As comentadas


Boa tarde , Domingo, 25/01/2015









Enquete



Reflita

Blog

Economia

25
Jan
Etanol sobe mais que a gasolina e diesel no início deste ano de 2015
Postado por: Samile Macêdo / 15:41h

Na semana em que foi anunciado um aumento nos impostos sobre a gasolina e o diesel, o etanol - cuja matéria-prima está em fim de safra - registrou uma alta maior. Os preços subiram 0,49% nos postos de País, de acordo com a Agência Nacional de Petróleo (ANP), enquanto os dois outros combustíveis variaram menos de 0,15% para cima. Historicamente, o preço do etanol sobe nas usinas no início de fevereiro, em razão do fim da safra da cana-de-açúcar, que normalmente acontece em março. Os impostos PIS/Cofins e Cide (Contribuição de Intervenção sobre o Domínio Econômico) subirão em R$ 0,22 por litro no caso da gasolina e R$ 0,15, no caso do diesel, em 1º de fevereiro. O anúncio foi feito pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, na noite de segunda-feira (19). Na semana anterior (11 a 17 de janeiro), a média do preço do etanol para o consumidor final estava em R$ 2,052, de acordo com a ANP. Nesta semana (de domingo passado a este sábado), chegou a R$ 2,062. O aumento é de 0,49%, ou de R$ 0,01 por litro, que significa R$ 0,50 para encher um tanque de 50 litros.

Comente agora
25
Jan
Com alta da Selic, juros para pessoa física podem subir até 1,31%
Postado por: Redação Voz da Bahia / 13:32h

A taxa média de juros para pessoa física pode subir até 1,31% em 2015, passando de 108,08% para 109,5% ao ano, segundo estimativas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). O cálculo foi feito levando em conta a expectativa do mercado de que a Selic, taxa básica de juros da economia, chegará a 12,5% até o fim do ano. Segundo a Anefac, o efeito nas operações de crédito é "muito pequeno" porque há um "deslocamento grande" entre a Selic e as taxas de juros cobradas dos consumidores. Na quarta-feira (21) o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) confirmou as previsões de analistas e investidores e aumentou a Selic em 0,5 ponto percentual, de 11,75% para 12,25% ao ano. Levando em conta esse patamar, a Anefac estima que os juros médios ao consumidor chegarão a 109,02% ao ano em um primeiro momento, aumentando 0,87%. As projeções da entidade também incluem os juros do comércio, do cartão de crédito, do cheque especial, do financiamento de veículos na modalidade Crédito Direto ao Consumidor (CDC), do empréstimo pessoal via bancos e do empréstimo pessoal via financeiras. A previsão da Anefac é que, destes, o maior crescimento das taxas de juros se dará na compra de veículos.

Comente agora
25
Jan
Luz deve ficar mais cara em 2015; veja porque conta sobe
Postado por: Redação Voz da Bahia / 13:19h

Depois de dar uma trégua para o bolso dos consumidores em 2013, as contas de luz voltaram a subir no ano passado – e esse movimento vai continuar este ano. Segundo especialistas do setor, a alta pode chegar a 40%. Em janeiro de 2013, a presidente Dilma Rousseff aprovou uma lei para baratear as contas de luz em até 20%. Para conseguir essa redução, o governo baixou ou extinguiu encargos sobre a tarifa – entre elas a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) –, e renovou contratos de concessão de geração e transmissão de energia pagando menos pelo serviço. Mas a economia dos consumidores não durou muito. “Traído” pela falta de chuvas desde o final de 2013, o plano começou a, ironicamente, “fazer água”: em 2014, a alta média nas contas foi de 17,3%, segundo o IBGE. Com pouca água nos reservatórios das hidrelétricas, as distribuidoras tiveram que recorrer às usinas térmicas, que produzem energia mais cara. Para evitar a alta no ano passado, o governo autorizou empréstimos bilionários às distribuidoras no ano passado. É essa conta – entre outras – que chega este ano aos consumidores. Ocorre uma vez por ano e cada uma das 63 distribuidoras do país tem uma data específica definida em contrato. Autorizado pela Aneel, o reajuste busca ajustar a receita de cada concessionária, que inclui desde previsão de arrecadação de tributos inseridos nas contas de luz até gastos com investimentos e compra de energia para atender aos consumidores.

Comente agora
25
Jan
Brasil muda foco de consumo para investimento, diz Levy
Postado por: Samile Macêdo / 10:27h

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, aproveitou o painel mais importante do Fórum Econômico Mundial para anunciar mais amplamente as mudanças na política econômica brasileira - da ênfase no consumo para o estímulo ao investimento, arrumação das contas públicas, realinhamento de preços e reformas para facilitar o crescimento. A política, explicou, será baseada em instrumentos tradicionais. O ministro reafirmou a intenção de conseguir neste ano um superávit primário - dinheiro destinado ao pagamento de juros - equivalente a 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB). Absteve-se de explicar o mau estado das contas públicas brasileiras. Ao mencionar o baixo crescimento econômico do País, limitou-se a mencionar "vários fatores" e apenas citou como exemplo a queda de preços das commodities exportadas. Sem entrar nos detalhes da orientação seguida nos últimos quatro anos, apontou a necessidade de mudar a ênfase para o investimento. Além disso, atribuiu "em parte" às eleições a queda do montante investido no ano passado. Como a discussão do cenário global envolvia o problema do emprego, o ministro apontou uma diferença mencionada frequentemente por seu antecessor: a criação de milhões de postos de trabalho no Brasil nos anos posteriores à crise de 2008.

Comente agora
25
Jan
O fim do pleno emprego no Brasil
Postado por: Samile Macêdo / 08:18h

O balanço do mercado de trabalho formal em dezembro do ano passado foi tão ruim que o governo tentou esconder a informação. Na verdade, não foram criados empregos. O que houve no mês passado foi o fechamento de 555,5 mil postos de trabalho. Em todo o ano passado, foram criadas apenas 396,9 mil vagas, muito menos do que nos anos anteriores. É o número mais baixo desde 1999, quando houve fechamentos de postos de trabalho. Com dados tão ruins nas mãos, o governo preferiu destacar outra informação, das vagas criadas nos últimos quatro anos. Considerando todo o primeiro mandato da presidenta Dilma Roussef, foram 5,2 milhões de novos empregos com carteira assinada. Parece muito. Mas é pouco mesmo comparado aos governos anteriores do próprio PT. O primeiro governo Lula teve a geração de 5,76 milhões de empregos. No segundo, que coincidiu com a crise internacional, foram criados 7,6 milhões de vagas. 

Comente agora
24
Jan
Contribuinte já pode se programar para o IR 2015; veja os passos
Postado por: Redação Voz da Bahia / 18:37h

O entrega da declaração do Imposto de Renda 2015 (ano-base 2014) só começa em março, mas é possível antecipar-se desde já para evitar dor de cabeça no momento de preencher o documento, recomendam consultores. As regras deste ano ainda não foram anunciadas pelo governo mas, segundo Antonio Teixeira, da consultoria IOB Sage, terá que fazer a declaração quem tiver recebido, em 2014, renda tributável acima de R$ 26.816,55. Quem vai declarar pela primeira vez deve se preparar o quanto antes, segundo a gerente operacional e especialista em Imposto de Renda da MGContécnica, Juliana Fernandes. “Pesquise sobre o assunto primeiro, separe os documentos com antecedência e, havendo dúvidas, procure um especialista”, orienta. Em novembro, a Receita lançou um aplicativo que permite preencher um “rascunho” da declaração do IR 2015, onde é possível colocar as informações já disponíveis gradualmente, antes do lançamento do programa da declaração, em março.

