A justiça brasileira ainda vai avaliar se aprova o pedido. Segundo a nota, o pedido foi feito com base em um descumprimento, pela Oi Brasil Holdings, quanto a títulos (bonds) emitidos no valor principal total de US$ 800 mil. "Tal medida agressiva por parte de um titular minoritário de bonds não foi inesperada, e a Oi está preparada para tomar todas as medidas cabíveis, inclusive na Holanda, para se proteger contra tais ações e não espera que haja impactos sobre o processo de recuperação judicial em curso no Brasil", diz a empresa por nota. No Brasil, uma decisão liminar da Justiça do Rio de Janeiro suspendeu, por 180 dias, todas as ações e execuções contra as empresas do grupo Oi. O objetivo é evitar que novas ações judiciais sejam realizadas entre o pedido de recuperação judicial e eventual aceitação por parte do juízo. Além disso, cortes do Reino Unido e dos Estados Unidos também deram reconhecimento e tutela provisória contra ações de credores durante o período de recuperação, que será avaliado pela justiça brasileira. "Não obstante esta recente ação tomada na Holanda, a Oi pretende continuar a ingressar em discussões construtivas de uma reorganização com a maioria dos seus credores no contexto do processo de recuperação judicial das Empresas Oi no Brasil. A Oi pretende empreender todos os esforços apropriados para buscar assegurar a proteção dos interesses das Empresas Oi e de todos os seus stakeholders", disse a empresa por nota.

Comente agora
27
Jun
Tarifas de serviços postais ficam mais caras a partir de amanhã
Postado por: Redação Voz da Bahia / 23:06h

A partir de amanhã (28/6), as tarifas de serviços postais nacionais e internacionais dos Correios terão um reajuste médio de 10,7%. A portaria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações regulamentando os novos valores foi publicada hoje (27/6) no Diário Oficial da União. Com o reajuste, o primeiro porte da carta não comercial terá seu valor corrigido de R$ 1,05 para R$ 1,15. No caso de telegrama nacional redigido pela internet, a tarifa passa de R$ 6,39 para R$ 7,07 por página. A tarifa da Carta Social, destinada aos beneficiários do programa Bolsa Família, permanece inalterada, em R$ 0,01. O reajuste já tinha sido definido pelo Ministério da Fazenda na semana passada. Os serviços são reajustados todos os anos com base na recomposição dos custos repassados à estatal, como aumento dos preços dos combustíveis, contratos de aluguel, transportes, vigilância, limpeza e salários dos empregados. As novas tarifas não se aplicam ao segmento de encomendas e marketing direto.

Comente agora
27
Jun
Juros do cartão e do cheque especial renovam recorde em maio
Postado por: Anacley Souza / 18:26h

A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito bateu um novo recorde em maio ao subir 18,9 pontos porcentuais e atingir 471,3% ao ano, informou nesta segunda-feira o Banco Central (BC). Trata-se da modalidade de crédito mais cara do mercado e da maior em 22 anos. A inadimplência nesse segmento, por sua vez, chegou a 37,5%, a maior entre as linhas de crédito para pessoa física. No cheque especial, a taxa avançou de 308,7% para 311,3% ao ano na passagem de abril para maio. Com isso, o patamar de juros cobrados nesse tipo de empréstimo continua como o maior da série histórica, iniciada em julho de 1994. A taxa média de juros no crédito livre subiu de 52,1% ao ano em abril para 52,3% ao ano em maio. No mesmo mês de 2015, essa taxa estava em 42,6% ao ano. Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 71,0% ao ano para 71,7% ao ano, de abril para maio, enquanto a para pessoa jurídica, caiu de 31,1% ao ano para 30,6% ao ano no mesmo período. A inadimplência destas operações, para pessoas físicas e para empresas, atingiu o patamar de 5,9% em maio, maior nível em mais de cinco anos. O aumento da inadimplência acontece em um momento de recessão na economia brasileira. No primeiro trimestre de 2016, o Produto Interno Bruto (PIB) caiu 0,3% em relação aos três meses anteriores. O spread bancário médio no crédito livre subiu de 38,9 pontos porcentuais em abril para 39,7 pp em maio, conforme o BC. O spread é a diferença entre a remuneração paga pelos bancos sobre os recursos captados e quanto cobram nas operações de crédito. O spread médio da pessoa física no crédito livre passou de 57,5 pp para 58,7 pp na comparação mensal. Para pessoa jurídica, o spread médio avançou de 18,3 pp para 18,5 pp no período. No total, o estoque de operações de crédito do sistema financeiro subiu 0,1% em maio ante abril e chegou a 3,14 trilhões de reais.

Comente agora
27
Jun
Bandeira tarifária continua na cor verde em julho, diz Aneel
Postado por: Débora Ayane / 18:07h

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que a bandeira tarifária permanecerá na cor verde em julho. Isso significa que não haverá cobrança extra nas contas de luz pelo uso de termelétricas. Desde abril a bandeira tarifária está na cor verde. O mês de julho será o quarto consecutivo sem a cobrança extra na conta de luz. A manutenção da bandeira verde se deve, segundo a Aneel, ao resultado positivo do período úmido (de chuvas), que recompôs os reservatórios das hidrelétricas; ao aumento de energia disponível com redução de demanda (queda no consumo); e à adição de novas usinas ao sistema elétrico brasileiro.O sistema de bandeiras tarifárias começou a valer em janeiro de 2015.

O mecanismo foi criado para permitir a arrecadação imediata de recursos para cobrir gastos extras com o aumento do uso de eletricidade produzida pelas termelétricas. A energia de termelétricas custa mais caro que a das hidrelétricas porque é produzida pela queima de combustíveis, como óleo e gás natural. Entre o final de 2012 e o início de 2016, foi preciso aumentar o uso das termelétricas no Brasil por conta da falta de chuvas, que deixou os reservatórios das hidrelétricas nos níveis mais baixos em anos.

Comente agora
27
Jun
São João da Bahia gera 150 mil empregos e fortalece economia
Postado por: Anacley Souza / 17:59h

O São João da Bahia 2016, realizado pelo Governo do Estado, incrementou a economia de Salvador e mais 92 municípios, onde baianos e turistas se divertiram ao som de forró e diversidade de ritmos, em shows gratuitos. “Os números são indicadores da dimensão e qualidade da festa, mostrando o quanto é competitiva”, afirma o secretário estadual do Turismo, Nelson Pelegrino, ao avaliar nesta segunda-feira (27/6) o resultado dos eventos. A festa alcançou mais de 300 municípios da Bahia, produzindo efeitos econômicos positivos em praticamente todas as regiões do estado. Em algumas cidades, a população dobrou durante os festejos juninos, como em Senhor do Bonfim, Amargosa, Santo Antônio de Jesus, Cachoeira, Piritiba e Cruz das Almas. Destacaram-se também os bons resultados das festas em Irecê, Ibicuí, Valença e Porto Seguro. “A festa está profissionalizada, atrai patrocínios público e privado e lota hotéis, pousadas e restaurantes”, assinala Pelegrino.

Comente agora
27
Jun
Bolsas da Europa fecham em queda, com forte recuo de ações de bancos
Postado por: Débora Ayane / 16:17h

O principal índice europeu de ações recuou nesta segunda-feira (27), com os bancos registrando a maior perda em dois dias, devido às incertezas em relação à decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia.O índice FTSEurofirst 300, que reúne as principais ações do continente, caiu 3,65%, a 1.223 pontos. Na sexta, a queda foi de 6,65%.O índice pan-europeu STOXX 600 recuou 4,11%, a 308 pontos, depois de cair 7% na sexta-feira, sua maior queda diária desde 2008.Já o índice britânico FTSE 100 fechou com recuo de 2,55%, levando a uma queda de 5,6% em duas sessões e provocando perdas de quase £ 100 bilhões (US$ 132 bilhões) desde o resultado do referendo na sexta-feira.Já a queda do índice espanhol Ibex foi menor do que outros índices da região depois que uma eleição geral levantou esperanças de que o país poderia resolver um impasse político, mesmo que não tenha ficado imediatamente claro que tipo de maioria pode ser formada.O índice de ações bancárias da Europa teve queda de 7,7%, perdendo mais de um quinto de seu valor em dois duas e terminando apenas poucos pontos acima da sua mínima alcançada no ápice da crise da dívida da zona do euro, no final de 2011.Analistas disseram que a saída do Reino Unido da UE deve colocar mais pressão sobre os resultados dos bancos, já sofrendo com taxas de juros muito baixas, crescimento baixo e alta inadimplência.

