As comentadas


Boa noite , Terça-feira, 28/07/2015








Enquete



Reflita

Blog

Economia

27
Jul
Leilão do Detran oferece 604 veículos e sucatas
Postado por: Anacley Souza / 18:23h

Nos próximos dias 29 e 30 de julho, a partir das 9h, o Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran-BA)realiza o 3º Leilão de Sucatas e Veículos. No total, 604 lotes que estão nos pátios de Salvador e Feira de Santana serão leiloados, de forma presencial, no auditório do órgão de trânsito, localizado na Avenida ACM, em Salvador. O leilão também acontece na modalidade on-line, através do site www.brbid.com. A visitação aos lotes pode ser realizada, hoje e amanhã (27 e 28), das 9h às 12h e das 14h às 16h, nos pátios onde se encontram os lotes. Em Salvador, na rua Professor Plínio Garcez Sena, s/n, Mussurunga I; e em Feira de Santana, na avenida Eduardo Froes da Mota, 2221, Caseb. Mais informações, como descrição e fotos de cada lote, também podem ser acessadas através do site www.detran.ba.gov.br ou www.oscarleiloes.com.br.

Comente agora
27
Jul
Ministro prevê dólar estável e redução na inflação em 2016
Postado por: Ionara Peixoto / 15:14h

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse nesta segunda-feira (27), ao ser questionado sobre a alta do dólar, que o câmbio tende a se estabilizar. Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, ele também afirmou que a inflação deve ter uma redução "mais rápida" em 2016.O dólar subiu pelo quarto dia seguido nesta segunda-feira, pressionado pela apreensão dos investidores com as perspectivas fiscais do Brasil e pelo forte tombo da bolsa chinesa. Perto de 12h35, a moeda norte-americana tinha alta de 0,23%, a R$ 3,3547 na venda. Na máxima da sessão, a moeda norte-americana subiu 1,06%, a R$ 3,38.Barbosa deu entrevista coletiva com outros dois ministros, Gilberto Kassab (Cidades) e Eliseu Padilha (Aviação Civil), após reunião de coordenação política com a presidente Dilma Rousseff.O grupo da coordenação política do governo, que se reúne todas as segundas-feiras, contou ainda com a presença do vice-presidente, Michel Temer, e de outros oito ministros.

Comente agora
27
Jul
Preço da gasolina aumenta em postos de Salvador
Postado por: Samile Macedo / 12:13h

“O sonho acabou”. A expressão, quase clássica e celebrizada por John Lennon, foi usada ontem por pelo menos dois frentistas de postos de combustíveis de Salvador procurados pela reportagem da Tribuna para checar a repentina volta aos preços altos da gasolina, beirando R$ 3,70, depois de cerca de duas semanas mais amenas, com o litro sendo vendido até a R$ 3,22. No posto “Menor Preço” da Ladeira dos Galés, por exemplo, onde, na fartura do preço “baixo” o litro da gasolina chegou a ser vendido por R$ 3,24, o combustível custava, ontem, R$ 3,54. Um pouco adiante, no posto BR da Rua Djalma Dutra, o valor era de R$ 3,59, enquanto em outro BR, na Rua Senador Costa Pinto (Centro), alcançava R$ 3,59. Até mesmo no Posto Jequitaia, localizado na avenida do mesmo nome, na Cidade Baixa, onde as ofertas eram sempre consideráveis, a gasolina subiu para R$ 3,54. Aliás, falar em “subida” de preço contradiz com o discurso dos frentistas e gerentes. “Na verdade - dizem eles -, o preço voltou ao normal”. Quando houve a “baixa” de preços, a Tribuna entrevistou o Sindicombustíveis - que reúne os donos de postos da Bahia - e a diretoria nos disse que a redução atendia a uma “situação de mercado”, mas deixando claro que os proprietários dos postos estavam precisando “desovar seus estoques.” Parece que, estoques “desovados”, o patamar dos preços voltou a ser alto e, como sempre acontece, praticamente idênticos em todos os postos, inclusive alguns, como o da entrada do Calabetão, na BR-324, onde se cobrava barato, devido a uma promoção gerada pelo difícil acesso ao local em função de obras do metrô. Lá, a gasolina voltou a ser vendida por R$ 3,64. 

Comente agora
27
Jul
Previsão do mercado para retração do PIB passa de 1,70% para 1,76%
Postado por: Samile Macedo / 11:01h

Mais uma vez, o mercado financeiro revisou para baixo suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2015. A expectativa de retração de 1,70% no Relatório de Mercado Focus foi substituída por uma queda de 1,76% agora. O documento é divulgado pelo Banco Central toda segunda-feira pela manhã. Há um mês, a mediana das previsões estava negativa em 1,49%. A perspectiva de recuperação da atividade no ano que vem também segue debilitada. Passou de 0,33% para 0,20% nesta segunda-feira, 27. Um mês antes, estava em 0,50%. O BC, apesar de também ter revisado para pior sua projeção, de queda de 0,6% para retração de 1,1%, segue mais otimista que o mercado. No Relatório Trimestral de Inflação de junho, a instituição informou que a mudança ocorreu em função de piora nas perspectivas para a indústria, cuja expectativa de PIB recuou de -2,3% para -3,0%. Segundo o BC, essa piora foi influenciada por impactos das reduções projetadas para a indústria de transformação, de -3,4% para -6%, e para a produção e distribuição de eletricidade, água e gás, de -1,4% para -5,6%, refletindo cenário de aumento da participação de termelétricas na oferta de energia e de redução do consumo de água no primeiro trimestre do ano. Para o setor de serviços, a autoridade monetária, que até março via uma ligeira expansão de 0,1% em 2015, passou a projetar queda de 0,8%. 

Comente agora
27
Jul
Dólar vai a R$ 3,37, puxado por recuo na China e tensão fiscal
Postado por: Samile Macedo / 10:40h

O dólar segue em alta nos primeiros negócios desta segunda-feira (27), em meio a preocupações com a situação fiscal do Brasil e com nova queda da bolsa chinesa. Perto das 9h40, a moeda norte-americana tinha alta de 0,79%, a R$ 3,3734 na venda. Na sexta-feira, o dólar fechou em alta, após ultrapassar a barreira dos R$ 3,35, ainda refletindo preocupações com os riscos ao grau de investimento brasileiro. A moeda norte-americana, pressionada por preocupações com as condições fiscais do Brasil, subiu 1,55%, cotada a R$ 3,3470 na venda. (G1)

Comente agora
27
Jul
Fábricas de material de construção já demitiram 30 mil funcionários em 2015
Postado por: Redação Voz da Bahia / 10:01h

A crise também derrubou a venda de materiais de construção. As fábricas demitiram 30 mil funcionários este ano. E as lojas estão vazias porque muita gente parou a obra no meio. Os cartazes gigantes são para chamar o consumidor, que sumiu. O universitário Tadeu Emanuel Sirino só entrou por um motivo: “Porque eu já tenho o dinheiro reservado. Quem já tem dinheiro para construir, está bom por que tem oferta, você pode conseguir um valor mais em conta”. “Temos hoje aqui 20%, 30%, até 50% de desconto para atrair clientes”, conta o comerciante Leonardo Lelis Rocha. “Atrai, mas não com a mesma intensidade de uma época boa de vendas”. A Associação Brasileira de Materiais de Construção constatou que no primeiro semestre do ano as vendas caíram 7% em todo o país, quando comparadas ao mesmo período do ano passado. Muito, para um setor acostumado a olhar só para o alto. Não escapou nenhuma etapa de uma construção: do alicerce ao acabamento. Em uma indústria de tintas, uma das maiores do Centro-Oeste do pais, está sobrando espaço no depósito. A empresa já demitiu 20 trabalhadores. No país, juntando todas as indústrias que produzem material de construção, já são 30 mil empregos a menos que em 2014. 