Comente agora
24
Jan
Preço de ovos de Páscoa devem subir 8% em 2015
Postado por: Samile Macêdo / 16:20h

A alta do dólar elevou o custo do cacau, dos brindes infantis importados da China e o preço da mão de obra subiu. Com isso, os ovos vão chegar às gôndolas em fevereiro, antes do Carnaval, de 7% a 8% mais caros. Para o consumidor, a Páscoa deve ser mais seletiva, onde vai prevalecer, na hora da escolha, o melhor custo-benefício. O setor, segundo o vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), Ubiracy Fonseca, vive uma pressão de custo. Na Páscoa de 2014 foram produzidas 20,2 mil toneladas de chocolate, o que corresponde a 100,2 milhões de ovos, segundo dados da Nielsen. (Agência Brasil)

Comente agora
24
Jan
Geração de vagas formais é a pior em 12 anos, diz Caged
Postado por: Redação Voz da Bahia / 12:33h

O estado segue o resultado nacional do  Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). No Brasil  foram gerados 397 mil novos postos. Já a Região Metropolitana de Salvador registrou aumento de 4.576 empregos formais em  2014. Para o  coordenador de Pesquisas Sociais da SEI (Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia), Roberto Pereira, a criação de novos empregos  é consequência  do baixo crescimento da economia.  "A economia no Brasil em 2014 deve crescer menos do que o registrado nos outros anos, o que faz a geração de novos postos de trabalho ser também menor", diz  Pereira. Embora menor do que nos anos anteriores, o número de novos postos na Bahia é maior do que e outros estados do Nordeste, como Pernambuco, que perdeu 13 mil vagas. Na região, a  Bahia ficou atrás apenas do Ceará, responsável por 47,3 mil  novas vagas com carteira assinada.

Setores: O crescimento foi resultado das 24 mil  vagas criadas no setor de serviços e das quase 9 mil do setor do comércio. Apesar dos números, o presidente da Fecomércio-BA (Federação do Comércio   da Bahia), Carlos de Souza Andrade, acredita que o desempenho do setor poderia ser bem melhor.

Comente agora
24
Jan
Nova regra facilita retomada de veículos após atraso da primeira parcela
Postado por: Redação Voz da Bahia / 11:19h

Basta apenas um dia de atraso no pagamento para que bancos possam, em processo extrajudicial, iniciar a retomada do veículo financiado ao consumidor. A nova regra, protegida pela Lei 13.043/2014, em vigor desde o último mês de novembro, facilita essa retomada, independentemente da quantidade de parcelas em atraso. Antes da lei, as financeiras emitiam o documento de cobrança (e aviso de retomada do veículo), com cerca de três parcelas vencidas, ou seja, em 90 dias, aproximadamente. Agora, no primeiro atraso já é permitido iniciar a ação de busca e apreensão do bem. Segundo divulgou o governo, a regra foi estabelecida a fim de aquecer o mercado automotivo, já que desburocratiza o processo de financiamento. Isso porque, os bancos passam a incluir uma cláusula no contrato, em que o cliente autoriza previamente a retomada do bem pela instituição financeira, caso o pagamento não seja cumprido.

Direito à informação

Para o superintendente do Procon da Bahia, Ricardo Maurício Freire Soares, a lei viola o direito básico à informação. "Há o risco de o cidadão não tomar conhecimento da carta de cobrança, caso seja recebida em sua ausência, pois o documento pode ser entregue a qualquer pessoa", diz Soares.

Comente agora
23
Jan
Custo de energia estoura limite e regra prudencial já recomenda racionamento
Postado por: Anacley Souza / 15:39h

O valor de referência utilizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para produção de energia estourou o limite de até 5% estabelecido pela agência. Na prática, isso significa que, neste momento, seria mais recomendado tomar medidas de racionamento do que continuar a produzir energia por um preço tão elevado. No "Programa Mensal de Operação" prevista para a próxima semana, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) estabeleceu, para todas as regiões do País, custos superiores ao teto de R$ 1.420,34 por megawatt/hora (MWh/h), estabelecido pela agência. Para o Sudeste/Centro-Oeste e Sul, o custo ficou em R$ 1.445,61 por MW/h. No caso do Nordeste e Norte, o custo foi fixado em 1.420,66 por MW/h. O conceito por trás da chamada "curva do déficit" é econômico e reflete, na prática, quanto custa a insuficiência da oferta de energia para a sociedade. Quando o custo de produção de cada unidade adicional de energia, ou seja, o Custo Marginal de Operação (CMO), ultrapassa um nível predeterminado, o sistema sugere uma redução do consumo de energia. No fim do ano passado, foi estabelecido que, quando o CMO atingir R$ 1.420,34 por MWh, deve ser recomendada uma economia de energia de 0% a 5%. O sistema entende que, nessas ocasiões, é mais recomendável economizar energia do que produzi-la a um custo tão elevado.

Comente agora
23
Jan
Criação de empregos formais cai 64% em 2014, para 396,9 mil vagas
Postado por: Anacley Souza / 13:27h

O país gerou 396.993 vagas de emprego formais em 2014, segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego nesta sexta-feira (23). O número de empregos criados em todo ano passado representa uma queda de 64,4% em relação às vagas abertas em 2013, que somaram 1,11 milhão. Na comparação com o estoque de empregos no fim de 2013, houve uma alta de 0,98%, segundo números oficiais. O número de vagas abertas em 2014 também representa o pior resultado, para um ano, pelo menos desde 2002. Apesar do pedido da imprensa, o Ministério do Trabalho não divulgou, até o momento, a série histórica completa revisada para os dados do Caged, que tem início em 1992.

Vagas abertas ficaram abaixo da expectativa: O número de empregos formais abertos no ano passado também ficou bem distante da estimativa do ministro do Trabalho, Manoel Dias, divulgada até meados de 2014.

Comente agora
23
Jan
Gasto de brasileiros no exterior soma US$ 25 bilhões em 2014, novo recorde
Postado por: Samile Macêdo / 12:00h

Os gastos dos brasileiros no exterior bateram recorde em todo ano passado, apesar da alta do dólar. Segundo os números divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira (23), as despesas lá fora somaram US$ 25,6 bilhões em 2014. Até o momento, o maior valor de despesas no exterior, para um ano fechado, havia sido registrado em 2013, de US$ 24,98 bilhões. A série histórica da instituição para este indicador tem início em 1947. Segundo economistas, a alta das despesas no exterior está relacionada com o aumento do emprego e da renda no Brasil – apesar de a economia brasileira estar praticamente estagnada em termos de expansão do Produto Interno Bruto (PIB). "As viagens para fora, em 2014, continuaram crescendo, mas em um ritmo bem inferior ao que vinha sendo observado em anos anteriores. Um dos fatores é uma própria moderação da renda em 2014, mas principalmente a questão do câmbio. A massa salarial continuou crescendo em 2014, mas em ritmo menor do que anos anteriores", avaliou o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel. A previsão do BC para 2015, segundo ele, é de um "crescimento modesto" nos gastos lá fora em relação a este ano.

Alta do dólar impacta preços - O dólar mais alto encarece as passagens e os hotéis cotados em moeda estrangeira, além dos produtos comprados lá fora.

Comente agora
23
Jan
Preços da carne e energia puxam alta da prévia da inflação
Postado por: Redação Voz da Bahia / 09:44h

Impactado pelo aumento de preços da carne e da energia elétrica, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação oficial, ganhou força de dezembro de 2014 para janeiro de 2015, passando de 0,79% para 0,89%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa é a maior taxa mensal desde fevereiro de 2011, quando ficou em 0,97%. Com isso, o IPCA-15 acumulado em 12 meses está em 6,69% – acima do teto da meta de inflação do governo, de 6,5%. O resultado superou a variação registrada em 2014, de 6,46%. Em janeiro de 2014, o indicador havia avançado 0,67%. A maioria dos grupos de despesas pesquisados pelo IBGE mostrou preços maiores em relação a dezembro. O que mais pesou sobre o avanço do índice em janeiro foram os alimentos e bebidas, cuja variação chegou a 1,45%. Ficaram mais caros as carnes (3,24%), a batata-inglesa (32,86%) e o feijão carioca (24,25%). 