Comente agora
27
Jun
Juros do cheque especial e do cartão voltam a bater recorde em maio
Postado por: Débora Ayane / 13:07h

Os juros médios cobrados pelos bancos nas operações com cheque especial e com cartão de crédito rotativo avançaram em maio deste ano e voltaram a bater recorde histórico, segundo números divuglados nesta segunda-feira (27) pelo Banco Central.No caso do cheque especial, os juros subiram de 308,7% em abril para 311,3% ao ano em maio – a maior taxa desde o início da série histórica, em julho de 1994, ou seja, em quase 22 anos.Na parcial deste ano, a taxa subiu 24,3 pontos percentuais e, em 12 meses até maio, 79,3 pontos percentuais.

Cartão

Se a taxa de juros é alta para o cheque especial, ela pode ser considerada proibitiva para o cartão de crédito rotativo. Segundo o Banco Central, os juros médios cobrados pelos bancos nestas operações ficaram em 471,3% ao ano em maio, contra 452,4% ao ano em abril.Trata-se da modalidade de crédito mais cara do mercado.No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, houve um aumento de 39,9 pontos percentuais nos juros do cartão de crédito rotativo e, em doze meses até maio, uma alta de expressivos 111 pontos percentuais.

Comente agora
27
Jun
Estatais federais fizeram 55 mil novas contratações em cinco anos
Postado por: Dulce Santana / 11:46h

Entre 2010 e 2014, as estatais federais no Brasil fizeram 55.836 novas contratações, conforme dados atualizados do governo divulgados pelo jornal O Globo. Esse crescimento significa um aumento de 11,2%. Nas estatais, que dependem exclusivamente do Tesouro Nacional — como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) — a alta chega a ser de 48,4% no período. Já de 2006 a 2014, o volume de servidores nas estatais aumentou em 30%, e o das dependentes do Tesouro, em 75%. Enquanto o número de funcionários disparou, o volume de investimentos das estatais federais no primeiro quadrimestre caiu ao menor nível desde 2006. Diante disso, o governo do presidente interino Michel Temer (PMDB) está trabalhando para moldar o que chama de “Estado suficiente”, que vai balizar todas as privatizações que estão por vir, caso se confirme o afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT). Em entrevista ao Globo, Fernando Soares, diretor do Departamento de Estatais do Ministério do Planejamento, o governo vai procurar trazer um modelo de gestão privada para as estatais, com regras adaptadas de governança e transparência. Ele destaca, porém, que as estatais têm de atender aos interesses da sociedade, e não apenas render lucros ao governo.

Comente agora
26
Jun
Arábia Saudita prepara sua primeira emissão de bonds da história
Postado por: Débora Ayane / 16:39h

A Arábia Saudita contratou os bancos JPMorgan, HSBC e Citigroup para ajudar a vender títulos no mercado internacional, no que seria sua estreia com emissão de bonds, segundo contou uma fonte familiarizada com o assunto. O país visa fortalecer suas finanças prejudicadas pelos baixos preços do petróleo.A Arábia Saudita já garantiu um empréstimo de US $ 10 bilhões de um consórcio de credores internacionais em abril e já vendeu dívida para seus bancos domésticos. A Arábia e seus vizinhos do Golfo Pérsico - cuja fonte de receita principal decorre da venda de petróleo e gás - estão cada vez mais emitindo dívidas nos mercados internacionais, por conta da pressão sobre as finanças públicas neste período de preços baixos do petróleo.O Qatar vendeu US$ 9 bilhões em bônus no mês passado, enquanto Omã recentemente levantou US$ 2,5 bilhões e o emirado de Abu Dabi captou US$ 5 bilhões com emissão de bonds. No início de junho, o ministro das Finanças da Arábia Saudita disse que o país estava se preparando para explorar os mercados internacionais pela primeira vez.

Comente agora
26
Jun
MIT lista 50 empresas mais inteligentes do mundo
Postado por: Dulce Santana / 09:36h

A revista MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) Technology Review, uma das universidades mais renomadas do mundo, divulgou a edição de 2016, um levantamento com as 50 empresas mais inteligentes do mundo. De acordo com o portal Infomoney, as duas primeiras empresas são gigantes da tecnologia, a americana Amazon e a chinesa Baidu. Já a terceira posição ficou com a Illumina, que atua no segmento de biotecnologia.

Comente agora
26
Jun
Governo decide manter bandeira verde nas contas de luz em Julho
Postado por: Redação Voz da Bahia / 08:22h

A bandeira tarifária que será aplicada nas contas de energia elétrica em julho será a verde, ou seja, não haverá acréscimo de valor para os consumidores. Este é o quarto mês seguido em que a bandeira definida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) é verde. Segundo a Aneel, entre os fatores que contribuíram para a manutenção da bandeira verde estão o resultado positivo do período úmido, que fez com que os reservatórios das hidrelétricas voltasse a encher, além do aumento de energia disponível com redução de demanda e a adição de novas usinas ao sistema elétrico brasileiro. O sistema de bandeiras tarifárias foi adotado como forma de recompor os gastos extras das distribuidoras de energia com a compra de energia de usinas termelétricas. A cor da bandeira que é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) indica o custo da energia elétrica, em função das condições de geração de eletricidade. Desde que foi implementado o sistema de bandeiras tarifárias, em janeiro de 2015, até fevereiro de 2016 a bandeira se manteve vermelha (com cobrança de R$ 4,50 a cada 100 quilowatts-hora consumidos). Em março, passou para amarela (com taxa de R$ 1,50 a cada 100 kWh) e, em abril, maio e junho, a bandeira foi verde. Segundo a Aneel, a bandeira tarifária não é um custo extra na conta de luz, mas uma forma diferente de cobrar um valor que já era incluído na conta de energia, por meio do reajuste tarifário anual das distribuidoras. A agência considera que a bandeira torna a conta de luz mais transparente e o consumidor tem a melhor informação para usar a energia elétrica de forma mais consciente.

Comente agora
25
Jun
Indústria empregou 8,8 milhões de pessoas em 2014, diz IBGE
Postado por: Dulce Santana / 07:06h

O Brasil tinha em 2014 um total de 334,8 mil empresas nos setores de indústria extrativa e de transformação, que empregavam 8,8 milhões de pessoas e tinham receita líquida de vendas de R$ 2,8 trilhões, uma média de R$ 8,4 milhões por empresa. Os dados são da Pesquisa Industrial Anual (PIA) divulgada hoje (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e indicam que, em 2014, foram investidos R$ 216,3 bilhões no setor, com os gastos de pessoal atingindo R$ 416 bilhões. A pesquisa mostra, porém, que entre 2013 e 2014, o percentual relativo à participação dessas empresas no setor industrial brasileiro, embora ainda maior, encolheu ligeiramente, passando de 68,5% para 67,7% - uma retração de 0,08 ponto percentual. O levantamento indica que o resultado total das receitas líquidas das empresas industriais atingiu R$ 2,8 trilhões, liderado por estas empresas com 500 ou mais pessoas ocupadas. Os dados indicam que a soma de vendas de produtos e serviços industriais (o valor bruto da produção) totalizou R$ 2,7 trilhões, enquanto a soma do custo das operações industriais (o consumo intermediário) foi de 1,9 trilhão, o que levou ao valor adicionado de R$ 783,1 bilhões. 