Comente agora
26
Jul
Real se desvaloriza no mandato de Dilma. Dólar custa o dobro
Postado por: Anacley Souza / 18:01h

Na última sexta-feira o dólar atingiu uma marca histórica. Quando Dilma Rousseff assumiu o planalto, no dia 1 de janeiro de 2011, a cotação do dólar estava em 1,67 reais. Hoje, 4 anos e meio depois, a cotação fechou em 3,34 reais. Exatamente o dobro do valor que a presidente encontrou. Ou seja, se 100 reais antes compravam 59,88 dólares, agora compram apenas 29,94 reais. (Revista Veja)

Comente agora
26
Jul
Até quanto o dólar vai subir?
Postado por: Samile Macedo / 08:43h

A moeda norte-americana voltou aos patamares de 2003 e atingiu a maior cotação do ano na sexta-feira (24.07) ao bater R$ 3,349, segundo o Banco Central, mas com vendas a turistas chegando a R$ 3,75, nas casas de câmbio. Economistas que acompanham o comportamento cambial afirmam que não é possível prever quando, e nem em qual patamar, esse movimento de alta vai acabar. Para Silvio Campos Neto, economista da consultoria Tendências, a moeda deve continuar em tendência de alta, mas sem um movimento abrupto. “O possível rebaixamento da nota de risco do Brasil, para grau especulativo, não deve ter grande efeito neste cenário atual, que já está muito difícil. Para o dólar estourar, em um movimento abrupto, teria de ocorrer algo como a saída do Joaquim Levy, do Ministério da Fazenda, o que não deve acontecer e nem há motivos”, afirma o economista. A cotação dao dólar está no mesmo nível de 2003 e subiu 5,48% desde a sexta-feira (17.07) quando o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), declarou que era oposição ao governo de Dilma Rousseff. No ambiente internacional, o fraco desempenho da economia chinesa, a queda no preço das commodities e a esperada alta dos juros nos Estados Unidos, são fatores externos que evevam o preço da moeda. Em relatório, o Itaú analisa que o processo (e expectativas) de normalização da postura de política monetária nos EUA continua desempenhando um papel fundamental nas taxas de câmbio e na estrutura a termo de juros na América Latina. A semana teve um anúncio importante na economia brasileira na quarta-feira (22.07), quando o governo federal reduziu meta de superávit primário deste ano de 1,10% para 0,15% do produto interno bruto (PIB) – o que significa reduzir a capacidade de economia de que R$ 66,3 bilhões para R$ 8,74 bilhões. 

Comente agora
25
Jul
Dólar dispara e fecha maior valor em 12 anos
Postado por: Samile Macedo / 06:58h

O dólar subiu pela terceira sessão seguida, encostou em 3,35 reais e fechou no maior nível em mais de 12 anos, ainda refletindo preocupações com os riscos ao grau de investimento brasileiro após os cortes nas metas fiscais do governo. O dólar avançou 1,55 por cento, a 3,3470 reais na venda, maior patamar de fechamento desde 31 de março de 2003, quando ficou em 3,355 reais. Na máxima do dia, a divisa chegou a 3,3578 reais. Nas últimas três sessões, incluindo esta, a moeda norte-americana acumulou avanço de 5,48 por cento e, na semana, avançou 4,79 por cento. "A decepção do mercado é palpável. A sensação é de que o governo está fazendo menos esforço do que devia", disse o operador da corretora Intercam Glauber Romano. O governo reduziu a meta de superávit primário deste ano a 0,15 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), contra 1,1 por cento do PIB previsto até então. Além disso, abriu a possibilidade de abater até 26,4 bilhões de reais que, no limite, pode até gerar novo déficit primário. As metas para 2016 e 2017, por sua vez, caíram para o equivalente a 0,7 e 1,3 por cento do PIB, respectivamente. O objetivo anterior para cada um desses anos era de 2 por cento do PIB, percentual que agora só deverá ser alcançado em 2018. "A drástica redução da meta para 2015, assim como o ajuste extremamente gradual esperado para os próximos anos, sublinha o esperado rebaixamento pela Moody's e pode também desencadear revisões por outras agências e a perda do grau de investimento", escreveram analistas do banco Brasil Plural em nota a clientes. 

Comente agora
24
Jul
Ministério terá de divulgar dados da contribuição sindical obrigatória
Postado por: Anacley Souza / 19:48h

Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) precisará tornar disponíveis, em até 30 dias, informações relativas à contribuição sindical obrigatória recolhida para sindicatos patronais e de trabalhadores. A determinação é da Controladoria-Geral da União (CGU), dentro da política de "publicação transparente". Segundo explica a Controladoria, o pedido deu origem a essa determinação foi feito via Lei de Acesso à Informação por um cidadão, após solicitar, sem sucesso, ao MTE e à Caixa dados com o total da receita anual recebida por cada entidade sindical brasileira, entre os anos de 2009 e 2013. Em nota, a CGU detalha que o Ministério do Trabalho disse inicialmente ter apenas a informação com os valores totais arrecadados pelas centrais sindicais e o valor total arrecadado com a contribuição sindical, sem discriminar quanto foi recebido, entidade por entidade. A Caixa, por sua vez, entendia as informações como não de sua titularidade, funcionando apenas como órgão arrecadador e repassador de recursos às entidades sindicais e ao MTE, protegidas por sigilos bancário e fiscal, o que inviabilizaria a sua entrega ao cidadão. A Controladoria solicitou informações adicionais sobre a questão junto ao Ministério do Trabalho e à Caixa. A partir daí, concluiu que a contribuição sindical é tributo federal e que a movimentação financeira, assim como qualquer tributo, é feita por meio de contas mantidas junto às instituições bancárias, sem que isso implique necessariamente em sigilo bancário ou fiscal.

Comente agora
24
Jul
Inflação e reajustes de tarifas públicas engolem o salário da nova classe C
Postado por: Ionara Peixoto / 14:42h

O cenário de crédito escasso, inflação alta e reajustes significativos em tarifas públicas – como água e energia elétrica – vem mudando o estilo de vida da classe C.Acostumada a consumir em condições opostas às citadas, o que os fez subirem de patamar principalmente no período entre 2008 e 2010, a nova classe média agora se vê obrigada a pisar forte no freio.Os dados que mostram uma economia débil fazem desta crise a mais grave desde que a classe C (famílias com renda familiar de até R$ 2,9 mil) passou a ser reconhecida.Por conta disso, a adaptação às reduções nos custos vem sendo mais penosa para os mais jovens, que começaram a ter de arcar com as despesas mais recentemente.“Quem viveu a crise em 2008 já tem um histórico que possibilita aprender a se virar com mais facilidade. Hoje, quem está sentindo a crise com uma força muito maior são os jovens, mas eles também já estão aprendendo a lidar com a redução de custos e buscando fontes alternativas de renda”, explica o presidente do Data Popular, Renato Meirelles.Um exemplo da mudança de hábito é Júlia Mariano, de 27 anos. Moradora de Paraisópolis, zona sul de São Paulo, ela é cabelereira, mora com a única filha pequena e toca com o irmão um pequeno salão de beleza ao lado de casa.No entanto, sentindo os efeitos principalmente dos reajustes nas contas de água e energia elétrica, ela deixou a exclusividade do seu empreendimento e passou a fazer serviços avulsos para complementar a renda. “Só o salão não dá. Às vezes, quando aparece durante a semana, eu faço bicos de diarista”, contou.(Tribuna)

Comente agora
24
Jul
Adolescente de 13 anos fica rica com agência de babás
Postado por: Redação Voz da Bahia / 11:45h

Noa Mintz estava tão descontente com a qualidade das babás contratadas por seus pais para cuidar dela e dos irmãos que decidiu criar sua própria empresa - aos 13 anos. Tudo começou em 2012, quando a americana ainda estava na escola, em Nova York, e lançou a Nannies by Noa, que oferece babás "interativas, criativas e confiáveis" a famílias de Nova York, diz a jovem. As profissionais são entrevistadas e têm contatos e histórico checados. O negócio cresceu rápido: somente no ano passado, triplicou, saltando de 50 clientes em 2013 para quase 200 atualmente. E acredita-se que a empresa gere mais de US$ 300 mil por ano (cerca de R$ 966 mil reais). "Sempre imaginei que pais em Nova York queriam esse serviço, então comecei (a empresa) bem pequena. Acreditava em qualidade ao invés de quantidade. Com o aumento da demanda, a empresa cresceu também, porque as pessoas gostavam das nossas babás e do serviço que eu estava oferecendo", disse ela, que hoje está com 15 anos, ao programa Outlook da BBC. A jovem tornou-se uma celebridade: teve perfis em jornais e sites e foi entrevistada por programas populares de TV.

Comente agora
24
Jul
Dólar opera em alta e passa os R$3,30
Postado por: Samile Macedo / 10:32h

O dólar segue em alta nesta sexta-feira (24), ultrapassando a barreira dos R$ 3,30 e atingindo a máxima intradia em mais de 12 anos no início dos negócios. Perto das 10h15, a moeda norte-americana, pressionada por preocupações com as condições fiscais do país após corte nas metas do governo, subia 0,6%, cotada a R$ 3,3158 na venda. Na abertura, do dólar chegou a ser vendido a R$ 3,3365. O governo reduziu a meta de superávit primário deste ano para R$ 8,747 bilhões, ou 0,15% do Produto Interno Bruto (PIB), contra R$ 66,3 bilhões (1,1% do PIB), previstos até então. Além disso, abriu a possibilidade de abater até R$ 26,4 bilhões que, no limite, pode até gerar novo déficit primário. As metas para 2016 e 2017, por sua vez, caíram para o equivalente a 0,7% e 1,3% do PIB, respectivamente. O objetivo anterior para cada um desses anos era de 2% do PIB, percentual que agora só deverá ser alcançado em 2018. "A drástica redução da meta para 2015, assim como o ajuste extremamente gradual esperado para os próximos anos, sublinha o esperado rebaixamento pela Moody's e pode também desencadear revisões por outras agências e a perda do grau de investimento", escreveram analistas do banco Brasil Plural em nota a clientes, segundo a Reuters. 