Comente agora
22
Jan
PIB da Coreia do Sul sobe 3,3% em 2014
Postado por: Samile Macêdo / 23:46h

O crescimento econômico da Coreia do Sul desacelerou como esperado no último trimestre de 2014, em grande parte, devido ao setor de construção mais fraco e aos gastos do governo. O Produto Interno Bruto (PIB) com ajuste sazonal avançou 0,4% entre outubro e dezembro de 2014, em relação ao trimestre anterior, quando a economia cresceu 0,9%, informou o Banco da Coreia (BoK, banco central do país). Na comparação anual, a economia cresceu 2,7% entre outubro e dezembro de 2014 - a mais lenta desde o segundo trimestre de 2013 - e uma desaceleração diante do crescimento de 3,2% no terceiro trimestre 2014 frente o mesmo período do ano anterior. Os dados mais recentes mostraram uma queda acentuada na construção e no investimento. Na semana passada, o BoK citou a redução dos gastos fiscais do governo em meio a diminuição das receitas fiscais como uma das principais razões para o crescimento mais fraco no último trimestre. Para o ano de 2014, a economia sul-coreana cresceu 3,3%. Em 2013, o avanço foi de 3%. Ambos os resultados ficaram em linha com as expectativas do mercado. O BoK reduziu, neste mês, a previsão do PIB de 2014 de 3,9% para 3,4%. (Estadão Conteúdo)

Comente agora
22
Jan
Dólar fecha abaixo de R$ 2,60 com programa de estímulo do BC europeu
Postado por: Marcus Augusto DRT 5719 / 17:06h

O dólar fechou em baixa nesta quinta-feira (22), cotado abaixo de R$ 2,60, após anúncio do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, de um plano de estímulo à economia do bloco. O BCE irá comprar, a cada mês, € 60 bilhões em títulos públicos e privados. Na prática, a medida vai "injetar" esse dinheiro no mercado, estimulando a atividade econômica. A moeda norte-americana caiu 1,23%, a R$ 2,5745 na venda, em seu terceiro dia de queda. A última vez que o dólar fechou abaixo de R$ 2,60 foi no dia 9 de dezembro, cotado a R$ 2,5981. Durante a sessão, a moeda chegou a ser vendida a R$ 2,5554. A última vez que o dólar fechou abaixo de R$ 2,57 foi em 3 de dezembro do ano passado. "É algo positivo [estímulo do BCE] para os mercados da América Latina, mas já estava precificado. Não foi muito diferente do que era esperado", disse o economista da 4Cast Pedro Tuesta. Investidores já vinham se antecipando a essa decisão e reduzindo as cotações do dólar nos últimos dias, uma vez que parte desses recursos tenderia a migrar para mercados emergentes, como o brasileiro, em busca de maiores ganhos financeiros.

Recuo: 

Comente agora
22
Jan
Com inflação em alta, Ambev deve seguir política de reajuste de bebidas
Postado por: Anacley Souza / 14:55h

A Ambev ainda está calculando o impacto do aumento de impostos em seus preços e deverá seguir a política de reajustes de acordo com a inflação, ressaltou nesta quinta-feira, 22, o diretor de Comunicação da companhia, Alexandre Loures. "Se os impostos pressionam, tem anos em que a empresa consegue absorver, tem anos em que não consegue", afirmou Loures, em evento de lançamento do camarote da Antarctica para o carnaval carioca. O executivo destacou que reajustar pela inflação é a política padrão e que quaisquer projeções (guidance) para 2015 serão informadas após a divulgação dos resultados de 2014. (Estadão Conteúdo)

Comente agora
22
Jan
Aumento de taxas e impostos preocupa os baianos
Postado por: Samile Macêdo / 09:13h

O começo de ano chega e, com ele, aparecem também os chamados aumentos programados de alguns serviços. Acréscimos na conta de luz, IPTU, IPVA, material escolar, mensalidade, gasolina, entre outros, têm deixados muito baianos preocupados com o orçamento. Afinal, com uma carga tributária tão grande logo no começo de 2015, a população vai ter que mexer ainda mais no bolso e readequar o orçamento para que as contas possam fechar. Só para se ter uma idéia, na gasolina, os aumentos no ICMS, no IOF, no PIS e no Confins, anunciados pelo Ministro Joaquim Levy, podem fazer com que o valor do combustível chegue a custar até R$ 3,50 nos postos da capital baiana. Além disso, mais uma má notícia para aqueles que já haviam achado ruim a elevação na conta de luz. A alta de R$ 0,15 no preço do litro do diesel, também divulgada essa semana, deve deixar mais cara a energia para o consumidor, já que o combustível é usado nas termelétricas. Nos cosméticos, um decreto presidencial vai igualar o setor atacadista e o industrial no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Segundo Levy, a medida apenas torna equalizada a tributação ao longo da cadeia de produção e distribuição. Com a decisão, o governo pretende arrecadar, este ano, cerca de R$ 650 milhões.

Comente agora
22
Jan
Alta de juros terá impacto bilionário na dívida pública
Postado por: Samile Macêdo / 07:47h

A alta de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros da economia (Selic), para 12,25% ao ano, anunciada nesta quarta-feira pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), deve ter um impacto de R$ 7 bilhões a R$ 10 bilhões na dívida pública federal. Os cálculos foram feitos à pedido da BBC Brasil por João Luiz Mascolo, economista e professor do Insper. O aumento ocorre porque a Selic é usada para calcular a remuneração sobre os títulos da dívida pública. "Por um lado, a alta é um tiro no pé por causa desse impacto sobre a dívida, mas o BC não tinha alternativa em função da necessidade de se controlar a inflação e o esperado é que no médio prazo se possa retomar uma trajetória de baixa de juros", opina Mascolo. "Aumentar os juros para conter o consumo é o instrumento de ação mais rápida que o Banco Central tinha para tentar desacelerar a inflação, que neste início de ano deve ser pressionada pela alta dos preços administrados (como transportes, energia elétrica e combustíveis)." A emissão de títulos de dívida pública é uma das formas usadas pelo governo para captar recursos e financiar suas atividades. Funciona como um empréstimo pelo qual o credor recebe o valor emprestado acrescido de juros, calculados de acordo com a variação da Selic. Quanto maior é a taxa, maior será, portanto, a dívida pública, ou seja, o montante a ser pago pelo governo. 

Comente agora
21
Jan
País desperdiçou 37% da água tratada em 2013, diz relatório do governo
Postado por: Anacley Souza / 15:35h

O Brasil desperdiçou 37% de toda a água tratada em 2013, segundo relatório do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), serviço ligado ao Ministério das Cidades. Os números de 2013 são os mais recentes divulgados. A média se manteve estável com relação ao verificado em 2012. O ideal, segundo o estudo, é que o índice de desperdício fique abaixo de 20%. A principal causa que o SNIS aponta para a água que não chega ao consumidor são "vazamentos em adutoras, redes, ramais, conexões e reservatórios" das prestadoras de serviço responsáveis pelo abastecimento.As regiões Norte e Nordeste são as únicas com taxas de desperdício maior que a média nacional, 50,8% e 45% respectivamente. Depois vêm as regiões Sul (35,1%), Centro-Oeste (33,4%) e Sudeste (33,4%). Entre os estados, o Distrito Federal teve o menor desperdício (27,3%), e o Amapá teve o maior (76,5%).No relatório, o SNIS ressalta que "em tempos de escassez hídrica, a gestão de perdas de água tem papel fundamental nas ações estruturantes nos prestadores de serviços". Também afirma que os dados apresentados mostram a necessidade de as empresas responsáveis pelo abastecimento de água atuarem em ações para a melhoria da gestão, para a sustentabilidade da prestação de serviços, para a modernização de sistemas e para a qualificação dos trabalhadores. Confira a taxa de desperdício em cada estado, de acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento:

Comente agora
21
Jan
Páscoa vai ser menos gorda para empresas e preços de ovos ficará salgado
Postado por: Anacley Souza / 13:48h

A estratégia das grandes marcas de chocolates para evitar uma Páscoa ruim é segurar parte da alta de custos do setor para que o consumidor não se assuste com os preços nas gôndolas. Apesar de a alta de 12,8% do dólar no ano passado ter afetado diretamente o custo dos produtos - já que o cacau é uma commodity cotada internacionalmente -, as empresas decidiram manter os reajustes de preço sob controle para que o setor pelo menos fique no "zero a zero" em relação a 2014. A Nestlé está entre as companhias que prepararam uma Páscoa mais "frugal". Segundo o gerente de marketing de Páscoa da multinacional, Pedro Abondanza, a Nestlé decidiu focar os lançamentos em suas marcas mais fortes e retirou alguns produtos das gôndolas, entre eles o Lollo, a grande aposta da Páscoa de 2013. A alta nos preços, segundo o executivo, ficará em 10% - no máximo. "Houve um esforço para minimizar o repasse de custos", afirma. O controle de preços também está sendo aplicado pela Garoto, que deverá aumentar os preços em 8% em relação à Páscoa de 2014. Tanta cautela tem razão de ser: 2014 não foi um bom ano para a indústria de chocolates. De janeiro a setembro do ano passado, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates (Abicab), a produção nacional caiu 2% em relação ao mesmo período de 2013. "Estamos num cenário recessivo, de crescimento de PIB zero", disse o vice-presidente da área de chocolates da entidade, Ubiracy Fonseca. Para 2015, o cenário é, no máximo, de manutenção dos patamares de 2014. Apesar de estarem mais otimistas em relação ao próprio crescimento, as chocolaterias também decidiram segurar os preços para não assustar a clientela.