Comente agora
24
Jun
Passaredo demite funcionárrios e devolve aviões
Postado por: Anacley Souza / 22:17h

Sob a alegação de enfrentar um mercado retraído em função da crise econômica no país, a Passaredo Linhas Aéreas está demitindo até 300 funcionários, quer devolver seis aeronaves e eliminou rotas de sua malha aérea. Em recuperação judicial, a empresa vai encolher o quadro de empregados em um terço, segundo o Sindicato dos Aeroviários e funcionários, e deixará de voar para Dourados (MS) e Uberlândia (MG). Hoje com 14 aeronaves, a aérea quer encolher e ficar com oito. Para isso, informou negociar a devolução de seis delas. Todas são turboélices da fabricante franco-italiana ATR. Atuais e ex-funcionários ouvidos pela reportagem afirmaram que a empresa tem descumprido a legislação trabalhista e que, em alguns casos, não recolhe FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) há mais de um ano, além de não ter pagado o dissídio trabalhista deste ano aos seus cerca de 900 empregados e ter adotado fracionamento de salários. Até mesmo o fornecimento de uniforme de trabalho não era regular, segundo funcionários demitidos da empresa nesta semana. Os problemas envolvendo a Passaredo se avolumam nos últimos anos. Em 2012, apresentou um pedido de recuperação judicial, com dívidas superiores a R$ 100 milhões, geradas, conforme a empresa, devido ao alto preço do combustível e à "concorrência desleal" praticada em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), que é sua base. O pedido foi aceito em maio do ano seguinte, mas foram necessárias três assembleias para que fosse aprovado pelos credores. A primeira foi cancelada por falta de quórum e a segunda foi suspensa a pedido de um credor.

Comente agora
24
Jun
Samarco inicia programa que pode demitir 1,2 mil em MG e ES
Postado por: Anacley Souza / 21:18h

O Programa de Demissão Voluntária (PDV) dos funcionários da mineradora Samarco, cujas atividades estão paralisadas desde o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, ocorrido em novembro de 2015, começou nesta sexta-feira (24). A iniciativa começou um dia antes do término do período de layoff – suspensão temporária dos contratos de trabalho – em vigor desde janeiro. O objetivo é dispensar 1,2 mil dos cerca de 3 mil funcionários em Minas Gerais e no Espírito Santo. Após o rompimento da barragem, a Samarco teve as atividades embargadas pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente de Minas Gerais (Semad). O desastre ambiental provocou 19 vítimas e devastou o Rio Doce. Segundo a Samarco, há a necessidade de corte de 40% do quadro de empregados por causa da situação econômica da empresa. Caso a mineradora volte a operar este ano, apenas 60% da capacidade operacional será restabelecida. Quem aderir ao programa de demissão voluntária vai receber metade do salário para cada ano de trabalho, limitado a quatro salários; valor fixo equivalente a três remunerações, plano de saúde por seis meses após a demissão entre outros benefícios. Empregados que ocupam cargos gerenciais, com exceção de chefe de equipe, não poderão aderir ao programa. Neste caso, as demissões serão realizadas a critério da empresa. Os sindicatos Metabase Mariana (Minas Gerais) e Sindimetal (Espírito Santo) aceitaram a proposta em assembleia. A adoção de um PDV foi sugerida pela categoria.

Comente agora
24
Jun
Lei do Bem; Valores de eletrônicos caem e preço de smartephones e notebooks recuam
Postado por: Anacley Souza / 20:59h

Quase dois meses após a volta do Lei do Bem, os preços de eletrônicos começam finalmente a cair. Segundo levantamento feito pelo comparador de produtos e preços Zoom, no período de 29 de abril a 07 de junho, os smartphones foram os que apresentaram a maior baixa: 8%. Já os PCs e os notebooks tiveram queda de 7%, enquanto o preço dos tablets já recuou 6%. No ano passado, o governo federal, por meio da Medida Provisória 690, resolveu extinguir o benefício, que prevê a isenção de impostos PIS/Pasep e Cofins para eletrônicos como smartphones, notebooks, PCs e tablets. No entanto, uma liminar obtida na Justiça pela Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) reestabeleceu, no final de abril, a isenção até a data original que tem duração, em dezembro de 2018. Entre os destaques de queda de preços, o Zoom cita o smartphone Galaxy On 7, da Samsung, e o Zenfone 2 Laser, da Asus, que chegaram a apresentar queda de 20% em seus preços no período em que foram monitorados. Já o notebook HP 11-n226br ficou 37% mais barato. O preço do All in One LG caiu 18%. Para o estudo, o site monitorou os preços dos dez produtos mais buscados das categorias: smartphones, tablets, notebooks e desktops. Thiago Flores, diretor executivo do Zoom, afirma que embora outros fatores também impactem no preço dos eletrônicos, como alta do dólar, aumento dos juros e inflação, a volta da isenção fiscal já dá mais fôlego para o varejo trabalhar com valores mais competitivos.

Comente agora
24
Jun
Brasil fecha 72.615 vagas de trabalho formais em maio, diz ministério
Postado por: Anacley Souza / 19:32h

As demissões de trabalhadores com carteira assinada em maio superaram as contratações resultando no fechamento de 72.615, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta sexta-feira (24) pelo Ministério do Trabalho. Entre janeiro e maio, o país perdeu 448.101 vagas de trabalho. Trata-se do pior resultado para o período desde o início da série histórica, que começa em 2002. Maio foi o décimo quarto mês seguido de fechamento de vagas com carteira assinada. O último mês com contratações acima das demissões foi março do ano passado, quando foram criados 19,2 mil postos de trabalho. Apesar de negativo, o resultado do mês passado foi menos ruim do que o registrado em maio de 2015, quando foram fechados 115.599 postos de trabalho - pior resultado para meses de maio desde o início da série histórica do indicador, em 1992. No ano passado, foi a primeira vez que houve corte de vagas em um quinto mês do ano, o que se repetiu em 2016. O crescimento do desemprego é consequencia da recessão que atinge a economia brasileira, a maior dos últimos 25 anos. No primeiro trimestre de 2016, o Produto Interno Bruto (PIB) teve queda de 0,3% em comparação com os três meses anteriores. Em 2015, o PIB encolheu 3,8% e, para este ano, a previsão do mercado financeiro é de um recuo de igual intensidade. (Globo)

Comente agora
24
Jun
Dólar sobe 1% no dia e fecha a R$ 3,38
Postado por: Anacley Souza / 18:16h

O dólar comercial quebrou uma sequência de duas quedas e fechou esta sexta-feira (24) em alta de 1,05%, cotado a R$ 3,38 na venda. O mercado foi influenciado pela decisão do Reino Unido de sair da União Europeia (UE). Apesar de subir no dia, a moeda norte-americana termina a semana com baixa de 1,19%. A desvalorização acumulada é de 6,44% no mês e de 14,39% no ano. Na véspera, o dólar havia caído 0,99% e atingido o menor valor em quase 11 meses. A libra esterlina, moeda do Reino Unido, fechou em queda de 7,96%, a R$ 4,609 na venda, enquanto o euro caiu 1,55%, vendido a R$ 3,756. nvestidores foram surpreendidos com o resultado do plebiscito que decidiu pela saída do Reino Unido do bloco europeu. Até a véspera, pesquisas apontavam uma disputa apertada, mas com ligeira vantagem para a permanência no bloco. Favorável à permanência britânica na UE, o premiê do Reino Unido, David Cameron anunciou sua renúncia ao cargo pouco depois de o resultado ser divulgado. Operadores acreditam que a saída britânica do bloco possa afetar a economia do mundo inteiro. Com isso, investidores tenderiam a assumir menos riscos, evitando aplicar recursos em mercados emergentes, como o Brasil. Dariam preferência a bens mais seguros, como dólar, fazendo com que a moeda suba. Desde o início da sessão, no entanto, analistas advertiam que a alta do dólar seria limitada pela perspectiva de novos estímulos de bancos centrais estrangeiros e até mesmo a possibilidade de o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) postergar o aumento de juros.