Comente agora
24
Jul
Dólar fecha a R$ 3,29, maior cotação desde março
Postado por: Redação Voz da Bahia / 00:28h

O dólar avançou mais de 2% nesta quinta-feira (23), fechando acima de R$ 3,29, na maior em quatro meses, após o corte nas metas fiscais do governo alimentar temores de que o Brasil pode vir a perder seu valioso grau de investimento. A moeda norte-americana terminou o dia em alta de 2,17%, negociada a R$ 3,2958 na venda. É a maior cotação desde 19 de março, quando o dólar fechou em R$ 3,2965. Na máxima da sessão, o dólar chegou a atingir R$ 3,2998. Na semana e no mês, a moeda acumula alta de 3,19% e 6,01%, respectivamente. No ano, há valorização de 23,96%.

Medo do rebaixamento: O mercado teme que o país, depois do esperado rebaixamento pelas agências de avaliação de risco Moody's e Fitch, receba perspectiva negativa de alguma delas. Com isso, ficaria na iminência de perder seu cobiçado grau de investimento. "Cresceu significativamente a chance de o Brasil perder o grau de investimento. Talvez isso demore, mas a chance é alta", disse à Reuters o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira. A Moody's deve manifestar-se sobre a nota brasileira em breve após visita ao país na semana passada. A agência de classificação de risco Austin Rating anunciou nesta quinta-feira (23) que rebaixou a nota de crédito de longo prazo do Brasil em moeda estrangeira de "BBB-" para "BB+". Com isso, o país perdeu o grau de investimento – espécie de selo de bom pagador e "porto seguro" para investidores – pelos parâmetros desta escala. A Fitch Ratings informou nesta quinta que irá reavaliar as tendências fiscais do Brasil, ponto importante para sua decisão sobre se rebaixará o rating de crédito do país, após o governo cortar a meta se superávit primário.

Novas metas: 

Comente agora
23
Jul
Ouvidorias de bancos terão de gravar atendimento e fornecer contato na internet
Postado por: Anacley Souza / 22:11h

As ouvidorias dos bancos terão de gravar os atendimentos aos clientes e fornecer os contatos nas páginas iniciais das instituições financeiras na internet. As alterações foram decididas nesta quinta-feira (23) pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que deu prazo até 30 de junho de 2016 para a implementação das novas regras. Até agora, a obrigação para a gravação valia apenas para o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC), primeira etapa de atendimento ao cliente. Em relação à divulgação dos contatos, as instituições terão a opção de apresentar números de telefones da ouvidoria diretamente na página inicial ou de divulgar um link com a página dos contatos. O CMN alterou o prazo máximo de atendimento das ouvidorias de 15 dias corridos para dez dias úteis. As ouvidorias terão também de divulgar, a cada semestre, na internet, um relatório com as estatísticas de atendimento e as atividades desenvolvidas. A ouvidoria representa a última etapa de atendimento, quando o cliente não conseguiu resolver os problemas nas agências bancárias ou no SAC. Segundo a chefe do Departamento de Regulação Financeira do Banco Central, Sílvia Marques, as mudanças trarão mais transparência a esse tipo de serviço. “As alterações visam a aumentar a transparência e a envolver mais racionalidade e eficiência ao setor de ouvidoria. Além disso, as novas regras tornam mais claras as atribuições do ouvidor”, diz Silvia. Em relação à obrigatoriedade da divulgação dos relatórios na internet, a técnica do Banco Central diz que o público deve ter acesso a informações até agora restritas à autoridade monetária. “O BC já tem todas as informações sobre as ouvidorias dos bancos, mas elas não chegam ao público de forma sistemática”, explica. (Agência Brasil)

Comente agora
23
Jul
Bahia registra abertura de quase 13 mil empresas em 2015
Postado por: Anacley Souza / 19:11h

Dos 12,6 mil estabelecimentos que entraram em operação na Bahia nos primeiros seis meses deste ano 88% são de micro, pequeno e médio porte. Os outros 125, de grande porte. Juntas, as 12.725 empresas geram milhares de empregos, que ajudam a aquecer a economia. Independente do tamanho, todas precisam estar registradas na Junta Comercial do Estado da Bahia (Juceb) para iniciar a atividade. As 32 unidades da Juceb estão distribuídas em todas as regiões da Bahia e, segundo o presidente da entidade, Antônio Carlos Tramm, o conjunto de serviços da RedeSim está sendo ampliado para agilizar o processo de abertura de empresas no estado. A RedeSim é um sistema informatizado que busca desburocratizar o processo de abertura e alteração de empresas, integrando os órgãos públicos envolvidos no registro de empresas como Junta Comercial, Receita Federal, Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-BA) e prefeituras. “Já temos a RedeSim conveniada com mais de 30 municípios. O objetivo é possibilitar rapidez, eficiência e agilidade no serviço prestado ao pequeno, médio e grande empresário”. (Portal Política Livre)

Comente agora
23
Jul
Britânica Britvic compra brasileira dona da Maguary e da Dafruta
Postado por: Redação Voz da Bahia / 18:03h

A fabricante de bebidas britânica Britvic ampliou sua expansão internacional nesta quinta-feira (23) com a compra por 120,8 milhões de libras (R$ 580 milhões) da empresa de sucos brasileira Ebba, dona das marcas Maguary e Dafruta e um conglomerado pertencente à família Tavares de Melo. O grupo britânico é líder em diversas categorias no segmento de não alcóolicos em países da Europa e conta com mais de 3 mil colaboradores no mundo todo. O acordo, que será na maior parte financiado por emissão de ações, dá à Britvic acesso ao sexto maior mercado de refrigerantes do mundo e amplia sua expansão internacional para além de Estados Unidos, Índia e Espanha, destaca a Reuters. Em comunicado, a Britvic destacou que a Ebba é a maior fornecedora de sucos concentrados no Brasil e a segunda maior fornecedora de sucos e néctares prontos para beber. A ebba possui duas fábricas no Brasil, uma em Araguari (MG) e outra em Aracati (CE).

Comente agora
23
Jul
Casas de Câmbio vendem dólar a R$ 3,69. A cotação é maio que o esperado
Postado por: Anacley Souza / 17:28h

A disparada do dólar comercial nesta quinta-feira (23) tornou mais difícil a vida de quem vai viajar para o exterior ou quer comprar a moeda para deixar em casa. Nas casas de câmbio de São Paulo, a moeda norte-americana já está cotada próximo de R$ 3,70. Os valores vão de R$ 3,44 (em dinheiro vivo) a R$ 3,69 (no cartão pré-pago), já considerando o IOF. O valor sempre é maior para turistas do que o divulgado no câmbio comercial. Uma pesquisa feita em cinco casas de câmbio em São Paulo, entre 14h e 14h30 desta quinta-feira (23) mostrou que todas as casas já cobravam acima dos R$ 3,44 para a venda de dólar turismo para quem for viajar ao exterior. O dólar comercial é utilizado para movimentações financeiras do governo no exterior e empréstimos de brasileiros residentes fora do país, além de ser usado por grandes empresas para a realização de importação e exportação de mercadorias. Nas casas de câmbio, onde as pessoas comuns compram a moeda, o valor é maior. Ele é vendido para os pequenos compradores, que utilizam o dólar para viajar. O dólar turismo também é usado na conversão dos débitos realizados em moeda estrangeira no cartão de crédito e aquisição de passagens aéreas, por exemplo. Para quem está com viagem marcada para breve, a orientação dos especialistas é comprar dólar agora e garantir a viagem. Se a viagem for feita num prazo maior, o conselho é adquirir a moeda aos poucos, para conseguir um preço médio.

Veja a cotação:

  1. AGK Corretora: R$ 3,44 (dinheiro) e R$ 3,59 (cartão pré-pago)
  2. Fair Corretora: R$ 3,47 (dinheiro) e R$ 3,64 (cartão pré-pago)
  3. Treviso Corretora: R$ 3,49 (dinheiro) e R$ 3,61 (cartão pré-pago)
  4. Cotação: R$ 3,50 (dinheiro) e R$ 3,69 (cartão)
  5. Confidence: R$ 3,50 (dinheiro) e R$ 3,68 (cartão)
Comente agora
23
Jul
Dólar sobe após meta fiscal e se aproxima de R$ 3,30
Postado por: Redação Voz da Bahia / 14:23h

O dólar avança cerca de 2% e encosta em R$ 3,30 nesta quinta-feira (23), maior patamar em quatro meses na variação do dia, após o corte nas metas fiscais do governo alimentar temores de que o Brasil pode vir a perder seu valioso grau de investimento. Por volta das 14h10, a moeda norte-americana avançava 1,98%, a R$ 3,2897 na venda, após marcar na véspera a maior alta em quase dois meses. Veja cotação. Na máxima da sessão, a divisa subiu quase 2,30% e atingiu R$ 3,2992. É a maior cotação desde 19 de março, quando o dólar fechou em R$ 3,2965. Antes disso, a maior cotação do dólar foi registrada em abril de 2003. E também foi o maior valor intradia desde 20 de março, quando foi a R$ 3,3162.