Comente agora
21
Jan
Devolução de cheques sem fundos tem maior nível desde 2009
Postado por: Anacley Souza / 12:36h

O percentual de cheques devolvidos por falta de fundos voltou a subir em 2014, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (21) pela Serasa. Ao todo, foram devolvidos 15 milhões de cheques no ano passado, equivalente a 2,04% do total de cheques compensados. É o maior patamar de devolução por falta de fundos desde 2009, quando a inadimplência com cheques atingiu 2,15%, em meio aos reflexos da crise financeira internacional. Houve alta, também, no percentual de cheques devolvidos em dezembro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior: a taxa passou de 1,91% para 1,94%. Segundo os economistas da Serasa Experian, a escalada da inflação e das taxas de juros no ano passado, aliadas à estagnação da atividade econômica, foram os fatores que impulsionaram a inadimplência com cheques no ano passado. Apesar da alta no país, em São Paulo o percentual de cheques sem fundos ficou em 1,2%, o menor dos últimos cinco anos. Já Roraima liderou o ranking, com 11,14% de devoluções. Entre os estados com maior inadimplência em cheques aparecem também Amapá (10,69%), Sergipe (10,11%), Piauí (9,65%) e Maranhão (8,76%).

Comente agora
21
Jan
Estudantes denunciam estrutura de faculdade em Salvador: 'Muitos ratos'
Postado por: Samile Macêdo / 08:35h

Alunas do sétimo semestre do curso de Enfermagem da Faculdade São Tomás de Aquino, em Salvador, denunciam o aumento abusivo das mensalidades e a falta de estrutura da instituição. Segundo elas, algumas aulas aconteceram em locais que não tinham condições de receber estudantes. "A gente não tinha, inclusive, nem água para beber. Tinha até muitos ratos dentro da faculdade", reclama uma estudante."Todo semestre a gente está em um campus. Já veio do Queimadinho, já ficou na São Salvador, já teve na Mouraria. Hoje está aqui. Cada dia que a gente vai questionar a diretora da faculdade, ela diz para a gente só melhoras, e até agora a gente só vê piora", critica Caroline Ferreira, outra aluna da faculdade. Por telefone, a TV Bahia procurou a Faculdade São Tomás de Aquino, mas nenhum dos telefonemas foi atendido. Segundo as estudantes, as aulas que devem acontecer neste semestre serão realizadas nos fundos de uma clínica localizada no bairro dos Barris . Uma delas afirma que chegou a filmar o local, que ainda estaria sem ar-condicionado e cadeiras. As alunas ainda criticam o aumento aumento abusivo da mensalidade, que chegaria a 150%. Elas afirmam que irão recorrer ao Ministério Público. (G1)

Comente agora
20
Jan
Dólar fecha em queda após medidas fiscais e dados da China
Postado por: Redação Voz da Bahia / 20:38h

O dólar recuou em relação ao real nesta terça-feira (20), refletindo a reação positiva do mercado às medidas fiscais anunciadas pelo governo e o alívio nos mercados globais após a economia da China desacelerar menos que o esperado. Também ajudava um movimento de correção, após a expressiva alta da véspera, segundo especialistas, informou a Reuters. A moeda norte-americana recuou 1,54%, a R$ 2,6150 na venda, após ter subido mais de 1% na véspera. "Com essa história de crescimento da China e de aperto fiscal aqui, o mercado acordou de bom humor", afirmou à agência o diretor de câmbio da corretora Pioneer, João Medeiros. Na véspera, o governo anunciou quatro medidas tributárias que devem elevar a arrecadação neste ano em R$ 20,63 bilhões. O pacote reforçou a perspectiva de maior rigor fiscal, em meio ao quadro de inflação alta e crescimento baixo, afastando ainda mais as dúvidas sobre o comprometimento do governo com o ajuste das contas públicas. O bom humor era sustentado também pela surpresa positiva em relação ao crescimento econômico da China no quarto trimestre do ano passado, que desacelerou menos que o esperado. Embora o resultado para 2014 tenha ficado abaixo da meta do governo, o indicador animou investidores, alimentando a demanda por ativos de maior risco, que já vinha elevada devido a expectativas de mais estímulos na zona do euro.

Comente agora
20
Jan
Delta projeta queda no preço do combustível de avião em 2015
Postado por: Anacley Souza / 17:52h

A Delta Air Lines espera pagar em média US$ 2,25 a US$ 2,35 por galão de combustível de aviação em 2015, disse o diretor financeiro, Paul Jacobson, durante entrevista sobre os resultados da companhia nesta terça-feira. A estimativa está bem abaixo dos gastos ajustados da companhia área americana no ano passado, quando o galão ficou em média de US$ 2,87. Em um comunicado mais cedo, a Delta informou que a queda nos preços deverá resultado em mais de US$ 2 bilhões (aproximadamente R$ 5 bilhões) em economias em 2014. O combustível de aviação acompanha as cotações do petróleo, que já caíram quase 60% desde junho, em meio a uma grande oferta global.

Comente agora
20
Jan
Grandes lojas varejistas são multadas de R$ 28 milhões por venda casada de seguros
Postado por: Anacley Souza / 16:49h

As redes Casas Bahia, Magazine Luiza, Ponto Frio, Ricardo Eletro, Insinuante e Fast Shop foram multadas em R$ 28 milhões pelo Ministério da Justiça por venda casada. As companhias podem entrar com recurso na Secretaria Nacional do Consumidor no prazo de 10 dias a partir desta terça-feira (20). Sem informar nem pedir autorização aos consumidores, as empresas incluíam, junto com a venda de seus produtos, garantia estendida, planos odontológicos, seguro de vida, seguro desemprego, títulos de capitalização e até cupons para sorteios, de acordo com o ministério. A prática desrespeita o Código de Defesa do Consumidor. Em julho, o ministério já tinha instaurado processos administrativos contra Fast Shop e Lojas Insinuante por suspeita de venda irregular de seguros. Pagamento deve ser feito em até 30 dias As multas são de aproximadamente R$ 7,2 milhões para Casas Bahia, Magazine Luiza e Ponto Frio; e de R$ 2,4 milhões para Ricardo Eletro, Lojas Insinuante e Fast Shop.

Comente agora
20
Jan
Ajuste era necessário para voltar a crescer, diz economista
Postado por: Anacley Souza / 15:38h

O professor de economia da Universidade de Brasília (UnB), Newton Marques, avalia que o governo federal tem acertado nas medidas para aumentar as receitas e equilibrar as contas públicas. Para Marques, é importante que seja criado um ambiente positivo com a elevação do superávit primário (economia para o pagamento de juros da dívida pública), exigência dos credores e investidores do país. Newton Marques acredita que não existe alternativa para o País a não ser “a retomada do crescimento econômico”. O professor fez o comentário a propósito do anúncio, feito na última segunda-feira (19) pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, de aumento de tributos sobre combustíveis, sobre produtos importados e, também, sobre operações de crédito. A expectativa da equipe econômica é arrecadar R$ 20,6 bilhões neste ano com as alterações. “As medidas são as possíveis que o governo tem para lançar mão no momento atual tendo em vista um ajuste fiscal. As nossas despesas são praticamente carimbadas: existe um engessamento delas. Sendo assim, o governo fica sem margem de manobra”, destacou. Para ele, os ministros da área econômica não identificam também outras medidas no curto prazo que não sejam as que estão sendo utilizadas. Marques aguarda ainda a aprovação do Orçamento da União para analisar os novos cortes de despesas do governo. “Na minha opinião acho que o governo acertou apesar da crítica dos progressistas que não gostam de ajustes como os que estão sendo feitos", afirmou o economista.