Comente agora
24
Jun
Libra atinge mínima em 31 anos com votação por saída do Reino Unido da UE
Postado por: Débora Ayane / 15:32h

A libra afundou 10% em valor, atingindo o ponto mais fraco desde 1985 nesta sexta-feira (24), após o Reino Unido ter votado por deixar a UE (União Europeia), provocando uma corrida de capital pela tradicional segurança do iene e do franco suíço. Além das maiores variações da libra na memória recente, o euro também caía com força contra o dólar. O franco saltou para o nível mais forte em quase um ano contra o euro, e o iene chegou ao nível mais alto em mais de dois anos. A libra caiu mais de 10% e atingiu US$ 1,3228, menor nível desde antes de as principais economias assinar um acordo para enfraquecer o dólar em setembro de 1985, no Acordo de Plaza. Às 7h40 ela se recuperava e era negociada a US$ 1,3686, mas ainda com queda de 7,9% no dia.

Comente agora
24
Jun
Bolsas da Europa fecham em forte queda após após vitória da Brexit
Postado por: Débora Ayane / 14:54h

Os mercados financeiros globais desabaram nesta sexta-feira (24). Algumas das bolsas da Europa registraram queda de mais de 12%, com a Espanha registrando a maior desvalorização diária de sua história. As ações de bancos ficaram entre as principais perdas do dia no continente.Os mercados reagiram após o Reino Unido ter decidido em um referendo deixar a União Europeia, levando o primeiro-ministro David Cameron a anunciar sua renúncia e aplicando o maior golpe ao projeto europeu de maior unidade desde a Segunda Guerra Mundial.Veja como fecharam os principais mercados da Europa:

  • Alemanha: em Frankfurt, o índice DAX caiu 6,82%.
  • França: em Paris, o índice CAC-40 perdeu 8,04%.
  • Itália: em Milão, o índice Ftse/Mib teve queda de 12,48%.
Comente agora
24
Jun
Bancos centrais tentam acalmar mercado após saída do Reino Unido da UE
Postado por: Débora Ayane / 14:38h

Os mercados financeiros globais tiveram forte queda hoje (24), com o anúncio da saída do Reino Unido da União Europeia. Alguns bancos centrais ofereceram proteção financeira e anunciaram que estão monitorando os efeitos da decisão dos britânicos.O Brexit – união das palavras Britain (Grã-Bretanha) e exit (saída, em inglês) – levou ao fortalecimento do dólar frente a outras moedas e à queda do preço do petróleo. O barril de petróleo Brent, para entrega em agosto, abriu nesta sexta-feira em forte baixa, cotado a US$ 48,21 em Londres, com queda de 4,14% em relação à sessão anterior.No Brasil, a libra caiu 7,9% às 13h10, cotada a R$ 4,6094. O dólar comercial subiu 1,25%, a R$ 3,3863. O Ibovespa, índice da Bolsa de Valores de São Paulo, caiu 3,28% às 13h35.Na Europa, as principais bolsas estavam hoje de manhã em forte baixa. O principal índice da bolsa portuguesa, o PSI20, por exemplo, caiu 7,49% às 9h05 da manhã (horário local).Os mercados asiáticos também reagiram com fortes quedas, incluindo o Nikkei de Tóquio, que caiu 7,9%, apesar de o Banco do Japão ter se mostrado disposto a oferecer liquidez em conjunto com outras entidades monetárias para garantir a estabilidade do sistema financeiro.

Comente agora
24
Jun
Brasileiros prevêem inflação de 10,5% para os próximos 12 meses
Postado por: Dulce Santana / 10:17h

Os consumidores brasileiros prevêem uma inflação de 10,5% nos próximos 12 meses. A estimativa, da pesquisa Expectativa de Inflação dos Consumidores, realizada neste mês pela Fundação Getulio Vargas (FGV), é 0,2 ponto percentual superior à registrada no levantamento de maio (10,3%) e interrompe uma trajetória de três meses de queda. A maior elevação da expectativa de inflação ocorreu entre os consumidores da faixa de renda mais baixa. Entre eles, a taxa cresceu 0,6 ponto percentual e chegou a 11,3%. De acordo com a FGV, a leve alta de 0,2 ponto percentual está dentro da margem de erro estatístico. A interrupção da trajetória de queda pode ser efeito da taxa de 0,78% da inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em maio e pelo grande aumento dos preços dos alimentos in natura. Outro destaque dos dados é que os cariocas estimaram, na pesquisa de junho, uma taxa de inflação 0,7 ponto percentual acima do resultado de maio. A FGV acredita que isso tenha relação com a expectativa de aumento de preços durante os Jogos Olímpicos que ocorrerão no Rio em agosto. Com informações da Agência Brasil.

Comente agora
24
Jun
Prato mais salgado: Assim como o feijão, preço do arroz deve registrar alta
Postado por: Dulce Santana / 09:08h

O prato tradicionalmente encontrado na mesa dos brasileiros está cada vez mais caro. E o feijão não é o único responsável. O arroz tem registrado elevação nos preços devido à produção menor, custos maiores nas importações e margem maior de comercialização imposta pelo varejo. De acordo com Vlamir Brandalizze, especialista em arroz e feijão, as margens de varejo para o pacote de arroz de arroz passaram de R$ 1 a R$ 2 por pacote de cinco quilos para R$ 3 a R$ 3,5. Já o feijão, que custava de R$ 1 a R$ 2 por quilo, subiu para R$ 3 a R$ 5, segundo a Folha de S. Paulo. O aumento está relacionado à tentativa, por parte das lojas de varejo, de buscar um equilíbrio de contas devido à queda de vendas em outros setores, afirmou o analista. A elevação do preço de arroz tem motivos similares à alta do feijão: área e produção serão menores. Neste ano, o Brasil destinou 14% menos hectares do que em 2014/15 para produção do grão, que recuou para 10,7 milhões de toneladas, ante 12,4 milhões do ano anterior. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) prevê consumo nacional em 11,5 milhões de toneladas.

 

Comente agora
24
Jun
Dólar fecha abaixo de R$ 3,35, no menor valor em 11 meses
Postado por: Dulce Santana / 07:41h

Num dia marcado por bons resultados no mercado financeiro, a moeda norte-americana teve forte queda e fechou no menor valor em 11 meses. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (23) vendido a R$ 3,344, com queda de R$ 0,033 (-0,98%). A cotação está no menor valor desde 29 de julho do ano passado (R$ 3,329). A moeda operou em queda durante toda a sessão. Na mínima do dia, por volta das 10h, chegou a ser vendida a R$ 3,343. A divisa acumula queda de 7,4% apenas em junho e de 15,3% em 2016. O dia também foi de forte alta no mercado de ações. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, subiu 2,8%, para 51.560 pontos. O indicador teve a maior alta diária desde 10 de maio, quando tinha se valorizado 4,08%. As ações ordinárias (com direito a voto em assembleia de acionistas) da Petrobras subiram 3,43% para R$ 12,05. Os papéis preferenciais da companhia, com preferência na distribuição de dividendos, subiram 3,53% para R$ 9,67. As ações da petroleira são as mais negociadas na bolsa. Nesta quinta-feira, o Banco Central (BC) rolou (renovou) US$ 4,4 bilhões das reservas internacionais vendidos anteriormente com compromisso de recompra, quando a autoridade monetária se compromete a adquirir o dinheiro de volta semanas depois da operação. Caso o BC não rolasse a venda compromissada, a oferta de dólares no mercado diminuiria, o que poderia puxar para cima a cotação. No cenário internacional, as moedas dos principais países emergentes se valorizaram à espera do resultado do referendo que decide a saída do Reino Unido da União Europeia. A permanência do país no bloco econômico reduz as chances de fuga de capitais de economias emergentes, como o Brasil, o que pressiona para baixo a cotação do dólar aqui.