Comente agora
23
Jul
Cúpula do PT quer que governo pare de financiar grandes veículos de comunicação
Postado por: Ionara Peixoto / 13:13h

Membros da alta cúpula do PT cobraram, em uma reunião no Palácio do Planalto, que o governo interrompa a distribuição técnica dos recursos para publicidade – seguindo critérios de audiência e circulação. De acordo com a coluna Radar Online Gilberto Carvalho, Eleonora Menicucci e Rui Falcão – presidente nacional do partido – acreditam que investir nos grandes veículos nacionais seria “alimentar o monstro” da imprensa. Os veículos que mais recebem verba são Globo, Uol, Veja e Folha de S. Paulo, mas supostamente os petistas querem que o financiamento vá para blogs e publicações governistas. Coube a Carlos Gabas, além do próprio ministro Edinho Silva, fazer a defesa do modelo técnico atual.(Bn)

Comente agora
23
Jul
Dólar sobe e chega perto dos R$ 3,30 após meta fiscal
Postado por: Samile Macedo / 11:00h

O dólar subia mais de 2% e se aproxima de R$ 3,30 nesta quinta-feira (23), após o governo reduzir drasticamente as metas fiscais deste e dos próximos dois anos e abrir a possibilidade de abatimentos neste ano. Por volta das 10h30, a moeda norte-americana avançava 2,12%, a R$ 3,2942 na venda, após marcar na véspera a maior alta em quase dois meses.É a maior alta desde 19 de março, quando o dólar fechou em R$ 3,2965. Antes disso, a maior cotação do dólar foi registrada em abril de 2003. Mais tarde, o Banco Central dará continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em agosto, com oferta de até 6 mil contratos, equivalentes a venda futura de dólares. Na véspera, o dólar avançou 1,65% frente ao real, a R$ 3,2257 na venda. Na semana e no mês, a moeda acumula alta de 1% e 3,76%, respectivamente. No ano, a valorização é de 21,33%. (G1)

Comente agora
23
Jul
Governo reduz meta fiscal e corta gastos em mais R$ 8,6 bi
Postado por: Samile Macedo / 07:03h

O governo anunciou nesta quarta-feira (22) que decidiu revisar a meta de economia para pagar os juros da dívida – o chamado superávit primário – para R$ 8,747 bilhões em 2015, o equivalente a 0,15% do PIB, ante previsão anterior de R$ 66,3 bilhões (1,19% do PIB). Foi anunciado também um corte adicional de R$ 8,6 bilhões no Orçamento de 2015, totalizando um contingenciamento acumulado de R$ 79,4 bilhões nos gastos entre todos os poderes no ano. "O governo cortou na carne, por assim dizer”, disse o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Segundo o ministro, a revisão não significa um relaxamento da politica fiscal, mas sim "realismo" e "transparência”. "Nosso objetivo é diminuir a incerteza da economia ao anunciar uma meta que nós consideramos alcançável e segura. Com isso se ajuda a orientar as decisões dos agentes econômicos, empresários, trabalhadores e famílias", destacou o ministro. "Além de aumentar a carga tributária, nós estamos buscando receitas”, acrescentou Levy. A mudança da meta se deve, segundo os ministros a uma queda na previsão de receita deste ano. A previsão de receita líquida total foi reduzida em R$ 46,7 bilhões, para R$ 1,112 trilhão. A maior parte da queda está concentrada nas receitas administradas pela Receita Federal, de R$ 29,5 bilhões, e previdenciárias, de R$ 14,7 bilhões. 

Comente agora
22
Jul
Cantada por Caetano, bebida do Piauí tenta ganhar o Brasil
Postado por: Anacley Souza / 22:23h

O que poderiam ter em comum o presunto italiano de Parma, o champanhe francês e a cajuína do Piauí? São todos produtos com o registro internacional de Indicação Geográfica (IG), o que certifica suas qualidades únicas e lhes agrega valor de mercado. Mas apenas a bebida brasileira feita 100% com caju teve o privilégio de ser cantada por Caetano Veloso, que a levou a ouvidos de todo o Brasil. Agora, o suco piauiense quer superar as fronteiras de seu estado e chegar aos copos de consumidores cada vez mais preocupados em ingerir alimentos saudáveis. “Todo estado que produz caju também produz alguma variação da cajuína, e a Coca-Cola chegou a lançar um refrigerante chamado Crush Cajuína, mas a IG garante que o produto do Piauí foi elaborado sob determinados controles de qualidade que garantem a bebida do estado como única”, explica José Ribamar Rodrigues, presidente da União das Associações, Cooperativas e Produtores de Cajuína do Estado do Piauí (Procajuína), uma das organizações que pleitearam e conseguiram junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi) a indicação de origem. Além de atestar a originalidade do produto e agregar valor, a IG é um passo fundamental para que o processo de industrialização da cajuína ocorra sem perda da qualidade. “O reconhecimento do Inpi caminha junto com essa ideia de uma produção mais industrial, até porque antes o caju, por exemplo, era prensado no braço, e hoje se utilizam máquinas”, continua Rodrigues.

Comente agora
22
Jul
Dólar tem maior alta em quase 2 meses e vai a R$ 3,2257
Postado por: Marcus Augusto Macedo DRT 5719 / 18:38h

O dólar fechou com a maior alta percentual frente ao real em quase dois meses nesta quarta-feira, refletindo preocupações com a situação fiscal do governo brasileiro e acompanhando o fortalecimento da moeda norte-americana nos mercados externos, diante de expectativas de juros mais altos nos Estados Unidos ainda neste ano. O dólar avançou 1,65 por cento, a 3,2257 reais na venda, maior alta desde 26 de maio, quando avançou 1,68 por cento. As atenções do mercado nesta quarta-feira se voltaram para a expectativa de anúncio pelos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, nesta tarde, de uma nova meta de superávit primário para este ano. Duas fontes do governo afirmaram à Reuters a meta de superávit primário para 2015 será reduzida de 1,1 por cento para 0,15 por cento do Produto Interno Bruto (PIB). Uma das fontes disse que o objetivo para 2016 também será reduzido. "Uma redução muito significativa na meta pode alertar as agências (de classificação de risco) de que a situação no Brasil vai demorar muito mais para melhorar", disse o operador Glauber Romano, da corretora Intercam. A grande preocupação do mercado é que o Brasil, por conta da deterioração das contas públicas, venha a perder o cobiçado grau de investimento pelas agências de agências de classificação de risco. "A chance de perder o grau de investimento assusta muita gente, principalmente estrangeiros. Se parecer que o Brasil está caminhando para isso, o mercado vai piorar significativamente", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

Comente agora
22
Jul
BB vai financiar até 90% do valor da casa própria com juros de 9% pelo FGTS
Postado por: Anacley Souza / 18:28h

O Banco do Brasil passou a oferecer, nesta semana, uma nova linha de crédito para compra da casa própria. O banco financia até 90% do valor do imóvel novo ou usado (para imóveis de até R$ 400 mil), em até 30 anos, com taxa de juros de 9% ao ano. A linha, chamada de Pró-cotista, usa recursos do Programa Especial de Crédito Habitacional ao Cotista do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Esse tipo de financiamento só está disponível para quem tem conta ativa no FGTS e um mínimo de 36 contribuições ao fundo, seguidas ou não. Se não tiver conta ativa no FGTS, é preciso que seu saldo total no fundo seja igual ou maior que 10% do valor do imóvel ou da escritura, o que for maior. As condições desse tipo de crédito foram definidas em maio pelo Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

BB espera oferecer R$ 1 biA estimativa do BB é disponibilizar cerca R$ 1 bilhão para novas operações. O Banco do Brasil identificou 2,2 milhões de clientes que reúnem condições para se habilitar ao financiamento imobiliário por essa linha. A carteira de crédito imobiliário do banco atingiu, em abril, R$ 42,06 bilhões, crescimento de 45,9% em 12 meses.