Comente agora
20
Jan
Alta de tributos sobre o diesel vai encarecer contas de luz em 2015
Postado por: Anacley Souza / 13:11h

O aumento de tributos sobre os combustíveis anunciado na segunda-feira (19) pelo governo vai contribuir para uma alta ainda maior das contas de luz em 2015. O Ministério da Fazenda confirmou nesta terça-feira (20) que a medida, que vai implicar em encarecimento de R$ 0,15 por litro de diesel, vai elevar o valor também do óleo que abastece termelétricas da região norte do país. Esse custo com a compra do combustível para as térmicas é subsidiado, ou seja, parte dele é dividido entre todos os consumidores do país, por meio de uma contribuição que incide sobre a tarifa de eletricidade.

Medidas anunciadas: A alta dos tributos sobre os combustíveis foi uma das medidas anunciadas pelo ministro Joaquim Levy na véspera para tentar equilibrar as contas públicas.

Comente agora
20
Jan
Facebook adiciona mais de US$ 200 bi à economia global, diz relatório
Postado por: Redação Voz da Bahia / 11:29h

Com 1,35 bilhão de usuários, o Facebook poderia ser enquadrado como a segunda nação mais populosa do mundo se fosse um país. Mas enquanto seus usuários podem povoar apenas um país virtual, o Facebook afirma que gera muita atividade econômica real: US$ 227 bilhões de impacto econômico e 4,5 milhões de empregos em 2014, segundo estudo da consultoria Deloitte & Touche, elaborado a pedido da rede social. O levantamento avaliou negócios que mantêm páginas no Facebook, bem como aplicativos e jogos para dispositivos móveis que usuários utilizam no Facebook e medidas sobre a atividade econômica resultante. O estudo também considera a demanda por aparelhos e serviços de conectividade gerada pela rede social. Quando uma companhia faz um anúncio no Facebook, por exemplo, parte das vendas resultantes pode ser diretamente atribuída à rede social. Quando usuários doaram US$ 100 milhões para pesquisa de esclerose lateral amiotrófica (ELA) durante o popular "desafio do balde de gelo", o recurso de autoplay do Facebook teve um papel importante na campanha. "As pessoas acreditam que a tecnologia cria empregos no setor de tecnologia e destrói empregos em outras áreas", disse a vice-presidente operacional do Facebook, Sheryl Sandberg, em entrevista à Reuters.

Comente agora
20
Jan
Custo extra nas contas de luz pode superar R$ 23 bilhões, diz Aneel
Postado por: Redação Voz da Bahia / 10:21h

A decisão do governo de não repassar mais recursos do Orçamento para a CDE, fundo por meio do qual são financiadas ações no setor elétrico, aliada ao aumento de impostos sobre combustíveis, pode fazer com que seja repassada às contas de luz uma fatura extra superior a R$ 23 bilhões, informou nesta terça-feira (20) o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) Tiago Correia. No início de janeiro, o governo anunciou que não repassaria mais à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) R$ 9 bilhões previstos no Orçamento de 2015. Com isso, será preciso promover um aumento extra das tarifas para arrecadar os recursos que vão financiar as ações ligadas ao fundo, entre elas programas como o Luz para Todos. Correia disse que a Aneel ainda não sabe o valor exato do impacto da CDE para os consumidores neste ano, mas “os números estão apontando para R$ 23 bilhões.” Entretanto, disse, essa conta pode ser ainda maior já que, na segunda (19), o governo anunciou aumento de impostos, inclusive sobre os combustíveis.

 Termelétricas

Comente agora
20
Jan
FMI reduz previsão de crescimento para o PIB brasileiro
Postado por: Samile Macêdo / 08:10h

O Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a reduzir as previsões de crescimento para o Brasil em relatório divulgado nesta terça-feira, 20, e que traz uma atualização das projeções para a economia mundial. O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve crescer 0,3% em 2015, abaixo do 1,4% previsto em outubro, quando o FMI fez sua reunião anual em Washington. Para 2016, a estimativa foi reduzida de 2,2% para 1,5%. Com exceção dos países exportadores de petróleo, sobretudo Rússia e Nigéria, o Brasil foi o que teve maior corte nas projeções de crescimento em relação ao relatório de outubro. Em 2014, a projeção é que a economia brasileira cresceu apenas 0,1%, o menor nível entre os países emergentes que fazem parte do relatório. O documento não faz comentários específicos sobre o Brasil, mas, na semana passada, em Nova York, a diretora-gerente do Fundo, Christine Lagarde, afirmou que o País precisa investir em transporte e energia para evitar gargalos na infraestrutura. Desde 2012 o FMI vem cortando as previsões de crescimento da economia brasileira a cada novo relatório. Além dos problemas em infraestrutura, o Fundo vem citando a queda da confiança de empresários e consumidores no País, que desestimula o investimento e o consumo, além do impacto negativo da redução dos preços das commodities nas exportações brasileiras. "As notícias são boas para países importadores de petróleo e ruins para os exportadores. São boas para os importadores de commodities e ruins para os exportadores", afirmou o economista-chefe e diretor do FMI, Olivier Blanchard, que apresentou o relatório em um evento na China. "Os efeitos do declínio nos preços das commodities, que começou em 2011, sobre as perspectivas de crescimento da América Latina estão se tornando mais claros", disse. Em 2015, o PIB da região deve crescer 1,3%, ante 2,2% previstos. 

Comente agora
19
Jan
Governo sobe IOF sobre crédito, tributos na importação e combustíveis
Postado por: Samile Macêdo / 19:02h

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou nesta segunda-feira (19) aumento de tributos sobre combustíveis, sobre produtos importados, e, também sobre operações de crédito. A expectativa da equipe econômica é de arrecadar R$ 20,6 bilhões neste ano com as alterações. Essas medidas tendem a tornar o crédito ao consumidor mais caro e, caso a Petrobras não reduza o preço que cobra das distribuidoras, a gasolina e o diesel vão subir. Segundo Levy, as medidas fazem parte do esforço do governo para ajustar as contas públicas "com o menor sacrifício possível". "As medidas têm por objetivo aumentar a confiança da economia, a disposição das pessoas e dos investires em tomarem risco, e dos empresários em começarem a tentar novas coisas", explicou o ministro, acrescentando que elas tendem a baixar a curva de juros de longo prazo. Desde que foi anunciada a nova equipe econômica, no fim de novembro, o governo vem anunciando medidas para ajustar as contas públicas, que registraram forte deterioração em 2014 – ano em que a arrecadação registrou comportamento fraco, devido às desonerações e ao baixo ritmo de crescimento da economia, e no qual os gastos públicos continuaram a avançar.

Crédito - Entre as medidas anunciadas nesta segunda-feira, Levy informou que haverá alta no Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que incide sobre as operações de crédito para o consumidor. A alíquota passará de 1,5% para 3% ao ano (o equivalente à alta de 0,0041% para 0,0082% por dia). Esse valor será cobrado além dos 0,38% que incidem na abertura das operações de crédito. Com essa medida, o governo espera arrecadar R$ 7,38 bilhões neste ano. 

