Voz


PodCast



Enquete





Blog

EI usa água como arma para recrutar civis em Mosul

02/12/2016 08:54

Pelo menos meio de milhão de pessoas estão sem acesso à água corrente na cidade iraquiana de Mosul, marcada pela batalha entre forças do governo e o grupo extremista Estado Islâmico (EI), informou a Organização das Nações Unidas (ONU) à rede CNN. Segundo a emissora, a oferta de água foi interrompida intencionalmente pelos extremistas, próximo ao front de batalha, para convencer que civis se entreguem para ajudar o grupo. Uma das três grandes tubulações de água de Mosul também foi atingida durante o conflito entre o exército e os terroristas, dificultando ainda mais o acesso ao serviço. Por estar dentro de território controlado pelo grupo, não é possível consertar o problema, informou a UNICEF na quarta-feira. A coalizão militar liderada pelo Iraque iniciou uma ofensiva em outubro para recuperar Mosul do poder do EI, que mantém a cidade como sua maior base no país. De acordo com oficiais e testemunhas, o problema na tubulação de fato aconteceu, porém, a estratégia cruel do grupo extremista potencializou o problema da falta de água. “O EI corta a eletricidade de estações de água que fornecem para diversas vizinhanças onde as tropas iraquianas estão avançando”, disse Zuhair Hazem al-Jabouri, membro do Conselho Municipal de Mosul, que supervisiona serviços de água e energia. Segundo Jabouri, os extremistas querem “forçar pessoas a recuarem com eles para que possam usá-las como escudos humanos”. A ONU não confirmou o caso à CNN, mas declarou que o a política de indiferença do EI gerou sofrimento para os mais de um milhão civis que seguem presos na cidade. “Há um padrão claro que vimos em cidade ocupadas pelo EI: eles usam água, comida ou qualquer coisa para coagir a população”, disse Lisa Grande, coordenadora humanitária da ONU no Iraque.


Veja Mais + Blog



As 5+ comentadas












Todos os direitos reservados a Marcus Augusto Macedo | vozdabahia@hotmail.com