Queda no crédito imobiliário: Nos últimos meses, ficou mais difícil para o brasileiro obter o financiamento da casa própria. Em abril, a Caixa Econômica Federal restringiu o financiamento de imóveis usados. Antes, o banco financiava até 80% do preço de um imóvel usado de até R$ 750 mil, e a pessoa só precisava dar 20% de entrada. Agora a Caixa só financia 50%. Num imóvel de R$ 300 mil, por exemplo, a entrada era de R$ 60 mil. Agora tem de ser R$ 150 mil. A Caixa também já aumentou duas vezes neste ano os juros para financiamento da casa própria neste ano. O BB também anunciou um aumento dos juros, em maio. Tudo isso porque os bancos usam o dinheiro da poupança para financiar as operações imobiliárias do Sistema Financeiro de Habitação. Com a atual situação econômica do país, porém, os depósitos em poupança têm caído ao longo deste ano e batido recordes negativos. Desse modo, os bancos têm menos recursos para emprestar nesta modalidade de crédito. (Agência Brasil)

Comente agora
22
Jul
Dívida externa estimada pelo BC é de US$ 345,199 bilhões
Postado por: Ionara Peixoto / 15:02h

A estimativa do Banco Central para a dívida externa brasileira em junho é de US$ 345,199 bilhões ante US$ 350,956 de maio. Segundo a instituição, em março de 2015, último dado verificado, a dívida somava US$ 348,606 bilhões. Em dezembro de 2014, a dívida estava em US$ 352,684 bilhões e, no fim de 2013, a dívida era de US$ 312,517 bilhões. A dívida externa de longo prazo atingiu US$ 289,112 bilhões em junho, enquanto o estoque de curto prazo ficou em US$ 56,087 bilhões no fim do mês passado, segundo as estimativas do BC. De acordo com a instituição, merecem destaques na dívida externa de longo prazo os empréstimos tomados pelo setor não financeiro, de US$ 2 bilhões, as amortizações do setor financeiro, de US$ 2,1 bilhões, e o aumento em função de paridades, de US$ 485 milhões. Já no caso de curto prazo, a explicação da diferença se dá, principalmente, por conta de empréstimos de curto prazo tomados pelo setor não financeiro, de US$ 680 milhões e amortizações do setor financeiro, de US$ 3,3 bilhões.(Bn)

Comente agora
22
Jul
Gasto de brasileiros no exterior soma US$ 9,9 bilhões no 1º semestre
Postado por: Ionara Peixoto / 13:50h

Os gastos de brasileiros no exterior em junho somaram US$ 1,64 bilhão, segundo informações divulgadas pelo Banco Central nesta quarta-feira (22). No mesmo mês do ano passado, as despesas haviam totalizado US$ 1,99 bilhão.No acumulado do ano até junho, o patamar está em US$ 9,94 bilhões, uma queda de 20,1% frente aos gastos de US$ 12,44 bilhões registrados no mesmo período de 2014.As despesas dos brasileiros em outros países foram maiores em junho do que em maio, quando somaram US$ 1,41 bilhão.Nesse semestre de queda dos gastos, o dólar tem registrado alta. No mês passado, a moeda norte-americana caiu 2,4%. Em 2015, porém, o dólar teve alta de 19,3%. Nesta quarta-feira, o dólar opera em alta, negociado ao redor de R$ 3,20. O dólar mais alto encarece as passagens e os hotéis cotados em moeda estrangeira, além dos produtos comprados lá fora. A valorização da moeda norte-americana também encarece os gastos com cartões de crédito e débito no exterior – que sofrem a incidência, ainda, do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) de 6,38%.

Comente agora
21
Jul
Desemprego deve substituir inflação como vilão no consumo das famílias, diz CNC
Postado por: Anacley Souza / 20:16h

O fantasma do desemprego deverá trocar de lugar com a inflação no rol de responsáveis pela queda no consumo das famílias neste ano, movimento já esperado por vários economistas. A avaliação é da economista Juliana Serapio, da equipe da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que anunciou nesta terça-feira, 21, uma queda de 5,3% na Intenção de Consumo das Famílias (ICF) de julho na comparação com junho, registrando 86,9 pontos. Ao longo das seis quedas seguidas no ICF até julho, a inflação foi a maior vilã na queda da intenção de consumo. “A inflação deverá estar melhor no segundo semestre. No primeiro semestre, tivemos o efeito dos reajustes de preços administrados”, disse Juliana, referindo-se, sobretudo, aos reajustes da conta de luz. A questão, destacou a economista, é que a inflação e a elevação dos juros já vinham afetando negativamente o consumo das famílias desde o ano passado, mas o aumento do desemprego se apresenta como novidade deste ano. “Este ano, o componente novo é o desemprego. Até o ano passado, ele não estava no radar”, completou Juliana. Isso se reflete nos diferentes componentes do ICF. Os de melhor desempenho, mesmo que no terreno negativo, são os relacionados ao mercado de trabalho e renda.

Comente agora
21
Jul
Receita lança rascunho da declaração do IRPF 2016
Postado por: Redação Voz da Bahia / 17:21h

A partir desta terça-feira, 21, o contribuinte pode armazenar os dados fiscais em tempo real. A Receita Federal lançou a ferramenta de preenchimento do rascunho da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2016. O programa está disponível na página da Receita na internet (www.receita.fazenda.gov.br) e na loja do sistema operacional Android para quem tem dispositivos móveis. Nos próximos dez dias, o aplicativo deve estar disponível para o sistema iOS, porque a ferramenta precisa ser autenticada pela loja do sistema operacional Apple. A Receita promete estender a novidade também para o sistema Windows Phone, mas não informou quando. A ferramenta facilita a vida do contribuinte, que não precisa guardar documentos durante o ano inteiro para inserir os dados somente no período de entrega da declaração. "Da mesma forma que existe gerenciador financeiro, o aplicativo funciona quase como um gerenciador fiscal da pessoa física. Ao longo do ano, o contribuinte preenche o rascunho, poupando tempo na hora de fazer a declaração em março e abril", explica o subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita, Carlos Roberto Occaso.

Comente agora
21
Jul
Cenário político derruba Bovespa ao menor nível desde 31 de março
Postado por: Samile Macedo / 10:58h

O cenário político brasileiro pressionou o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, ontem, impedindo o Ibovespa de acompanhar a alta dos mercados europeus diante do avanço nas negociações de resgate da economia grega. O Ibovespa fechou em queda de 1,42%, a 51.600 pontos. É o menor nível desde 31 de março, quando estava em 51.150 pontos. O volume financeiro foi de R$ 6,892 bilhões. No exterior, as Bolsas da Europa ganharam entre 0,2% e 1,1%, enquanto os índices de ações nos Estados Unidos encerraram a sessão perto da estabilidade. Segundo analistas, o vencimento de opções sobre ações - quando acaba o prazo de contratos que apostam no valor futuro de papéis - também pesou sobre o desempenho do Ibovespa. A operação movimentou R$ 2,05 bilhões. O índice brasileiro sentiu peso da piora no quadro político do país, na esteira do anúncio pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de seu rompimento com o governo. Cunha e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tentam transformar a crise política em institucional, com o discurso de que o Poder Legislativo está sendo atacado pelo Judiciário e pelo Ministério Público, numa ação orquestrada pelo Executivo. 

Comente agora
21
Jul
Cresce inadiplência em carros financiados e renogociar dívida é opção
Postado por: Samile Macedo / 07:07h

Com a crise econômica, as montadoras de veículos têm sofrido com a queda nas vendas e os carros parados nos pátios. Porém, os consumidores também sofrem para pagar os carros comprados em várias prestações. Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, as empresas que atuam na recuperação de crédito estão reduzindo os prazos para cobrar consumidores em atraso e estão aumentando em até 28% a retomada de veículos por inadimplência. Tanto que na Paschoalotto, uma das maiores da área, só no primeiro semestre de 2015 foram retomados 6.034 veículos, alta de 20%. "Não só por meio da Justiça. O número de clientes que entregaram os veículos espontaneamente, porque sabiam que não teriam como quitar o financiamento, também aumentou 20% no período", explica Eric Garmes de Oliveira, vice-presidente da empresa. "É um sinal forte da crise, porque, mesmo após pagarem entrada e uma ou duas parcelas, entregaram o carro, após serem cobrados por telefone e e-mail". Essa dificuldade se relaciona com outro fator que revela a crise que a economia está vivendo: o aumento do desemprego. "O consumidor também está fazendo um ajuste. Se ele perde o emprego e tem renda menor, prioriza o que vai conseguir pagar", diz ao jornal o economista-chefe da Acrefi, que reúne instituições de crédito e financeiras, Nicola Tingas. Ainda de acordo com a Folha, o tempo para cobrar os devedores com atrasos menores caiu de 30 para 5 dias, segundo as empresas da área. Porém, esse é um momento em que os consumidores podem renegociar a dívida e, assim, manter as contas em dia e o veículo na garagem. 