Comente agora
23
Jun
Mesmo com importação, feijão deve continuar caro até novembro
Postado por: Anacley Souza / 20:45h

O governo anunciou redução a zero da alíquota de importação de feijão, de qualquer país, por prazo de 90 dias. A medida foi criada com o intuito de estimular as importações do grão, numa tentativa de baixar os preços do produto. Porém, o feijão carioca, que responde por mais de 70% do consumo nacional, é um produto genuinamente brasileiro e não é encontrado em outros mercados. Com isso, a importação de feijão preto e de outros tipos não deve solucionar a crise de abastecimento. A medida pode apenas baratear o feijão preto e forçar uma mudança de hábito, fazendo com que muitos optem pelo grão preto, em vez do feijão carioca. Tradicionalmente, o Brasil importa entre 100 e 150 mil toneladas de feijão preto por ano, sendo a Argentina o principal fornecedor do produto. Como os países do Mercosul integram um mercado comum, o feijão argentino já é importado sem taxas. Além disso, segundo Sandra, a importação de feijão é irrelevante diante da produção brasileira, de 2,9 milhões de toneladas na safra 2015/2016. Mesmo assim, já houve um incremento nas importações. De janeiro a maio de 2016, foram importadas 69,3 mil toneladas de feijão (todos os tipos de feijão, secos e em grãos), contra 44,6 mil toneladas no mesmo período de 2015, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. De acordo com Sandra Hetzel, analista da consultoria Unifeijão, a tonelada de feijão preto argentina está custando cerca de US$ 1.250, valor que somado ao frete e impostos ficará muito próximo do preço brasileiro. “Lá na Argentina também houve perdas por causa do clima e o feijão também está caro. Não vejo muita vantagem competitiva na importação”, diz. “Só é uma medida positiva do ponto de vista psicológico, porque o mercado está extremamente nervoso. Mas a gente não pode esperar feijão barato neste ano, o consumidor tem de ter consciência disso.”

Comente agora
23
Jun
Volkswagen pagará US$ 10 bi para encerrar ação por emissões, diz jornal
Postado por: Anacley Souza / 20:33h

O grupo Volkswagen aceitou pagar mais de US$ 10 bilhões para encerrar um processo ligado ao escândalo de manipulação das emissões de gases de seus veículos, informou nesta quinta-feira o jornal norte-americano "The Wall Street Journal". O caso, que veio a tona em setembro do ano passado, partiu de denúncias das autoridades dos Estados Unidos, que afirmaram que a empresa estava manipulação o software de veículos com motores a diesel para falsificar os valores das emissões de poluentes. O escândalo se transformou em uma ação judicial na Califórnia e, de acordo com o jornal, a Volkswagen chegou a um acordo para encerrar o caso com uma compensação bilionária, que beneficiaria 500 mil proprietários de veículos com motores modificados. A montadora, segundo o "The Wall Street Journal", oferecerá a recompra dos veículos afetados ou sua reparação. E se comprometeu também uma compensação adicional a cada proprietário, de pelo menos US$ 5.100, e em alguns casos de US$ 10 mil. A companhia, de acordo com o jornal, também pagará outras quantidades vinculadas neste caso, incluindo US$ 4 bilhões para promover veículos que não gerem emissões de gases. O acordo deve ser apresentado na próxima semana diante do juiz que é responsável pelo caso. (EFE)

Comente agora
23
Jun
Crise econômica reduz número de milionários no Brasil
Postado por: Anacley Souza / 19:47h

O Brasil foi o país que mais perdeu milionários em 2015 entre as grandes economias do mundo. A constatação foi publicada pela consultoria Capgemini, que aponta que o número de “ricos e ultrarricos” passou de 161 mil em 2014 para 149 mil em 2015. A recessão, a queda do valor das bolsas e a desvalorização do real foram os principais motivos. A queda de 7,8% vai no sentido contrário da tendência mundial. Segundo o estudo, os ricos do planeta estão mais ricos do que nunca e acumulam uma fortuna de US$ 58,7 trilhões. O valor é 4% acima de 2014. Na Europa, depois de anos de recessão e crise, 2015 registrou uma alta de 4,8% no número de milionários. Na Holanda, o salto foi de 7,5%. O informe faz uma distinção entre dois grupos: os ricos são aqueles com uma fortuna acima de US$ 1 milhão, sem contar propriedades, carros ou quadros. Já para se qualificar entre os ultrarricos, a fortuna deve passar a marca de US$ 30 milhões. Pelo ranking da consultoria, o Brasil caiu da 16ª para a 17ª posição entre os países com o maior número de milionários, superado em 2015 pelo russos. Já o México perdeu 1,8% de sua população de ricos. Na América Latina, a proporção de ultrarricos (pessoas com patrimônio de mais de US$ 30 milhões) é uma das mais altas do mundo. A região representa 8,4% dos super-ricos e detém 28% da fortuna de todos as pessoas nessa categoria.

Comente agora
23
Jun
Dólar fecha abaixo de R$ 3,35, no menor valor em 11 meses
Postado por: Redação Voz da Bahia / 19:35h

Num dia marcado por bons resultados no mercado financeiro, a moeda norte-americana teve forte queda e fechou no menor valor em 11 meses. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (23) vendido a R$ 3,344, com queda de R$ 0,033 (-0,98%). A cotação está no menor valor desde 29 de julho do ano passado (R$ 3,329). A moeda operou em queda durante toda a sessão. Na mínima do dia, por volta das 10h, chegou a ser vendida a R$ 3,343. A divisa acumula queda de 7,4% apenas em junho e de 15,3% em 2016. O dia também foi de forte alta no mercado de ações. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, subiu 2,8%, para 51.560 pontos. O indicador teve a maior alta diária desde 10 de maio, quando tinha se valorizado 4,08%. As ações ordinárias (com direito a voto em assembleia de acionistas) da Petrobras subiram 3,43% para R$ 12,05. Os papéis preferenciais da companhia, com preferência na distribuição de dividendos, subiram 3,53% para R$ 9,67. As ações da petroleira são as mais negociadas na bolsa. Leia mais na Agência Brasil. (Agência Brasil)

Comente agora
23
Jun
Dólar fecha abaixo de R$ 3,35 e renova mínima em quase 1 ano
Postado por: Anacley Souza / 18:04h

O dólar fechou abaixo de R$ 3,35 nesta quinta-feira (23), no menor patamar desde julho do ano passado, com expectativas do mercado de que o referendo no Reino Unido irá decidir pela permanência dos britânicos na União Europeia e com a volta da atuação do Banco Central no mercado de câmbio brasileiro. A moeda norte-americana fechou em queda de 0,99%, a R$ 3,3445 na venda. Veja a cotação do dólar hoje. Trata-se do menor cotação de fechamento desde 29 de julho de 2015, quando o dólar fechou a R$ 3,3293. Mais cedo, o dólar chegou a R$ 3,3391, segundo a agência Reuters. Pesquisas de opinião recentes vêm mostrando crescente vantagem do voto pela permanência no bloco, aliviando temores de eventuais impactos negativos na economia global que a saída do bloco causaria. Mercados de apostas indicam chances ainda maiores de o Reino Unido continuar como membro da UE. No Brasil, mesmo após o tombo recente da moeda norte-americana, que tende a prejudicar as exportações, o BC anunciou um leilão de venda de até US$ 4,4 bilhões com compromisso de recompra em operação para rolar contratos já existentes - e que, portanto, não altera as condições de liquidez do mercado.