Comente agora
19
Jan
ONG inglesa diz que 1% da população vai deter mais riqueza que os 99% restantes
Postado por: Anacley Souza / 15:19h

A organização não governamental britânica (ONG) Oxfam informou hoje (19) que, em 2016, o patrimônio acumulado pelos mais ricos do mundo – 1% da população mundial – vai ultrapassar o dos restantes 99%. “A parte do patrimônio mundial detida por 1% dos mais ricos passou de 44% em 2009 para 48% no ano passado e vai ultrapassar os 50% no próximo ano.” A Oxfam, cuja diretora-geral, Winnie Byanyima, copresidirá o Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), exigiu “a realização, este ano, de uma cúpula mundial para reescrever as regras fiscais internacionais”. O fórum será realizado de quarta-feira (21) até sábado (24) e reunirá importantes líderes mundiais. “A amplitude das desigualdades mundiais é vertiginosa”, disse Winnie, para quem “o fosso entre as grandes fortunas e o resto da população aumenta rapidamente”. A Oxfam apelou aos Estados para que adotem um plano de luta contra as desigualdades, coibindo a evasão fiscal, com a promoção de serviços públicos gratuitos, com mais impostos sobre o capital e menos sobre o trabalho, criando salários mínimos, ou ainda por meio da criação de sistemas de proteção social para os mais pobres. São esperados para o 45º Fórum Econômico Mundial mais de 300 chefes de Estado e de Governo e líderes políticos, incluindo a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente francês, François Hollande, o chefe do governo italiano, Matteo Renzi, o primeiro-ministro chinês, Li Kepiang, e o secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

Comente agora
19
Jan
Bahia lidera financiamento de veículos no Nordeste
Postado por: Anacley Souza / 13:36h

O Estado da Bahia lidera o número de financiamento de veículos na região Nordeste, atingindo a marca de 272.987 em 2014. O levantamento da Unidade de Financiamentos da Cetip, maior banco de dados privado de informações sobre financiamento de veículos do país, inclui automóveis de passeio e comerciais leves, motos, pesados e outros. O segmento de automóveis leves apresentou o maior volume no estado, somando 195.266 vendas a crédito no ano. Houve crescimento de 18,21% vendas financiadas em dezembro quando comparado a novembro, e queda de 1,1% na comparação anual. No total, o Nordeste contou com 1.168.992 financiamentos em 2014, uma queda de 4,2%, na comparação com 2013. (Agência EBC)

Comente agora
19
Jan
Analistas consultados pelo Banco Central não acertam previsão do PIB há sete anos
Postado por: Samile Macêdo / 09:11h

Os analistas de mercado consultados pelo Banco Central não acertam as previsões para o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro desde 2008. Os resultados das análises são conhecidos como Boletim Focus e trazem as apostas dos economistas para os principais indicadores econômicos do país toda segunda-feira. Segundo o Uol, são ouvidas mais de cem instituições financeiras e o banco exclui as previsões extremas e calcula uma mediana dessas perspectivas. De acordo com o sócio fundador da consultoria, Guilherme Lima, os ajustes feitos nas previsões podem ser insuficientes. Em geral, as previsões feitas com dois anos de antecedência passam longe do resultado final; já as previsões feitas um ano antes chegam mais perto, mas não o bastante. O consultor também não descarta que a pura sorte esteja atrapalhando o desempenho dos analistas.

Comente agora
19
Jan
Investir na Bolsa ficou mais arriscado, diz especialista
Postado por: Samile Macêdo / 08:31h

O maré não anda favorável para o mercado de ações. A Bovespa, principal bolsa de valores do país, foi a mais instável do mundo em 2014, segundo um ranking de 20 instituições pesquisadas pela agência Bloomberg. O Ibovespa, principal indicador da bolsa fechou o ano passado com uma perda de 2,91%. E, para este ano, as previsões não são animadoras. Diante do cenário, a recomendação dos consultores é unânime: quem está fica, quem não está, não entra, ou entra com muito cuidado. “A Bolsa não foi bem em 2014. E, em 2015, a tendência é que o risco seja muito mais alto perto do seu potencial de valorização. Por isso, é preciso ter muito cuidado. Tem que ter estômago forte e um estoque de aspirina”, afirma o diretor de Economia da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Andrew Storfer.

Comente agora
18
Jan
Defasagem na tabela do IR pode chegar a 75,43% em 2015
Postado por: Anacley Souza / 16:44h

Estudo do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional) mostra que a defasagem na tabela do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) pode chegar ao final de 2015 em 75,43%. Para chegar ao percentual, o sindicato levou em consideração o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 6,79% e a não correção da tabela. No Ministério da Fazenda, evita-se falar na correção da tabela. No último dia 13, ao ser perguntado sobre assunto, em um encontro com os jornalistas que fazem a cobertura diária do setor, o próprio ministro Joaquim Levy, não sinalizou se haverá mudanças. "Em relação ao Imposto de Renda, não sei o que dizer", respondeu. O assunto voltou a ser discutido com a Medida Provisória 656/2014, que prevê ajuste de 6,5%. O projeto de conversão foi aprovado em dezembro passado pelo Senado e aguarda sanção presidencial. Em maio, uma outra medida provisória previa mudança na tabela a partir do ano-calendário de 2015, colocando na faixa de isentos os trabalhadores que recebem até R$ 1.868,22. Acima deste valor e até R$ 2.799,86, por exemplo, a alíquota seria 7,5%, com a parcela a deduzir de R$ 140,12. Na análise do Sindifisco com o IPCA de 2014 em 6,41%, a defasagem da tabela acumulada desde 1996 chega a 64,28%. Se utilizados o índice oficial de inflação e reajustes salariais que ultrapassam os 8% muitos contribuintes passaram a descontar IRPF ou mudam de faixa de alíquota, pagando mais impostos.

Comente agora
18
Jan
Estaleiro aguarda há meses ordem de serviço da Petrobras para começar obra
Postado por: Anacley Souza / 14:05h

Passadas as festas de fim de ano, janeiro deveria ser marcado pela plena retomada das atividades na indústria naval no Rio Grande do Sul, mas os desdobramentos da operação Lava Jato estão prejudicando as obras e aumentando as preocupações de curto prazo na região. Os estaleiros do polo naval localizado no sul do Estado, que têm contratos bilionários com a Petrobras para a construção de plataformas, sentem no dia a dia os reflexos da crise envolvendo a estatal. As dificuldades passam pela liberação de verba, o pagamento de fornecedores e a contratação de pessoal. O caso mais delicado é o do Estaleiro Honório Bicalho, operado pela QGI na cidade de Rio Grande. Desde 2005, quatro plataformas foram concluídas na unidade, que responde pela construção e integração de módulos. Ultimamente, no entanto, a palavra que impera no local é expectativa, já que o estaleiro enfrenta um período de "entressafra" que dura mais de um ano. Em setembro de 2013, quando estava prestes a entregar a P-58, a QGI assinou contrato para a construção da P-75 e da P-77. De lá para cá, milhares de trabalhadores foram demitidos e o reinício das obras é seguidamente adiado. De acordo com uma fonte ligada à indústria naval gaúcha, o primeiro ano após a assinatura de um contrato para a construção de uma plataforma costuma ser dedicado à preparação do projeto, o que envolve soluções de engenharia, adequação do canteiro e compra de material. No caso da QGI, portanto, as contratações de pessoal e o pontapé inicial nas obras estavam previstos para o último trimestre de 2014, só que nada foi feito até agora.

Comente agora
18
Jan
'Efeito Levy' afetará companhias com alta de tributos e tarifas
Postado por: Samile Macêdo / 12:53h

A nova postura do governo na política econômica, visando aumentar a arrecadação e cortar de gastos públicos, já provoca efeitos nos diversos setores empresariais, como o de educação, que demorará mais para receber recursos de financiamento estudantil. O novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, já sinalizou que pretende fazer ajustes na área tributária, e o que deve ocorrer mais rápido é a volta da Contribuição de Intervenção sobre Domínio Econômico (Cide) na gasolina. O ministro confirmou o fim dos repasses do Tesouro Nacional para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), e o BNDES receberá menos recursos, reduzindo os financiamentos às empresas. A expectativa de analistas é de que o chamado "efeito Levy" não deve parar por aí - pelo contrário, estaria apenas começando. Ponderam, porém, que esses ajustes são necessários. "A volta da Cide, por exemplo, influenciará de forma geral a economia, em especial o consumo. As pessoas não vão deixar de comprar combustíveis, mas devem gastar menos com outros produtos", comenta Gustav Gorski, sócio e economista-chefe da Quantitas. Nesse sentido, o setor de varejo, que já sente os efeitos do freio no crédito e da alta de juros, deve ser prejudicado. "O setor de transportes e logística também será bastante afetado com o aumento de custos provocado pelo retorno da Cide", lembra Celson Placido, estrategista da XP Investimentos. Mas pelo menos um setor deve se beneficiar com a volta da Cide, sem que a intenção do governo seja essa, de acordo com Gorski.