Comente agora
20
Jul
Após "alívio" durante a tarde, dólar fecha a R$ 3,20 com tensão política e BC
Postado por: Redação Voz da Bahia / 23:40h

Após subir mais de 1% na última sessão, o dólar comercial voltou a subir forte nesta segunda-feira (20) pressionado não só pelo noticiário político da última semana, mas pelas recentes declarações de Renan Calheiros e ainda de olho em um possível discurso do diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, Tony Volpon, que participa de evento em São Paulo. O dólar comercial fechou com alta pelo terceiro dia seguido, avançando 0,21%, cotado a R$ 3,1999 na compra e R$ 3,2006 na venda, após chegar a superar o patamar de R$ 3,22 no início dos negócios. Durante o fim de semana, o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL) criticou duramente o ajuste fiscal e elogiou o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que na sexta-feira anunciou seu rompimento com o governo e sua ida para a oposição. Renan classificou o ajuste fiscal como "tacanho" e "insuficiente", em vídeo divulgado pela TV Senado. "Com poder suficiente para barrar e dificultar a aprovação das medidas de interesse do governo na casa, Cunha é figura central de uma batalha que poderá custar à presidente Dilma Rousseff a perda do mandato", escreveu o operador da corretora Correparti Ricardo Gomes da Silva em nota a clientes, de acordo com a Reuters. Além disso, o mercado segue atento às falas de Volpon, que participa de encontro com investidores em São Paulo e pode trazer novidades sobre a visão do BC e possíveis novas medidas. Tudo isso uma semana antes da nova reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), que na quarta-feira (29) deve elevar novamente a taxa básica de juros, a Selic.

Comente agora
20
Jul
INSS começa a pagar aposentadoria integral aos segurados
Postado por: Anacley Souza / 22:41h

O INSS liberou a concessão das aposentadorias pela fórmula 85/95, que substitui o fator previdenciário. O novo cálculo permite trocar o pagamento de um valor menor por 100% do benefício para quem atingir a pontuação mínima exigida. Segundo o INSS, o sistema que calcula a nova fórmula está disponível nas agências da Previdência Social desde sexta-feira (17) – quase um mês após a mudança entrar em vigor. Assim, já é possível pedir a aposentadoria com os critérios da nova regra, instituída pela Medida Provisória 676 no dia 18 de junho. Segundo o INSS, para pedir o benefício integral é preciso agendar, pelo telefone 135 ou pela internet, o requerimento de aposentadoria por tempo de contribuição. "A análise de em qual regra o segurado se enquadra (85/95 ou aplicação do fator previdenciário) será feita no momento do atendimento", afirma o órgão. Quem pediu a aposentadoria integral depois do dia 18 de junho (quando a MP passou a vigorar) e optou pela regra 85/95 terá o benefício revisado, de acordo com a Previdência. O órgão disse que não há previsão de quando será feita a revisão.

Comente agora
20
Jul
Desconto do IPVA de carros com placa de finais 7 e 8 é válido até o fim de julho
Postado por: Anacley Souza / 20:27h

Os proprietários de veículos, com placas de finais 7 e 8, têm até os dias 27 e 28 de julho, respectivamente, para aproveitar o desconto de 5% no pagamento do Imposto Sobre Propriedade de Veículo Automotor (IPVA). A Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-BA) disse que o benefício é valido somente para quitação à vista. Existe a opção de parcelar o imposto em três vezes. Neste caso, o pagamento da primeira cota também deve ser feito até os dias 27 e 28. Outra possibilidade é quitar o valor integral do tributo, sem desconto, até 29 de setembro (placa de final 7) e até 30 de setembro (final 8). A secretaria informa ainda que, nos próximos dias, vencem as cotas mensais para quem optou, nos meses anteriores, pelo parcelamento do imposto – no dia 29 próximo vence a segunda parcela para as placas de final 6. Já, no dia 31, vence a última parcela para placa de final 5. Caso o proprietário não tenha quitado nenhuma parcela deverá efetuar, até essas datas, o pagamento integral em cota única sem desconto. As datas de quitação das demais cotas e placas podem ser conferidas no calendário do IPVA 2015 disponível no site da Sefaz-BA. Para efetuar o pagamento, basta o contribuinte se dirigir a uma agência ou caixa eletrônico do Banco do Brasil, Bradesco ou Bancoob, portando o número do Renavam. (Secom)

Comente agora
20
Jul
Fuja da caderneta de poupança e multiplique seu dinheiro com segurança
Postado por: Anacley Souza / 19:45h

A forma de investimento preferida dos brasileiros se transformou em uma enganação nos últimos 12 meses. Os ganhos da caderneta de poupança estão sendo corroídos pela inflação, fazendo com que, ao longo do tempo, o poder de compra do brasileiro vá por água abaixo. Um estudo da consultoria Economatica mostrou que quem tem dinheiro na poupança perdeu 1,31% no último ano — diferença entre a rentabilidade e a inflação oficial. Significa que os preços no Brasil subiram mais rápido do que o rendimento da caderneta de poupança nesse período.   Caio Peres, diretor de produtos da corretora XP Investimentos, observa que a poupança é uma aplicação fácil e, por isso, tão popular. A pessoa que investe em poupança está ficando pobre e não sabe. A poupança é um mecanismo de investimento muito cômodo. Tem uma facilidade, é muito simples, fácil de entender, de acessar. Só que ela cobra um preço alto por essa comodidade: a rentabilidade dela é muito baixa. Mas se esse investimento tão usado no Brasil está longe de ser o melhor, onde é recomendável guardar? Algumas modalidades de investimentos que são considerados conservadores em que o rendimento pode chegar a ser 75% maior do que a poupança. Além disso, fugir da tradicional forma de guardar dinheiro pode ser mais fácil do que você imagina.

Comente agora
20
Jul
INSS: mudança faz patrão de domésticas pagar multa
Postado por: Anacley Souza / 19:19h

A data de vencimento para pagar a contribuição previdenciária das empregadas domésticas mudou. O prazo foi antecipado do dia 15, a partir deste mês, para todo dia 7 do mês subsequente ao trabalhado. Muitos empregadores alegam que foram surpreendidos com a modificação e que por isso não recolheram os valores referentes à contribuição para o INSS de junho. Sendo assim, terão que pagar multa. Por cada dia de atraso será cobrado acréscimo de 0,33%. A data foi alterada pela Lei Complementar 150, publicada no Diário Oficial de 2 de junho. O limite só não vai ser no dia 7 de cada mês quando coincidir com sábados, domingos e feriados. Assim, o vencimento será transferido para o próximo dia útil. O cálculo da multa é simples. Para se chegar ao valor final, o empregador precisa multiplicar 0,33% pelo número de dias em que houver atraso no recolhimento após o vencimento, neste acaso, o dia 7 de cada mês. Se o patrão não quitou na data e deixou para fazer hoje, por exemplo — 13 dias após o prazo — terá que pagar 4,29% de acréscimo. Se a empregada doméstica ganha o piso regional (R$953,47), por exemplo, o patrão terá que pagar multa sobre a contribuição mensal de R$190,69 (12% do patrão e 8% da doméstica). Ou seja, terá que fazer o seguinte cálculo: 4,29% sobre os R$190,69, resultando em R$ 8,18 de multa. No total, o empregador pagará hoje R$ 198,87. Vale lembrar que no caso da doméstica que ganha do piso, a multa diária será de R$0,63.

Comente agora
20
Jul
Governo quer abrir o capital de companhias estatais
Postado por: Samile Macedo / 12:42h

Em corrida contra o tempo para fazer caixa e cumprir a meta fiscal de 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou que o governo quer abrir o capital de algumas companhias públicas. Em entrevista publicada ontem no jornal A Gazeta, do Espírito Santo, o ministro defendeu que a medida traria competitividade, mas evitou citar quais as empresas candidatas para a oferta de ações. Ao justificar a importância de se fazer o ajuste fiscal com rapidez, Levy disse que é necessário tomar outras medidas, além das que já foram anunciadas. “Tem algumas companhias públicas que estamos querendo abrir o capital. Elas ficarão mais competitivas, isso aumentará o valor delas, teremos um pouco mais de receita. É um ganha-ganha”, afirmou. (Correio)

Comente agora
20
Jul
Saque do PIS para quem não é da Caixa Econômica começa na quarta
Postado por: Redação Voz da Bahia / 08:53h

A liberação do abono salarial do PIS/Pasep 2015 para quem não é cliente da Caixa Econômica Federal começa a ser feita nesta quarta-feira (22) e se estende até 2016. Clientes da Caixa já podiam sacar o benefício desde a quarta passada (15). Mas o calendário, que empurrou para o ano que vem o pagamento do benefício a 10 milhões de trabalhadores, é questionado por ação da Defensoria Pública da União (DPU), que argumenta que estender um pagamento devido em um ano para o outro é quebrar o princípio de anuidade. O abono salarial, no valor de um salário mínimo (R$ 788), é pago anualmente aos trabalhadores formais (com carteira assinada) que ganham, em média, até dois salários mínimos por mês. O governo federal sempre liberou os recursos a todos os beneficiados no segundo semestre de cada ano, de acordo com a data de nascimento. Este ano, porém, os trabalhadores da iniciativa privada que fazem aniversário de janeiro a junho e os servidores públicos com final de inscrição no Pasep de 5 a 9 só poderão sacar o recurso em 2016. Para a DPU, a mudança prejudica 10 milhões de trabalhadores, pois a Constituição estabelece que o abono salarial deve ser pago anualmente.