Comente agora
23
Jun
Caixa Econômica e Embasa celebram acordo para recuperação florestal
Postado por: Anacley Souza / 17:59h

A Caixa Econômica Federal e a Embasa assinaram, nessa quarta-feira (22), um acordo de cooperação financeira para reabilitação florestal de áreas localizadas na Região Metropolitana de Salvador, com investimento de mais de R$ 3,2 milhões. Deste total, R$ 2,9 milhões serão repassados pelo Fundo Socioambiental Caixa (FSA Caixa), a título de investimento não reembolsável. O restante, cerca de R$ 322 mil, é a contrapartida da empresa de saneamento. O acordo, com duração de quatro anos, tem como objetivo recuperar a vegetação nativa no entorno de mais de 100 nascentes e de 100 hectares de margens dos rios Jacuípe e Joanes, fontes diretas dos reservatórios que abastecem Salvador e a Região Metropolitana. O objetivo final é ampliar a oferta de água para esta região, considerada em situação crítica. Segundo o superintendente regional da Caixa em Salvador, Adelson Prata, ações como esta consolidam o papel do banco na promoção da sustentabilidade. “Ao aplicar recursos específicos para cuidar de mananciais importantes, é mais do que adequado o ganho da população com esta iniciativa, pelo impacto no ecossistema local”, analisou. Já o presidente da Embasa, Rogério Costa Cedraz, disse que o impacto deste acordo é muito positivo, pois é uma forma de proteger os principais mananciais que atendem a Região Metropolitana. “Vamos revitalizar matas ciliares em torno das nascentes dos rios, e isso garante continuidade e qualidade da água destes mananciais”, explicou. Conforme Rogério, cerca de 2 milhões de pessoas devem ser beneficiadas pelo acordo de cooperação financeira da Caixa com a Embasa.

Comente agora
23
Jun
Governo zera tarifa de importação do feijão para países de fora do Mercosul
Postado por: Débora Ayane / 16:22h

O Comitê Executivo da Câmara de Comércio Exterior (Camex) aprovou nesta quinta-feira (23) a redução de 10% para zero da alíquota de importação de feijão, de qualquer país, por um período de 90 dias. O feijão fo incluído na lista de exceção à Tarifa Externa Comum (TEC).A decisão vale para países de fora do Mercosul, pois, para as nações do bloco regional, a tarifa de importação do produto já estava zerada, de modo que elas contam com livre acesso ao mercado brasileiro. Os feijões preto e carioquinha foram contemplados com a isenção de imposto por três meses.Segundo o Ministério da Agricultura, com a alíquota zero para países fora do Mercosul, o Brasil vai ampliar as opções de importação do produto de forma a aumentar a oferta no mercado interno e, consequentemente, a pasta espera que haja uma redução dos preços no mercado interno.“Como não há perspectivas do aumento da oferta do produto no mercado no curto prazo que seja proveniente da produção doméstica, decidimos que é necessário facilitar a importação, por meio da redução da alíquota do Imposto de Importação”, explicou Marcos Pereira, ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Importação de feijão

Comente agora
23
Jun
Sortudo do Rio de Janeiro ganha sozinho prêmio de R$ 27 mi da Mega-Sena
Postado por: Débora Ayane / 16:15h

Uma única aposta ganhou o prêmio da Mega-Sena sorteado na noite de quarta-feira (22). O sortudo levou para casa R$ 27.488.182,36. As dezenas sorteadas foram 03, 07, 29, 37, 54, 60. A quina da Mega saiu para 100 apostas, que vão embolsar, cada uma, R$ 24.520,21. Para a quadra, foram 6.640 ganhadores, com prêmio de R$ 527,54 para cada uma. O próximo concurso será realizado no sábado (25) e a estimativa de prêmio de R$ 2,5 milhões. Para concorrer, a aposta mínima (seis dezenas) custa R$ 3,50 e pode ser feita nas mais de 13 mil lotéricas espalhadas por todo o país. Segundo os matemáticos, a chance de acertar as seis dezenas é de uma em 50 milhões.

Comente agora
23
Jun
Desenbahia tem meta de investir R$ 65 milhões em micronegócios
Postado por: Dulce Santana / 09:24h

Dados do Indicador de Propensão a Investir MPE do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), divulgados esta semana, mostram que a intenção de investir dos micro e pequenos empresários de varejo e serviços subiu de 19,96 pontos em abril para 25,22 pontos em maio. E a verdade é que é possível investir neste momento da crise. Há linhas de crédito especialmente voltadas para os pequenos negócios. Aqui na Bahia, uma das mais vantajosas é oferecida pela Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia), que tem como meta liberar, ainda em 2016, R$ 65 milhões em financiamentos para pequenas e médias empresas. Atualmente, a Bahia contabiliza 643.827 mil pequenos e médios empreendimentos. “No início do ano, criamos uma linha chamada CredBahia, só voltada para apoiar comércio e serviços. É um crédito ideal para quem está perdendo o emprego e quer partir para o empreendedorismo e precisa de dinheiro para começar. Só com CPF, ele pode conseguir um crédito de R$ 200 a R$ 10 mil para isso”, afirma o presidente da Desenbahia, Otto Alencar Filho. A outra linha é o Credfácil, que é destinada para quem tem um negócio e quer expandi-lo, como acrescenta Alencar. “Como não somos banco, não exigimos que o empresário abra conta. Isso garante um acesso direto com a agência e facilita muito a captação de negócio”, reforça o presidente.

Comente agora
22
Jun
Dólar opera em queda, um dia antes do referendo no Reino Unido
Postado por: Débora Ayane / 14:14h

O dólar opera em queda nesta quarta-feira (22), voltando a ser vendido abaixo de R$ 3,40, um dia antes do referendo que irá decidir se o Reino Unido permanece ou não na União Europeia. O mercado espera ainda novo pronunciamento da chefe do Federal Reserve (Fed), banco central norte-americano. Às 13h39, a moeda norte-americana caía 0,98%, a R$ 3,3728 na venda.Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h09, queda de 0,14%, a R$ 3,4013
Às 10h09, queda de 0,34%, a R$ 3,3947
Às 10h59, queda de 0,53%, a R$ 3,3881
Às 11h49, queda de 0,5%, a R$ 3,3891
Às 12h30, queda de 0,74%, a R$ 3,381

Investidores estão mais otimistas sobre a possibilidade de o Reino Unido permanecer na União Europeia.



Comente agora
22
Jun
Para baixar preço do feijão, Temer anuncia aumento da importação do Mercosul
Postado por: Débora Ayane / 13:28h

O presidente interino Michel Temer anunciou nesta quarta-feira (22) que o país irá liberar a compra de feijão de três países do Mercosul: Argentina, Paraguai e Bolívia. O objetivo da medida, discutida em reunião ministerial, é baixar o preço do produto nos supermercados brasileiros. Segundo o ministro Blairo Maggi (Agricultura), o governo federal estuda ainda a importação também de países como México e China. Ele também antecipou que negociará com as grandes redes de supermercado para que busquem o produto onde há maior oferta. "Pessoalmente, tenho me envolvido nas negociações com os cerealistas e com os grandes supermercados para que eles possam fugir do tradicional que se faz no Brasil e ir diretamente à fonte, onde tem esse produto e trazer", disse. De acordo com ele, o preço do produto teve alta em junho em função de questões climáticas que ocasionaram perda de grande parte da safra no Centro Oeste. Segundo o ministro, o episódio ocasionou queda na oferta e um aumento na demanda. Segundo a última prévia do IPCA-15 de junho, divulgada na terça-feira (21), o feijão-carioca teve alta de 16,38%. Na capital paulista, por exemplo, o quilo do feijão-carioca já pode ser encontrado por mais de R$ 10. Só entre 10 e 16 de junho, o alimento subiu 29,23%, segundo a pesquisa do Procon-SP, de R$ 6,50 para R$ 8,40.(Bocão News)

Comente agora
22
Jun
Fabricantes mudam política para venda de refrigerantes em escolas
Postado por: Anacley Souza / 11:46h