Comente agora
18
Jan
Setor calçadista brasileiro fechou 24 mil vagas em 2014
Postado por: Anacley Souza / 11:48h

O setor calçadista brasileiro encerrou o ano passado com 24 mil postos de trabalho a menos, informou nesta semana o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein. Segundo ele, a expectativa para 2015 é conseguir manter os atuais 155 mil postos de trabalho direto na indústria. "O ano será de ajustes necessários, mas esperamos manter essas vagas. A nossa expectativa é que, com os ajustes certos, possamos voltar a crescer em 2016", diz. De acordo com Klein, a principal aposta do setor este ano é crescer as vendas externas, já que o mercado interno deve sofrer com o desaquecimento econômico. "Almejamos crescer em exportações. As exportações estão no foco de todas as empresas", afirmou. Para ele, o mercado interno deve ter, principalmente no primeiro semestre, um quadro de recessão. "Será uma façanha se conseguirmos repetir em 2015 a performance de 214 no mercado doméstico", afirmou. Conforme dados mais recentes do IBGE, a produção de calçados de janeiro a outubro de 2014 caiu 4,7%, enquanto o varejo do segmento encolheu 0,9%. Já as exportações, no acumulado do ano, caíram 2,6%. Em 2014, foram exportados 129,5 milhões de pares, por US$ 1,067 bilhão, cerca de US$ 30 milhões a menos do que em 2013. Segundo Klein, a associação não costuma fazer prognósticos precisos e sim produzir estimativas baseadas "em sentimentos". "

Comente agora
18
Jan
Secretaria do Consumidor dá dicas sobre matrícula escolar
Postado por: Anacley Souza / 07:55h

A Secretaria Nacional do Consumidor, do Ministério da Justiça, divulgou uma série de dicas para quem quer matricular os filhos, renovar a matrícula ou mesmo garantir seus direitos durante o decorrer do ano letivo. Além da compra de material escolar e, em alguns casos, da contratação de um serviço de transporte para as crianças ou adolescentes, muitos pais procuram escolas particulares para os filhos. De acordo com a secretaria, nenhum aluno pode ter negada sua matrícula em uma escola por ter débitos em outra, da mesma forma que a antiga escola não pode negar os documentos de transferência mesmo que haja prestações em aberto. Caso não consiga matricular o aluno em uma nova escola por recusa dessa, os pais ou responsáveis podem procurar o Procon de sua cidade para solucionar a questão. “São proibidas as suspensões de provas, a retenção de documentos escolares ou a aplicação de quaisquer outras penalidades pedagógicas por falta de pagamento”, explicou a Senacon. Além disso, a escola não pode desligar o aluno durante o ano letivo. Esse desligamento só pode ocorrer após o fim do ano. Nesse caso, a escola tem a prerrogativa de não renovar a matrícula do aluno. Em caso de instituições de nível superior, esse tipo de desligamento só pode ocorrer após o fim de cada semestre. Visitar a escola e conhecer seu método pedagógico é tão importante quanto ler com atenção o contrato com a instituição antes de assiná-lo. A Senacon alerta tanto para o reajuste de mensalidades quanto para a transparência dos termos do contrato. “O reajuste de mensalidades deve ser feito somente uma vez ao ano, e o contrato deve ser claro quanto à sua previsão. Vale ressaltar que as cláusulas contratuais devem assegurar o direito à informação e a transparência para o consumidor”. (Agência Brasil)

Comente agora
16
Jan
Bancos baixam valor mínimo da transferência via TED para R$ 500
Postado por: Anacley Souza / 15:15h

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) anunciou nesta sexta-feira (16) que o valor mínimo para a realização de uma Transferência Eletrônica Disponível (TED) caiu de R$ 750 para R$ 500. Segundo a Febraban, a medida irá "facilitar ainda mais a vida de quem precisa transferir dinheiro, no mesmo dia, entre bancos diferentes". Em outras formas de movimentação financeira, como o DOC (Documento de Crédito) ou cheque é preciso aguardar pelo menos um dia para a conclusão da operação. Segundo a Febraban, os bancos discutem a possibilidade de mais uma redução no limite da TED ainda este ano. A última redução do valor da TED tinha ocorrido em julho de 2014, quando o valor passou de R$ 1 mil para R$750. O limite para TED vem caindo de ano para ano. Em 2003 estava em R$ 5 mil. Em 2010, caiu para R$ 3 mil. E, em 2012, para R$ 2 mil. A preferência dos clientes por transferências eletrônicas cresce a cada ano. Em 2009, elas representavam 28% do volume de transações. Já em 2013, o número subiu para 46%, segundo a Febraban. As tarifas cobradas para a realização de TED variam de banco para banco. Para saber os preços praticados, os consumidores podem consultar o Sistema de Divulgação de Tarifas de Serviços Financeiros (STAR) pelo site www.febraban-star.org.br.

Comente agora
15
Jan
Queda no emprego na indústria é reflexo da produção enfraquecida, diz IBGE
Postado por: Anacley Souza / 22:25h

A queda do nível de emprego na indústria registrada em novembro de 2014 é um reflexo do enfraquecimento da produção industrial, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em novembro do ano passado, o número de trabalhadores assalariados diminuiu 0,4% em relação a outubro, na oitava queda seguida nesse tipo de comparação. Em relação ao mesmo período de 2013, o recuo foi de 4,7%. Os dados foram divulgados mais cedo pelo IBGE. André Macedo, gerente da pesquisa, afirma que "há um cenário de menor dinamismo [na produção] e é mais que natural que esse cenário se reflita no mercado de trabalho". Segundo dados do IBGE divulgados no último dia 8, a produção industrial no Brasil também caiu em novembro, registrando baixa de 0,7% na comparação com outubro e 5,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. No acumulado de 2014, até novembro, o nível de emprego na indústria caiu 3,1%, e 3% na soma dos 12 meses anteriores. "A queda não é só deste mês de novembro, ela vem desde meados de 2013, quando começou de forma mais lenta, aumentando a intensidade em 2014", disse Macedo. A trajetória negativa também se repete no número de horas pagas e na folha de pagamento da indústria.

Comente agora
15
Jan
Ministro diz que preço da gasolina não deve cair no curto prazo
Postado por: Anacley Souza / 21:34h

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, disse nesta quinta-feira, 15, que o preço da gasolina não deve cair no curto prazo, acompanhando a queda internacional do petróleo. Em entrevista à Globo News, ele foi questionado se o preço da gasolina vai cair no mercado interno. Braga afirmou que o Brasil viveu um período com defasagem entre o preço nacional e o preço internacional da gasolina e que "agora estamos vivendo um momento reverso". Ele argumentou ainda que a queda do preço do barril de petróleo é fruto de uma situação conjuntural. "A qualquer momento pode haver mudança na estratégia da Opep em relação a isso", declarou. Segundo o ministro, o Brasil continua determinado a ser um grande produtor de petróleo. Para ele, o petróleo continuará, nos próximos anos, a ser importante matriz energética, no Brasil e no mundo. Além disso, ele afirmou que o "Brasil precisa estabelecer políticas garantidoras dos investimentos da Petrobras". (Estadão Conteúdo)

Comente agora
15
Jan
Sai a tabela do seguro-desemprego
Postado por: Anacley Souza / 17:48h

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou a tabela do seguro-desemprego que vigora a partir de 11 de janeiro, tendo como base o novo salário mínimo no valor de R$ 788,00. O reajuste segue as recomendações da Resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) Nº 707, de 10 de janeiro de 2013. De acordo com a Resolução, a partir de 2013 os reajustes das faixas salariais acima do salário mínimo observarão a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado e divulgado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulada nos doze meses anteriores ao mês de reajuste. O valor máximo da parcela do benefício alcança, em 2015, R$ 1.385,91. O valor do benefício não poderá ser inferior ao valor do Salário Mínimo atual. (Agência Brasil)