Comente agora
20
Jul
Em nova alta, mercado prevê inflação de 9,15%
Postado por: Samile Macedo / 08:51h

As estimativas dos economistas das instituições financeiras sofreram uma nova pior, segundo pesquisa do Banco Central. A estimativa para a inflação teve a 14ª semana seguida de alta: passou de 9,12% para 9,15%. Já a previsão para o PIB, depois de uma semana de "trégua", voltou a recuar. Os analistas agora estimam que a economia sofra uma contração de 1,7% este ano, ante 1,5% na semana anterior.

InflaçãoPara o final de 2016, a pesquisa apontou ligeiro ajuste para baixo na alta do IPCA, a 5,4%, contra 5,44% antes. Se confirmada a estimativa para o IPCA, a inflação de 2015 atingirá o maior patamar desde 2003, quando ficou em 9,3%. A expectativa oficial do governo para a inflação deste ano, divulgada no decreto de programação financeira em maio, está em 8,26%. Segundo economistas, a alta do dólar e dos preços administrados (como telefonia, água, energia, combustíveis e tarifas de ônibus, entre outros) pressiona os preços em 2015. Além disso, a inflação de serviços, impulsionada pelos ganhos reais de salários, segue elevada. Pelo sistema que vigora no Brasil, a meta central para 2015 e 2016 é de 4,5%, mas, com o intervalo de tolerância existente, o IPCA pode oscilar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta seja formalmente descumprida. Com isso, a inflação deverá superar o teto do sistema de metas em 2015, algo que não acontece desde 2003.

PIB - Se confirmado o resultado de queda de 1,7% no PIB, será o pior resultado em 25 anos, ou seja, desde 1990 – quando foi registrada uma queda de 4,35%. O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira. 

Comente agora
19
Jul
Inflação percebida por idosos deve ser mais salgada em 2015, diz FGV
Postado por: Anacley Souza / 14:50h

Os lares brasileiros que contam com moradores idosos devem ser mais penalizados pela inflação este ano. A alta de preços para esses consumidores já atingiu 9,37% nos 12 meses até junho e tende a se aproximar de 10% nos próximos três meses, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). No segundo trimestre, o índice até perdeu força em relação ao início do ano. A alta de 2,46% foi pouco mais da metade da taxa observada entre janeiro e março, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor - Terceira Idade (IPC-3i). Mesmo assim, itens que comprometem fatias relevantes do orçamento, como remédios, plano de saúde e condomínio, continuaram a ficar mais caros. "O custo de vida para famílias com idosos deve avançar mais em 2015, ou seja, elas devem perceber uma inflação mais alta justamente por conta do encarecimento de serviços que são mais essenciais", disse o economista André Braz, pesquisador da FGV. "A taxa trimestral pode desacelerar, mas em 12 meses vai continuar avançando e pode se aproximar cada vez mais de 10% ao longo dos próximos três meses." Segundo Braz, como os idosos permanecem mais tempo em casa, gastos com energia elétrica, taxa de água e esgoto e condomínio acabam pesando mais no orçamento. "Sem contar alimentação, que anda avançando muito em relação ao que foi em 2014", explicou.

Comente agora
19
Jul
Metade do 13° do INSS vai sair na folha de agosto
Postado por: Redação Voz da Bahia / 10:56h

Os mais de 30 milhões de aposentados, pensionistas e segurados do INSS em todo o país vão receber metade do décimo terceiro salário na folha de pagamento de agosto. A antecipação de 50% do abono de Natal para esse pessoal, como em anos anteriores, depende da publicação de decreto permitindo o crédito na conta. Segundo uma fonte ouvida pela coluna, a medida que será assinada pela presidenta Dilma Rousseff e pelo ministro da Previdência, Carlos Gabas, vai ser publicada até, no máximo, o dia 8 de agosto no Diário Oficial da União. A medida vai deixar aposentados mais tranquilos em tempos de ajuste fiscal.Com decreto, a Dataprev rodará a folha para o crédito começar dia 25 do mês que vem para quem ganha um salário mínimo (R$ 788). No ano passado, a ordem para o pagamento saiu no DO no dia 5 de agosto, determinando o crédito de 50% do abono de Natal para os aposentados e pensionistas do INSS. A liberação do dinheiro segue o calendário de pagamento dos benefícios mensais nos bancos.

Comente agora
19
Jul
Tarifaço na energia triplica calote na conta de luz
Postado por: Anacley Souza / 09:50h

O tarifaço aplicado pelo governo nas contas de luz ao longo do primeiro semestre do ano já triplicou o crescimento da inadimplência no setor. Com aumentos nas tarifas superiores a 50% em algumas regiões do País, a expansão dos calotes nas faturas saltou de uma variação média de cerca de 6% no começo do ano para 17,35% em junho, na comparação com os mesmos meses de 2014. A preocupação das distribuidoras de energia é que esse problema resulte no crescimento de outro: os furtos de energia, popularmente conhecidos como "gatos" na rede elétrica. De acordo com dados do SPC Brasil, a falta de pagamento de contas de luz já respondia por 6,47% das dívidas dos brasileiros no mês passado. Essa é a maior participação do setor no total de calotes desde quando a entidade passou a acompanhar os dados, em janeiro de 2010. Na época, os atrasos nas faturas de eletricidade representavam apenas 2,53% da inadimplência no País. "Além do aumento nas tarifas, o cobertor está cada vez mais curto devido ao aperto na renda e à alta dos juros. Com isso, os consumidores estão atrasando até faturas essenciais, que acarretam o corte de serviço, como é o caso das contas de luz. Nesse cenário, é ainda mais importante que as famílias reavaliem seus orçamentos e economizem eletricidade, evitem o desperdício", avalia a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. E pior do que o crescimento dos débitos em aberto no setor, as dívidas mais longas estão cada vez mais frequentes. O levantamento do SPC Brasil mostra que 71,98% dos atrasos nas faturas se referem a contas de luz vencidas há mais de 90 dias, prazo após o qual as companhias de eletricidade cortam o fornecimento.

Comente agora
19
Jul
Valor da folha de pagamento e número de horas pagas na indústria recuam em maio, diz IBGE
Postado por: Anacley Souza / 09:23h

A quantidade de pessoal ocupado na indústria em maio recuou 1% em relação ao mês de abril. Com o resultado, divulgado nesta sexta-feira (17), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o índice acumula queda de 5% no ano e de 4,4% nos últimos 12 meses. A análise mostra ainda que o número de horas pagas (- 1,3%) e o valor da folha de pagamento real (- 3,7%) também apresentaram taxas negativas no mês. Segundo o IBGE, o total do pessoal ocupado assalariado permaneceu menos intenso com o quinto resultado negativo seguido do volume de ocupados. O número de horas pagas aos trabalhadores, por sua vez, é o menor desde 2009 e o terceiro negativo seguido da análise. O instituto analisa ainda que os resultados refletem a diminuição de ritmo da produção industrial desde o último trimestre de 2013. Neste mesmo período, o pessoal ocupado e do número de horas pagas também apontam para perdas significativas, de - 7,3% e - 8,2%, respectivamente. Em maio, o volume de trabalhadores avançou apenas em um dos setores de atividades pesquisados, o de produtos químicos (+ 0,2%). Em contrapartida, 17 dos ramos reduziram seu pessoal.

Comente agora
19
Jul
Crise leva jovens a enfrentar desemprego pela primeira vez
Postado por: Anacley Souza / 07:51h

Acostumados a trocar de emprego em busca de desafios e desenvolvimento profissional constantes, a chamada geração Y – jovens nascidos entre as décadas de 80 e 90 – começa a se deparar com o fantasma do desemprego, que começou a bater à porta dos brasileiros com mais intensidade este ano. Esses jovens cresceram em um período de prosperidade econômica. Pelo fato de mudarem constantemente de emprego, levaram até as empresas a pensar em estratégias para segurar talentos. Mas agora eles enfrentam a alta na taxa de desemprego no país, que aumenta principalmente entre os jovens. Entre maio do ano passado e maio deste ano, o desemprego subiu de 4,9% para 6,7%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E a intensidade desse crescimento foi mais forte entre os jovens de 18 a 24 anos. Nesta faixa de idade, a taxa de desocupação passou de 12,3% em maio de 2014 para 16,4% em 2015. Ainda segundo o IBGE, em maio deste ano, o grupo de 18 a 24 anos representava 32% da população desocupada, e o de 25 a 49 anos, 51,1%. 