As gigantes de bebidas Coca-Cola Brasil, Ambev e PepsiCo Brasil anunciaram nesta quarta-feira (22), em comunicado conjunto, um acordo para mudar a política de venda de refrigerantes em escolas. Segundo as empresas, a partir de agosto, as fabricantes deixarão de vender refrigerantes diretamente às cantinas de escolas "para crianças de até 12 anos (ou com maioria de crianças de até essa idade)". Pelo acordo, elas passarão a vender "apenas água mineral, suco com 100% de fruta, água de coco e bebidas lácteas que atendam a critérios nutricionais específicos". A proibição da venda de refrigerantes em escola tem sido uma cobrança crescente e alvo de diversos projetos de lei em razão dos índices de obesidade. No comunicado conjunto, as empresas reconhecem que "crianças abaixo de 12 anos ainda não têm maturidade suficiente para tomar decisões de consumo". Desde março, a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (Abir) passou a recomendar às indústrias que suspendessem a propaganda de seus produtos voltados para crianças até 12 anos, "seguindo uma tendência mundial". Com o mercado de refrigerantes em baixa – em 2015, a produção no país caiu 5,9% na comparação com o ano anterior – e sob a mira das campanhas contra a obesidade, o setor tem apostado na diversificação do portfólio para garantir a manutenção das receitas. Neste ano, no acumulado até maio, a produção de refrigerantes acumula queda de 3,68%, segundo dados da Abir. (Globo)

Comente agora
22
Jun
Porcentual de cheques devolvidos atinge 2,39%, aponta Serasa
Postado por: Anacley Souza / 11:21h

O porcentual de cheques devolvidos em relação ao total compensado atingiu 2,39% em maio, segundo maior nível para o mês desde o início da série histórica, em 1991, segundo pesquisa da Serasa Experian. O recorde para meses de maio foi registrado em 2009, com 2,52%. Em maio foram compensados 20,622 milhões de cheques, com 1,208 milhão devolvidos pela segunda vez por insuficiência de fundos. Segundo os economistas da Serasa, o aumento do desemprego e a queda do rendimento médio da população estão impulsionando a inadimplência do consumidor em praticamente todas as suas modalidades, sendo a de cheques uma delas. No acumulado de janeiro a maio, o porcentual de cheques devolvidos está em 2,42%. Na divisão por regiões, a maior inadimplência está no Nordeste (4,63%), seguido do Norte (4,60%), Centro-Oeste (3,18%), Sul (2,12%) e Sudeste (1,99%). Entre os Estados, o mais inadimplente é o Amapá (18,50%) e o menor porcentual está em São Paulo (1,83%).

Comente agora
22
Jun
Colapso da Oi congela consolidação da telefonia no Brasil
Postado por: Anacley Souza / 10:32h

O grupo de telecomunicações Oi vai enfrentar um longo percurso para reorganizar suas finanças depois de seu pedido de recuperação judicial, ocorrido na segunda-feira. O processo vai oferecer às rivais a chance de ampliar sua participação de mercado e, ao mesmo tempo, congela expectativas do mercado sobre a consolidação no setor. Responsável pelo maior pedido de recuperação judicial da história do país, com dívidas que somam 65,4 bilhões de reais, a Oi deu início nesta semana a um processo marcado por uma complexa estrutura de dívida e ampla base de credores, afirmam analistas. Casos similares, como o colapso da companhia aérea Varig, levaram pelo menos quatro anos para ser resolvidos. A Oi vinha discutindo com credores formas de reduzir sua dívida pela metade. Uma reestruturação da dívida era considerada como essencial para abrir caminho para que a empresa fosse comprada por virtuais interessados, mas as discussões fracassaram no início deste mês, depois que os próprios acionistas da companhia rejeitaram ver suas participações serem diluídas. A briga levou à saída do presidente-executivo Bayard Gontijo, que tempos atrás chegou a dizer algumas vezes que a Oi seria protagonista da consolidação do mercado brasileiro de telefonia. A saída de Gontijo acelerou a decisão pelo pedido de recuperação judicial, afirmou na segunda-feira uma fonte com conhecimento do assunto. O pedido de proteção contra credores é a última chance para a Oi evitar uma liquidação. No entanto, a legislação brasileira não tem conseguido acelerar o processo de recuperação das empresas, já que dívidas financeiras ficam abaixo de obrigações tributárias e trabalhistas na ordem de pagamento, o que significa que um processo desses pode levar anos. O tempo necessário para um processo de recuperação judicial complexo como o da Oi vai manter "o status quo por outros dois ou três anos, durante os quais os competidores poderão continuar a ganhar mercado", diz Michael Morin, analista do Morgan Stanley em Nova York.

Comente agora
22
Jun
Analistas dizem que pequeno acionista deve aguardar processo da Oi
Postado por: Anacley Souza / 08:14h

As negociações com as ações da Oi foram suspensas na Bolsa até as 11h desta terça-feira (21), após a operadora ter apresentado pedido de recuperação judicial na véspera. Após a operadora de telecomunicações Oi ter apresentado pedido de recuperação judicial, as negociações com as ações da companhia foram suspensas na Bolsa até às 11h de terça (21). Para analistas, os acionistas minoritários devem ter cautela e aguardar. No último pregão, os papeis preferenciais abriram em baixa de 30%, já os ordinários tiveram queda de 15%. Ao final da sessão, caíram 18,18%, a R$ 0,81, e 8,73%, a R$ 1,15, respectivamente. Segundo informações da Folha de S.Paulo, as ações da Oi continuarão a ser negociadas normalmente, mas não fazem mais parte de nenhum índice da Bolsa. Para Mauro Cunha, presidente da Amec (Associação de Investidores no Mercado de Capitais), não há o que os acionistas minoritários fazerem diante do pedido de recuperação judicial e contra a forte desvalorização dos papéis da operadora. "A gestão da Oi sempre foi parasitária, e serviu apenas para maximizar valor para os acionistas majoritários em detrimento dos minoritários", afirma Cunha. Guilherme Carvalho Monteiro de Andrade, professor de Direito Empresarial do Ibmec/MG, avalia que os acionistas minoritários devem esperar a apresentação do plano de recuperação judicial da operadora. Isso ocorrerá em até 60 dias após o deferimento do pedido na Justiça. "Se, durante o processo de recuperação judicial, houver responsabilização dos sócios controladores e administradores por irregularidades, os minoritários podem recorrer à Justiça", explica.

Comente agora
22
Jun
Braskem inaugura hoje complexo de US$ 5,2 bilhões no México
Postado por: Anacley Souza / 08:03h

A multinacional brasileira Braskem inaugura hoje o Complexo Petroquímico do México, que é resultado de um investimento de US$ 5,2 bilhões da companhia em parceria com a petroquímica mexicana Idesa. Em termos financeiros, trata-se do maior aporte já feito por uma empresa brasileira no exterior. A inauguração do complexo também marca uma nova fase no processo de globalização da petroquímica nascida na Bahia e que ainda mantém aqui um polo petroquímico em Camaçari, Região Metropolitana de Salvador. A ideia é aproveitar as melhores condições do México - menor custo de matéria-prima e maior proximidade geográfica e comercial - para aumentar a presença no mercado dos Estados Unidos, o maior do mundo. O novo complexo, que foi erguido em área de 200 hectares no estado mexicano de Veracruz, nasce com a expectativa de impulsionar em US$ 1,5 bilhão o faturamento da empresa – a partir do momento em que completar 12 meses de operação. Em 2016, por ser o ano do início da operação - que efetivamente começou de forma total este mês -, o faturamento estimado para a empresa é de US$ 750 milhões. O complexo é em parceria com a petroquímica mexicana Idesa. A Braskem detém 75% do negócio e a Idesa, 25%. O objetivo da planta em solo mexicano é produzir 1,05 milhão de toneladas de polietileno ao ano. Com a entrada do novo complexo em operação completa, a produção de resinas da Braskem deixará de ser, em sua maioria, feita no mercado brasileiro. Em 2012, 57% da produção era feita em plantas no Brasil. A partir da entrada do complexo do México no portfólio da companhia, a produção de resinas em solo brasileiro passará a responder por 49% de toda a produção de resinas da empresa. A Braskem, com essa produção adicional no México, passa a ter capacidade de produção de 8,7 milhões de toneladas de resinas termoplásticas, como por exemplo, polietileno, prolipropileno e PVC.