Comente agora
15
Jan
BNDES aprova R$ 1,7 bilhão para 22 parques eólicos
Postado por: Samile Macêdo / 13:49h

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou na tarde desta quinta-feira, 15, que aprovou, em dezembro, de R$ 1,7 bilhão para 22 parques eólicos. Com isso, a instituição de fomento encerrou 2014 com R$ 6,6 bilhões em aprovações para novos projetos de geração eólica, equivalentes a 2.585,8 MW de potência instalada. Segundo o BNDES, os empréstimos colocam o banco na liderança do financiamento ao setor e os novos projetos contribuem para "colocar o Brasil entre os cinco maiores investidores globais, tanto em energia eólica quanto em energia renovável de maneira geral". Os 22 parques eólicos cujos empréstimos foram aprovados em dezembro têm capacidade instalada de 590,4 MW, em três Estados do Nordeste (Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte) e no Rio Grande do Sul. Todos os projetos, segundo o BNDES, têm previsão de início de operação no primeiro semestre deste ano. (Estadão)

Comente agora
15
Jan
Caixa estuda subir juros do financiamento da casa própria
Postado por: Redação Voz da Bahia / 12:07h

A Caixa Econômica Federal informou nesta quinta-feira (15) que estuda reajustar as taxas de juros do financiamento imobiliário. A tabela de juros do banco não foi alterada durante todo o ano de 2014. No entanto, o banco afirmou que não cogita mexer nos juros dos empréstimos para a habitação popular, como a Minha Casa, Minha Vida, nem nos financiamentos feitos com cartas de crédito do FGTS. Os juros da Caixa costumam ser os menores no mercado e servem como referência para os demais bancos. Os juros cobrados pela Caixa usando o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE) variam de 7,95% a 9,2% ao ano mais TR, dependendo da renda, do valor do imóvel e do relacionamento com o cliente. Essa modalidade de financiamento é feita para imóveis no valor de até R$ 750 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal e de até R$ 650 mil nos demais estados. Já a taxa de juros anual cobrada atualmente pelo banco com uso da carta de crédito do FGTS varia de 5% a 7,93% mais TR, dependendo da renda, do valor do imóvel e do relacionamento com cliente. Os juros cobrados em financiamentos pelo Minha Casa Minha Vida são os menores, e variam de 5% a 6,86%.

Comente agora
15
Jan
Caixa estuda subir juros do financiamento da casa própria
Postado por: Letícia Oliveira / 11:28h

A Caixa Econômica Federal informou nesta quinta-feira (15) que estuda reajustar as taxas de juros do financiamento imobiliário. A tabela de juros do banco não foi alterada durante todo o ano de 2014. No entanto, o banco afirmou que não cogita mexer nos juros dos empréstimos para a habitação popular, como a Minha Casa, Minha Vida, nem nos financiamentos feitos com cartas de crédito do FGTS. Os juros da Caixa costumam ser os menores no mercado e servem como referência para os demais bancos. Os juros cobrados pela Caixa usando o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE) variam de 7,95% a 9,2% ao ano mais TR, dependendo da renda, do valor do imóvel e do relacionamento com  o cliente. Essa modalidade de financiamento é feita para imóveis no valor de até R$ 750 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal e de até R$ 650 mil nos demais estados. Já a taxa de juros anual cobrada atualmente pelo banco com uso da carta de crédito do FGTS varia de 5% a 7,93% mais TR, dependendo da renda, do valor do imóvel e do relacionamento com cliente. Os juros cobrados em financiamentos pelo Minha Casa Minha Vida são os menores, e variam de 5% a 6,86%.

Um comentário
15
Jan
Veja dicas para economizar energia elétrica em casa
Postado por: Letícia Oliveira / 10:06h

Diversos bairros de São Paulo têm sofrido com a falta de energia elétrica neste início de ano em função das fortes chuvas que têm atingido a capital paulista. Ventos de até 85 km/h foram registrados, o que ocasionou a queda de árvores sobre as fiações e dificultou o funcionamento da rede elétrica. Além disso, São Paulo, assim como outros Estados do País, tem lidado com o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas, o que obriga as distribuidoras de energia a recorrerem às termoelétricas, que produzem energia mais cara, para manterem o abastecimento. Recentemente, o governo também autorizou as distribuidoras a usarem o sistema de bandeiras tarifárias, que consiste em indicar ao consumidor se a tarifa cobrada no período vai ser mais cara. Veja algumas dicas para economizar energia, segundo a Eletrobras e o Inmetro:

1 – Lâmpada fluorescente
As lâmpadas fluorescentes, principalmente as compactadas, apesar de mais caras do que as incandescentes, são as mais indicadas para utilizar em casa. Esse tipo de lâmpada dura oito vezes mais do que as incandescentes e consome menos energia. O consumidor deve ficar atento para descartá-la, porque o vapor de mercúrio em sei interior é nocivo à saúde.

2 – Stand-By
Evite deixar os aparelhos eletrônicos em stand-by (modo de espera). Tire da tomada aparelhos como DVD, videogame e computador quando não os estiver utilizando.

Comente agora
15
Jan
'Prévia' do PIB tem alta em novembro, mas registra queda na parcial do ano
Postado por: Letícia Oliveira / 08:34h

O nível de atividade da economia teve uma pequena alta em novembro do ano passado, segundo sugerem números divulgados nesta quinta-feira (15) pelo Banco Central. Entretanto, registrou retração na parcial dos 11 primeiros meses de 2014, e, também, em 12 meses até novembro do último ano, de acordo com o BC. O Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br – um indicador criado para tentar antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) – teve alta de apenas 0,04% em novembro. O resultado veio após queda de 0,12% em outubro (dado revisado). Neste caso, as variações foram feitas após ajuste sazonal. (G1)

Comente agora
14
Jan
Dólar fecha na menor cotação em mais de um mês
Postado por: Redação Voz da Bahia / 22:48h

O dólar fechou em queda pelo 2º dia seguido, na menor cotação em mais de de 1 mês, após números fracos sobre o varejo nos Estados Unidos reforçarem a perspectiva de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, ainda irá demorar para elevar os juros. A moeda norte-americana também foi guiada pelos preços do petróleo, que tiveram um dia marcado por volatilidade. O dólar fechou em baixa de 0,6%, a R$ 2,6213 na venda, na menor cotação desde 10 de dezembro, quando a divisa terminou o dia cotada a R$ 2,6125 na venda. Na mínima da sessão, a divisa chegou a atingir R$ 2,6007. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de US$ 1,3 bilhão. Na semana, o dólar acumula queda de 0,67%. No ano, a desvalorização é de 1,4%.

Influências externas: 

Comente agora
14
Jan
Ministro afirma que aumento da tarifa de energia elétrica será inferior a 40%
Postado por: Anacley Souza / 22:47h

Apesar de não confirmar o valor exato do aumento médio da energia elétrica, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, afirmou nesta quarta-feira (14) que o reajuste "com certeza" será menor que 40%. "Como eu disse, existe nesse momento uma reunião marcada pela Aneel [Agência Nacional de Energia Elétrica] para aprovação [do valor] da CDE [Conta de Desenvolvimento Energético], disse ao jornal Folha de S. Paulo. Responsável pelos pagamentos de programas sociais e subsídios tarifários, a CDE pode ser comparada a um fundo do setor elétrico. O valor da CDE será definido na próxima terça (20) e, posteriormente, será repassado ao consumidor em forma de aumento na tarifa paga. "Com base na aprovação da CDE, serão distribuídas as cotas para cada distribuidora. Então elas entrarão em seus processos para o reajuste extraordinário", explicou o ministro. Braga ainda deu indícios de uma possível renegociação do governo sobre prazos para pagamento de empréstimos realizados pelas distribuidoras, no total de R$ 17,8 bilhões.

Comente agora
Todos os direitos reservados a Marcus Augusto Macedo | vozdabahia@hotmail.com