Comente agora
18
Jul
Bahia perdeu mais de 60 mil postos de trabalho em junho
Postado por: Anacley Souza / 15:42h

Dos postos de trabalho encerrados em junho deste ano no Brasil, 60.991 vagas são da Bahia, de acordo com as informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), sistematizadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI). Considerando as 51.867 admissões ocorridas no período, o saldo negativo foi de 9.124 vagas. Entre os setores que registraram cortes estão Serviços (-4.242 postos), Construção Civil (-4.081), Indústria de Transformação (-409 postos), Comércio (-271 postos), Serviços Industriais de Utilidade Pública – SIUP (-187 postos) e Agropecuária (-4 postos). A Administração Pública e a Extrativa Mineral tiveram resultados positivos, com 68 e 2 postos a mais, respectivamente. No acumulado dos seis primeiros meses de 2015, os maiores saldos negativos são na Construção Civil (-19.889 postos), Serviços (-7.555 postos), Comércio (-6.929 postos), Serviços Industriais de Utilidade Pública (-341 postos), Indústria de Transformação (-331 postos).

Comente agora
18
Jul
Crise hídrica faz metade dos brasileiros reduzir tempo do banho, diz pesquisa
Postado por: Anacley Souza / 14:29h

Mais da metade dos brasileiros passaram a tomar banhos mais curtos por causa da crise hídrica em algumas regiões do Brasil, segundo pesquisa realizada pelo o Instituto Ipsos divulgada este mês ao G1. Mesmo assim, 21,2% dos entrevistados não mudaram os antigos hábitos em casa por causa das torneiras secas. Em todo o país, 56,5% reduziram o tempo no banho. A segunda alteração mais comum na rotina dos brasileiros foi fechar a torneira durante a escovação dos dentes, citada por 45% dos participantes da pesquisa, seguida de reúso de água da máquina de lavar roupa (21,2%), reaproveitamento de água na descarga (15,4%), redução na frequência da lavagem do carro (13,1%) e reúso da água do banho para outros fins (12,6%). A pesquisa foi encomendada por uma marca de eletrodomésticos. Foram ouvidas 1,2 mil pessoas, sendo 566 homens e 634 mulheres com idades entre 16 e 60 anos ou mais, de todas as regiões do Brasil e todas as classes sociais. Os entrevistados responderam à pergunta: "Pensando agora na crise hídrica, que afeta algumas regiões do Brasil, quais foram as mudanças que você adotou na sua casa para economizar água?".

Comente agora
18
Jul
Reajuste de salário perde para inflação
Postado por: Redação Voz da Bahia / 13:35h

Os acordos de negociação salarial firmados em junho tiveram reajuste médio de 7,7% e não foram capazes de repor a inflação acumulada em 12 meses. Com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em 8,8%, os trabalhadores brasileiros com carteira assinada tiveram, em termos reais, uma perda média de 1% nos rendimentos. Os dados integram o levantamento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) com base em dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). "É um quadro bastante diferente do observado nos anos anteriores, quando (os trabalhadores) acumularam aumentos reais", diz o boletim. Em abril, os salários já haviam encolhido 0,6%, descontada a inflação. "Redução real não ocorria desde a crise de 2008 e 2009", afirmou o coordenador da pesquisa e responsável pelo site salários.org.br, Hélio Zylberstajn. Esses dois casos, de reajustes perdendo para a inflação, são consequência da escalada do INPC para níveis acima dos 7% a partir dos primeiros meses de 2015. Desde maio de 2013, os reajustes médios variaram entre 7% e 9%, o que garantia, conforme destaca a Fipe, aumentos reais médios de 1,5 a 2,0 pontos porcentuais. Além da alta da inflação, o comportamento mais fraco dos salários passa pelo ajuste em andamento na economia.

Comente agora
18
Jul
Impostos pagos por brasileiros chegam a marca de R$ 1,1 trilhão
Postado por: Anacley Souza / 11:09h

O valor pago pelos brasileiros neste ano em impostos alcançou R$ 1,1 trilhão neste sábado (18), segundo o “Impostômetro” da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). No ano passado, o mesmo valor foi alcançado apenas no dia 30 de julho – o que aponta aumento da carga tributária, que tem gerado mais custos a empresas e cidadãos, segundo a ACSP. “O aumento é apenas nominal e não real e é explicado pela alta de preços – e não pelo crescimento da atividade econômica. Ou seja, o governo está arrecadando valores superiores em relação ao ano passado, mas eles estão abaixo da inflação atual. Com isso, o país não consegue fechar as contas no azul”, afirmou em nota o presidente da ACSP, Alencar Burti. A marca de R$ 1,1 trilhão equivale ao montante pago em impostos, taxas e contribuições no país desde o primeiro dia do ano. O dinheiro é destinado à União, aos estados e aos municípios. A previsão da ACSP é de que, no fim de 2015, o Impostômetro bata recorde e ultrapasse R$ 2 trilhões. O Impostômetro completou uma década neste ano. O painel eletrônico que calcula a arrecadação em tempo real está instalado na sede da associação, na Rua Boa Vista, região central da capital paulista. O objetivo da ferramenta é conscientizar o cidadão sobre a alta carga tributária e incentivá-lo a cobrar os governos por serviços públicos de qualidade. Pelo portal www.impostometro.com.br, é possível descobrir o que dá para os governos fazerem com todo o dinheiro arrecadado. Por exemplo, quantas cestas básicas é possível fornecer, quantos postos de saúde podem ser construídos. No portal também é possível levantar os valores que as populações de cada estado e município brasileiro pagaram em tributos.(Globo)

Comente agora
18
Jul
Para aumentar a demanda, postos de combustíveis reduzem o preço da gasolina
Postado por: Anacley Souza / 10:50h

Após uma enxurrada de reajustes, um fio de esperança chega ao consumidor baiano: o preço do combustível está mais barato. Quando comparado com a mesma semana do mês passado, o preço médio do litro de gasolina na Bahia caiu de R$ 3,506 para R$ 3,463, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Em Salvador, este valor passou de R$ 3,578 para R$ 3,505 em um mês - o preço mínimo do litro, que no mês passado era de R$ 3,54, agora chega a R$ 3,36. Este movimento na Região Metropolitana de Salvador (RMS), inclusive, já tinha sido notado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o coordenador regional de disseminação de informações do IBGE, Joilson Rodrigues, desde maio há uma tendência de queda nestes preços. “Em janeiro, o valor sofreu uma redução de 1,5%; em fevereiro, houve um aumento de 13,92%; já em março, o aumento foi de 1,03%. Em abril, o aumento foi de 0,1%”, revela. Desde maio, segundo os números do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o preço médio da gasolina pesa menos no bolso dos soteropolitanos. “A redução de maio foi de 0,21% e, em junho, de 0,6%”, enumera Rodrigues. (Correio)

Comente agora
18
Jul
Mega-Sena pode pagar R$ 11 milhões neste sábado
Postado por: Anacley Souza / 08:37h

O sorteio do concurso 1.724 da Mega-Sena, que será realizado neste sábado (18), poderá pagar o prêmio de R$ 11 milhões para quem acertar as seis dezenas. O sorteio será realizado a partir das 20h (horário de Brasília), na cidade de São José dos Pinhais (PR). De acordo com a Caixa Econômica Federal (CEF), se um apostador levar o prêmio sozinho e aplicá-lo integralmente na poupança, receberá aproximadamente R$ 78 mil por mês em rendimentos, o equivalente a mais de R$ 2,6 mil por dia. Caso prefira, poderá adquirir 18 imóveis de R$ 600 mil cada ou uma frota de 73 carros de luxo. A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 3,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa. Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 17.517,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.

Comente agora
17
Jul
Prévia do PIB mostra economia paralisada em maio
Postado por: Anacley Souza / 21:36h

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma espécie de prévia do Produto Interno Bruto (PIB), avançou 0,03% em maio em relação ao mês anterior, informou o Banco Central nesta sexta-feira. Isso significa que o nível da atividade econômica ficou praticamente estagnado nesse período. Sem dar sinais de recuperação da contração de 0,2% verificada no primeiro trimestre, o PIB caminha, assim, para um quadro de recessão técnica, quando o desempenho da economia cai por dois trimestres seguidos. Com isso, a trajetória de recuo da atividade prossegue no país, em um ambiente marcado por ajuste fiscal, inflação alta, aperto da política monetária e aumento do desemprego. A leitura ficou abaixo da expectativa de analistas ouvidos pela agência Reuters, que previam alta de 0,20% de acordo com a mediana de vinte projeções que variaram de recuo de 0,70% a alta de 0,92%. Apesar disso, o indicador teve relativa melhora, levando em conta que ele ficou no negativo nos dois meses anteriores: em abril, recuou 0,88%; e em março, 1,53%. De janeiro a maio deste ano, o indicador caiu 2,64%. No acumulado dos últimos doze meses até maio, o recuo foi de 1,68%. Em relação a maio de 2014, o IBC-Br teve queda de 3,08%. Os dados se baseiam em números dessazonalizados. O resultado em maio foi positivamente impactado pela alta de 0,6% na produção industrial do país no mês sobre abril, em um desempenho inesperado que interrompeu três meses de queda.

Comente agora
Todos os direitos reservados a Marcus Augusto Macedo | vozdabahia@hotmail.com