Comente agora
22
Jun
Venda de lâmpadas incandescentes será proibida
Postado por: Anacley Souza / 07:51h

As lâmpadas incandescentes estão prestes a virar objeto de museu. A venda será proibida definitivamente a partir do dia 30 deste mês. A intenção é reduzir o desperdício de energia com o uso de opções mais econômicas e duráveis, como os modelos fluorescentes e de LED. Desde 2012 o Brasil está restringindo a venda das lâmpadas incandescentes gradativamente de acordo com a potência. A fabricação do objeto foi suspensa há um ano, o que fez com que o estoque nas prateleiras diminuísse. Segundo dados da ONU, a troca por lâmpadas fluorescentes e de LED deve gerar uma redução de 5% no gasto mundial de energia. Atualmente, quem vai às lojas busca os modelos mais econômicos. O problema para os consumidores, no entanto, continua sendo o preço: mesmo tendo vida útil maior e sendo econômicos no longo prazo, os modelos novos são mais caros. Segundo especialistas, o fato tende a mudar de acordo com a demanda pelo produto.

Comente agora
22
Jun
GNV é mais vantajoso do que etanol em 8 de 17 Estados
Postado por: Anacley Souza / 07:27h

O gás natural veicular (GNV) é 55% mais vantajoso que o etanol em 8 de 17 Estados analisados em estudo da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás). Em outros quatro, a vantagem varia de 51% a 55%. O levantamento refere-se à primeira semana de junho. Conforme a Abegás, a economia de 55% foi observada em Alagoas, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe. Já o porcentual entre 51% e 55%, nos Estados de Bahia, Ceará, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul. Em relação à gasolina, o GNV apresentou vantagem na casa dos 50% em Alagoas, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo. Tal economia é superior a de 45% em 12 Estados, incluindo Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e Sergipe. Na média geral, o GNV é mais competitivo no Rio de Janeiro (62% sobre o etanol e 57% sobre a gasolina). Por lá, o quilômetro rodado com GNV sai por R$ 0,16, ante R$ 0,37 com gasolina e R$ 0,41 com etanol. Em São Paulo, o GNV apresenta o menor custo por quilômetro rodado, de R$ 0,15, ante R$ 0,32 para a gasolina e de R$ 0,29 para o etanol. Para calcular as porcentagens de economia do GNV em relação a cada combustível, o estudo da Abegás utiliza dados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Com informações do Estadão Conteúdo.

Comente agora
21
Jun
Governo pode colaborar em eventual plano de venda da Oi
Postado por: Anacley Souza / 20:44h

O governo federal reconheceu nesta terça-feira (21) que poderá ajudar na elaboração de um plano de venda da operadora Oi, que entrou na segunda-feira (20) com pedido de recuperação judicial após fazer uma dívida de R$ 65,4 bilhões. Segundo o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, caso a empresa de telecomunicações solicite auxílio, o BNDES e o Banco do Brasil poderão ajudar na elaboração de um plano de venda com o objetivo de recuperar os empréstimos feitos à companhia privada e impedir demissões em massa. O ministro negou, no entanto, que o Palácio do Planalto possa fazer uma interferência ou qualquer aporte financeiro para socorrer a empresa de telefonia. Segundo a reportagem apurou, o Palácio do Planalto tem tentado encontrar um comprador estrangeiro, mas, até o momento, não teve sucesso. "Toda grande fonte de trabalho e de empregos interessa muito ao governo federal, porque estamos vivendo um momento de dificuldades. Até o momento, não há nenhuma manifestação no sentido de interferir diretamente, mas, por certo, nossos agentes do sistema financeiro nacional estarão prontos a prestar uma colaboração no sentido de intermediar e preparar um projeto de buscas de parcerias se for o caso para a empresa.

Comente agora
21
Jun
Prévia da inflação é a menor para o mês de junho desde 2013
Postado por: Anacley Souza / 19:26h

A inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), desacelerou de maio para junho, fechando em 0,4%, menos da metade do índice de maio (0,86%) e o menor IPCA-15 desde junho de 2013, quando foi de 0,38%. Os dados do IPCA-15 - uma prévia da inflação oficial do País para junho - foram divulgados nesta terça-feira (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com a desaceleração do indicador em relação a junho, o Índice de Preços ao Consumidor Ampliado Especial (IPCA-E) - que é o IPCA-15 acumulado por trimestre (no caso, abril, maio e junho), fechou em 1,78%, quase 1 ponto percentual (0,9%) abaixo da taxa de 2,68% de igual período de 2015. O resultado faz com que a taxa acumulada no primeiro semestre do ano seja de 4,62%, bem abaixo dos 6,28% do primeiro semestre do ano passado. O IBGE ressalta, ainda, o fato de que, considerando os últimos 12 meses, o índice caiu 0,64 ponto percentual, para 8,98%. Nos doze meses encerrados em maio, a taxa era de 9,62%. Em junho de 2015, havia sido de 0,99%. A queda do IPCA-15 em junho reflete retração nos preços da maioria dos grupos de produtos e serviços com destaque para Saúde e Cuidados Pessoais (1,03%), Alimentação e Bebidas (0,35%) e Transportes, este último fechando com deflação (inflação negativa) de 0,69%. (Agência Brasil)

Comente agora
21
Jun
Câmara aprova aumento de participação de estrangeiros em empresas aéreas
Postado por: Anacley Souza / 17:58h

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira a elevação para 100% do limite de participação estrangeira em companhias aéreas brasileiras. A aprovação ocorreu por meio de emenda à medida provisória 714. Inicialmente, a MP elevava o limite de participação estrangeira para 49%, mas com a aprovação da emenda, o texto aprovado pelos deputados passa a permitir participação externa de 100% nas empresas do setor. A matéria ainda precisa ser analisada no Senado. O aumento da participação estrangeira nas empresas aéreas do país era uma bandeira da equipe do presidente interno Michel Temer mesmo antes de ele assumir a Presidência. Hoje, a participação dos estrangeiros está limitada a 20%. Após a aprovação na Câmara, as ações da Gol subiram na Bovespa. Às 14h15, os papéis da companhia, que estavam em baixa, passaram a avançar 2,2%. (Reuters)

Comente agora
21
Jun
Desde o pico em 2012, Oi encolheu mais de R$ 20 bilhões na Bovespa
Postado por: Débora Ayane / 17:34h

A Oi, que na véspera entrou com um pedido de recuperação judicial, encolheu mais R$ 20 bilhões em valor de marcado na Bovespa em pouco mais de 4 anos, segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica.No auge, registrado em 30 de abril de 2012 (ainda antes do anúncio de fusão com a Portugal Telecom), a Oi estava avaliada na bolsa brasileira em R$ 21,3 bilhões, segundo a Economatica. A companhia encerrou o pregão de segunda-feira (20) com valor de R$ 809 milhões ante R$ 1,55 bilhão no final de 2015.Atualmente, a empresa com maior valor de mercado na Bovespa é a Ambev, avaliada em cerca de R$ 300 bilhões.No ano, as ações da Oi acumulam queda de mais de 50% na bolsa. Nesta terça-feira, os papéis da operadora operam em forte queda, chegando a cair 30%.As ações da Oi seguem trajetória de desvalorização desde 2012. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) acumularam nos últimos 3 anos quedas anuais de 49% (2013), 76% (2014) e 77% (2015). Já os ordinários (que dão ao acionista direito a voto em assembleias) tiveram perdas anuais de 54% (2013), 74% (2014) e 73% (2015).As ações da Oi encerraram o ano passado cotadas a R$ 2,40 (ON) e a R$ 1,95 (PN). Na véspera, fecharam a R$ 1,26 e a R$ 0,99, respectivamente. Nesta terça-feira, chegaram a ser negociadas a R$ 0,98 e a R$ 0,78, na mínima da manhã.Ainda segundo a Economatica, 163 fundos acumulam um total de R$ 521,6 milhões em exposição à ativos da Oi.

Recuperação judicial

Comente agora
Todos os direitos reservados a Marcus Augusto Macedo | vozdabahia@hotmail.com